Resenha - Wizard - Beto Vazquez Infinity

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fernando De Santis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 6


Houve uma época (recente), em que chamar diversos músicos conhecidos no cenário, para participar de discos, era meio que "moda". Na Argentina, em 1999, o compositor e baixista, Beto Vazquez (ex-Nepal), concluiu as composições de um álbum que acabou interessando a gravadora Nems... porém a gravadora sugeriu fazer o álbum com músicos já conhecidos: Fabio Lione (Rhapsody), Candice Night (Blackmore's Night), Tarja Turunen (Nightwish), Sabine Edelsbacher (Edenbridge), Jorg Michael (ex-Stratovarius) e entre outros, formaram o time de respeito do álbum "Infinity", que fora lançado em 2001.

Zakk Wylde e Dave Grohl: A treta por causa de canções para OzzyMotörhead: em 1995, Lemmy comenta versão do Sepultura

Com um Gothic Metal de bom gosto, o álbum "Beto Vazquez Infinity" conseguiu agradar fãs no mundo inteiro... e a gravadora estava certa; fazer o disco em inglês e com músicos famosos seria sucesso garantido. Em 2003 o músico argentino lançou o mini-álbum "Wizard", que é uma coleção de versões iniciais (rough) de algumas músicas, versão editada, temas inéditos, entre outras coisas. O álbum "Wizard" começa com a faixa "Wizard" remasterizada, interpretada por Sabine Edelsbacher. Na seqüência vem o tema "Until Dawn", em versão 'rough', com letras originais e interpretadas por Max Ditamo. Essa música está bem diferente da versão do álbum "Infinity", começando pelo vocal, afinal desta vez não é a Tarja Turunen cantando... a letra e a linha vocal estão completamente diferentes. Vale lembrar que a melodia da voz da versão do "Infinity" foi feita por Emppu Vuorinen (guitarrista do Nightwish). "Until Dawn - rough" soa meio estranho para quem está acostumado com a Tarja cantando, mesmo porque a voz do Max não é tão cativante.

A belíssima balada "Sadness in the Night", interpretada por Tarja Turunen, aparece em versão editada para rádio, desta vez, com dois minutos a menos do que na versão original, que tinha mais de sete minutos. Mais outras três versões de "Wizard" estão presentes no disco: versão "crua-inicial", versão karaokê e um vídeo clipe para ser exibido em PC e Machintosh... porque será que o álbum chama-se "Wizard", hein? Um momento interessante do álbum é a versão instrumental do clássico "A Tale That Wasn't Right", do disco "Keeper Of The Seven Keys - Part I" do Helloween. A faixa inédita, "Danjorland", dá um gosto de novidade no álbum, mas não chega ser das mais interessantes.

"Wizard" é um CD recomendado para quem é fanático por Gothic Metal e já tem o disco "Infinity". Se você não conhece o som e ficou curioso, recomendo deixar esse disco de lado e correr atrás do "Infinity", que é muito mais interessante.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Beto Vazquez"


Zakk Wylde e Dave Grohl: A treta por causa de canções para OzzyZakk Wylde e Dave Grohl
A treta por causa de canções para Ozzy

Motörhead: em 1995, Lemmy comenta versão do SepulturaMotörhead
Em 1995, Lemmy comenta versão do Sepultura


Sobre Fernando De Santis

Paulistano, nascido em 1979, Fernando De Santis passa grande parte do seu tempo viajando entre São Paulo, Santos e Curitiba. Nas horas de viagens dentro de ônibus ou aviões, costuma ouvir Hard Rock, Heavy Metal e demos de qualquer estilo. Atualmente trabalha como webdesigner para o Estado de São Paulo. Mantém o site "We Burn", dedicado ao Helloween desde 1998, que nunca lhe trouxe nenhum dinheiro, mas rendeu muito amigos.

Mais informações sobre Fernando De Santis

Mais matérias de Fernando De Santis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336