Resenha - Sabbath Bloody Sabbath - Black Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade


1973. Ano de estafa total para os pais do heavy metal. Turnês gigantescas e intermináveis em seqüência estavam deixando Ozzy e Cia. ainda mais pirados do que o normal. Egos lá em cima, drogas à toda e o caldeirão mercadológico que cercavam a banda também não contribuíam para manter a mente sã dos prolíficos rapazes de Birmingham.

Dio: ele e Ozzy não eram grandes amigos, mas se respeitavam muito, diz Wendy DioSeparados no nascimento: Paul Stanley e Sidney Magal

Pois para tudo há solução, e no caso, o jeito era botar as idéias no lugar e procurar um refúgio tranqüilo para as gravações. A malfadada experiência no castelo ao norte da Inglaterra escolhido para ser o tal refúgio (em que a fama mística voltava a se tornar real e assustar até os próprios integrantes) era o sinal de que a palavra "convencional" definitivamente não faz parte da história do Sabbath e aquelas duas semanas dentro do estúdio (um outro castelo mais "comportado") entrariam para a história.

No entanto, mais uma vez fugindo do que era esperado, a sonoridade do álbum estava mudada. As guitarras se distanciando da afinação baixa, uso grandiloqüente de teclados, órgãos, cordas e violões, experimentalismo em evidência, melodia em alta - inclusive na voz de Ozzy - visual diferente, técnica e magia num casamento apuradíssimo. Era o sorumbático Sabbath se rendendo á progressividade tão em alta na época? Sim, surpreendentemente era. E o fizeram com extrema sapiência e propriedade, sem jamais sequer arranhar sua identidade própria.

Não à toa o álbum em questão é considerado por muitos o melhor e mais bem produzido da longa carreira do grupo. Curioso notar que o Black Sabbath é talvez a única banda em todos os tempos que tem 5 ou 6 álbuns que podem ser considerados "o melhor" e que há defensores ferrenhos para cada um deles. Sorte nossa que ganhamos obras e mais obras magníficas para saciar nossa sede de boa música pesada.

Ao mesmo tempo em que trazia inovações, "Sabbath Bloody Sabbath" - um nome perfeito, ressaltemos - evocava uma volta às raízes em se tratando de sua temática ocultista, mística e mágica, de arte gráfica (um trabalho primoroso de Drew Struzen) e musicalidade idem.

Por vezes "alegre" demais, outras, introspectivo. Ainda assim, vigoroso e eficaz. E é essa mistura de harmonias, sentimentos, climas, alma, progressividade, heavy metal, blues e genialidade que faz de "Sabbath Bloody Sabbath" algo especial. Seu tema título, clássico rapidamente imortalizado, demonstra essa variedade perfeitamente, indo da letargia onírica ao clímax em transe, complementado pelo peso característico, seu riff central alucinante e os berros paranóicos de Ozzy.

"A National Acrobat", rítmica, empolgante, com todo o charme do blues e o peso do heavy metal fundidos, que se eleva nas vigorosas suítes instrumentais proporcionadas, dotadas de rara pegada e senso melódico e harmônico.

A linda e emotiva instrumental "Fluff", carregada de tenros arpejos por parte de Tony Iommi consagra-se como uma das composições mais expressivas melódica e sentimentalmente que a banda já fez.

E ainda a deliciosamente bluesy "Sabbra Cadabra", daquelas que quando você percebe, está dançando igual um louco pela sala, outro clássico que uma vez incorporado ao repertório ao vivo do grupo não saiu mais, fácil de entender pela sensação que causa na platéia, o típico heavy-rock que a banda faz tão bem, dessa vez incrementado pelos lapsos do progressivo.

A ousadia experimental - para se ter uma idéia foram usados percussão, piano, órgão, sintetizadores, mellotrons, flauta, gaita de foles, tímpano, espineta e diferentes tipos de baixo, violão e guitarra - é sentida durante todo o play, mas fica principalmente evidente na faixa "Who Are You?", lacônica música cantada soturnamente por Ozzy e dona da letra mais "assombrosa" da bolacha.

Não podemos deixar de citar as contribuições de Rick Wakeman, tecladista do Yes, sob o pseudônimo de Spock Wall e que também deixaria sua marca no próximo LP, o "Sabotage".

Ozzy Osbourne sabidamente não era um músico dos mais apegados á teoria e técnica, mas que intérprete fantástico, que frontman único, que entrega tudo de si á música alcançando resultados inimagináveis com isso, louco, insano, imprevisível e por último, dono de uma voz inimitável, enfim, o homem perfeito para ser "a" cara e "a" voz do heavy metal.

Não que eu não queira, ou que sejam de menor importância, mas não é preciso comentar "Killing Yourself To Live" e "Looking For Today", dois cultos ao bom gosto, duas pérolas de refino metálico. Descrevê-las é tirar o impacto da descoberta, desnudar o prazer de encontrar algo novo, porque é isso que acontece a cada vez que se ouve "Sabbath Bloody Sabbath", o típico álbum que a cada nova audição se gosta mais, acha-se coisas novas, detalhes, peculiaridades de uma grande banda. Por isso dê-se ao prazeroso trabalho de descobrir as canções por conta própria e senti-las com a individualidade que é necessária.

Por fim, "Spiral Architect" emociona com sua introdução dedilhada ao violão para depois explodir em técnica e virtuose sadia, se valendo de passagens eruditas, cordas e violinos, no melhor estilo progressivo-setentista, uma das melhores e mais trabalhadas composições do Black Sabbath.

Até os críticos gostaram, eles, metidos e acostumados a serem refinados, eles que sempre detestaram a banda, foram obrigados a se render e derramaram-se em elogios; também pudera, fica difícil achar o que criticar neste material. O álbum acabou sendo o mais vendido da banda desde Paranoid.

Não é um tratado sobre a complexidade, nem tem pretensão de ser, não tem ostentações megalomaníacas e não foi feito para disputar quem é mais rápido ou toca mais difícil, mas quem disse que não há magia e genialidade na pureza?

Simples quando preciso, belo, sutil e agressivo num mesmo espaço, empolga, toca, diverte, encanta. "Sabbath Bloody Sabbath" mostra os mestres se reinventado, produzindo mais uma obra atemporal e influente, fruto da criatividade, técnica e competência que talvez nem os próprios rapazes sabiam que tinham.

Está aí a graça da coisa, o segredo: eram tão espontâneos, sinceros e originais no que faziam, que nenhuma outra banda poderia imitar, de repercussão e importância incalculáveis á época, mas que o tempo se encarregou de imortalizar, criando uma infindável geração de admiradores.

"Sabbath Bloody Sabbath" - que nome fabuloso! Que discaço de heavy metal! Um marco para a banda, um marco para a boa música. Nossos extasiados sentidos agradecem.

Os Mestres:
Ozzy Osbourne (Vocais/Sintetizadores)
Tony Iommi (Guitarras/Violões/Sintetizadores/Piano/Espineta/Flauta/Órgão/Gaita de Foles)
Geezer Butler (Baixo/Sintetizadores/Mellotrons)
Bill Ward (Bateria/Percussão/Tímpano)


Outras resenhas de Sabbath Bloody Sabbath - Black Sabbath

Black Sabbath: Uma espiral que eleva a genialidade ao supremoBlack Sabbath: Obrigatório, se você acredita em duendes!




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Black Sabbath"


Dio: ele e Ozzy não eram grandes amigos, mas se respeitavam muito, diz Wendy DioDio
Ele e Ozzy não eram grandes amigos, mas se respeitavam muito, diz Wendy Dio

Black Sabbath: Dehumanizer será relançado em 2020Black Sabbath
Dehumanizer será relançado em 2020

Black Sabbath: Marina Ruy Barbosa aparece com camiseta da banda em clipeBlack Sabbath
Marina Ruy Barbosa aparece com camiseta da banda em clipe

Curiosidade: 5 músicos mais novos que as bandas em que tocamCuriosidade
5 músicos mais novos que as bandas em que tocam

Big 4 britânico: Halford queria juntar Priest com Maiden, Sabbath e MotörheadBig 4 britânico
Halford queria juntar Priest com Maiden, Sabbath e Motörhead

Tony Iommi: 10 grandes riffs do mestre - Parte 1Tony Iommi
10 grandes riffs do mestre - Parte 1

Em 04/11/1981: Black Sabbath lançava o álbum Mob RulesBlack Sabbath: o fantástico tributo Nativity in Black (vídeo)Músicas macabras: canções de temáticas aterrorizantes (vídeo)

Grandes covers: cinco versões para Snowblind, clássico do Black SabbathGrandes covers
Cinco versões para "Snowblind", clássico do Black Sabbath

Black Sabbath: Tony Iommi topa reunião para Commonwealth em 2022Black Sabbath
Tony Iommi topa reunião para Commonwealth em 2022

Black Sabbath: Ozzy Osbourne comenta início da bandaBlack Sabbath
Ozzy Osbourne comenta início da banda


Separados no nascimento: Paul Stanley e Sidney MagalSeparados no nascimento
Paul Stanley e Sidney Magal

Bob Daisley: baixista dá detalhes de sua briga com OsbourneBob Daisley
Baixista dá detalhes de sua briga com Osbourne


Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

adGoo336