Resenha - Headless Cross - Black Sabbath

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Jeferson Alan Barbosa
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Durante a carreira do Black sabbath sempre existiu aquela discussão saudável sobre quem ocupou melhor o posto de vocalista da banda.
664 acessosEstreias: 20 ótimas músicas que abrem discografias5000 acessosSupergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer

Muitos não gostam nem de ouvir falar no nome de Tony Martin, o que considero uma tremenda injustiça.

Ouvindo o que o cara cantou, e olha que não foi pouco em HEADLESS CROSS, fica claro a sua competência e inegável qualidade vocal, pois trata-se de um ótimo músico de “estúdio”.

The Gates of Hell - ouvindo essa introdução em um quarto escuro em uma noite de sexta-feira e com fone de ouvido temos a impressão de realmente estarmos nos portões do inferno, não me lembro de algo assim nem na era Ozzy.

Headless Cross - Nos dá a oportunidade de conferir umas das melhores introduções de batera feitas pela banda e a cargo do saudoso mestre Cozy Powell, os pedais do bumbo da batera depois dessa música tiveram que ser trocados com certeza.

Tony Martin demonstra nessa música do é capaz com seu gogó afinadíssimo, fazendo com que a mesma se tornasse um verdadeiro clássico dos anos 80.

Devil & Daughter - Outra paulada com a banda mostrando estar bem afinada e sedenta em gravar um grande trabalho.

When Death Calls - De cair o queixo! seu clima é sombrio, meio moroso no inicio, ao ouvi-la você parece estar mesmo na fronteira entre a vida e a morte, para sair do transe só mesmo quando Tony Martin põe suas cordas vocais p/ trabalhar pesado nos refrões super pesados dessa obra., é maravilhoso!!!
A melodia da voz de Tony lembra muito a voz de Ronnie James Dio, nos transportando de volta a Sign of the Southern Cross, e o que fez inclusive com que alguns fãs mais saudosos taxassem o cara de cópia mal feita de Dio, uma injustiça !

Kill in the Spirit World - Tem uma levada mais maneira, parece que foi composta p/ promover o disco nas rádios, mas, uma boa música.

Call of the Wild - Tem uma pegada forte, uma linha de baixo e bateria perfeita acompanhada da entrada certeira e pesada de Tony Iommy, demais !!!, e tome orgasmo!!!
Black Moon, começa com Tony Iommi mostrando que seus riffs matadores estão todos lá, os mesmos que fizeram a glória do Black Sabbath, deixando o outro Tony a vontade para fazer o diabo nos microfones, inclusive ao pé da letra, já que este CD do Sabbath é o que mais faz referência ao Demo, as letras falam o tempo todo sobre o mal, se você tiver tempo, traduza e veja por si mesmo.

Black Moon - Foi gravada durante as sessões do álbum Eternal Idol, mas ficou de fora, recebendo novos arranjos posteriormente para ser encaixada com sucesso neste CD.

Nightwing - Nos proporciona um clima até meio dramático e também sombrio p/ variar, e nos deixa a clara impressão de que o CD está chegando ao seu final , mostrando que, com essa formação, a banda estava afiadíssima para muitos outros trabalhos.

Vale destacar nas músicas, o trabalho feito pelo baixista Lawrence Cottle que apesar de desconhecido deu conta do recado, participando do clima pesado e sombrio do CD.

Este CD ( p/ mim o melhor da banda com Tony Martin ) serve como um verdadeiro testamento, ou seja um registro digno da passagem dos músicos Cozy Powell, Neil Murray e principalmente, Tony Martin, pelo grande Sabbath.

Se ele ainda não faz parte de sua coleção, o que é um fato lamentável, principalmente se você for fã do Black Sabbath, corra p/ comprá-lo pois irá descobrir que a banda, para sobreviver, nunca precisou única e exclusivamente de Ozzy Osbourne.

Ainda há tempo de descobrir do que Tony Martin era capaz principalmente quando juntava forças com músicos do quilate dos envolvidos neste trabalho, e o que dizer de Tony Iommy!!!????!. Obrigado pela insistência!

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Headless Cross - Black Sabbath

5000 acessosHeadless Cross: a obra prima do Sabbath com Tony Martin5000 acessosTradução - Headless Cross - Black Sabbath

EstreiasEstreias
20 ótimas músicas que abrem discografias

216 acessosBlend Guitar: em vídeo, Top 10 Heavy Metal Bands2390 acessosZakk Sabbath: banda de Zakk Wylde lança EP em junho585 acessosArquivo KZG: Gastão Moreira entrevista o Black Sabbath em 19920 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Black Sabbath"

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Ele passou pelo camarim do Metallica e eles ouviam Black Sabbath

Black SabbathBlack Sabbath
Quem é Mick Wall, o cara que "detonou" a banda?

Black SabbathBlack Sabbath
As 10 melhores músicas da banda segundo a Ultimate Classic Rock

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Black Sabbath"

SupergruposSupergrupos
Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer

Led ZeppelinLed Zeppelin
As crianças da capa de "Houses Of The Holy"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Avril Lavigne muito antes da fama

5000 acessosHeavy Metal: os 10 melhores solos de guitarra de todos os tempos5000 acessosBehemoth: ser cristão e curtir metal é esculhambado e louco5000 acessosSkid Row: Impressionante versão por uma única pessoa5000 acessosWeird Al Yankovic: veja dez paródias do rei da música cômica4826 acessosPhil Anselmo: vocalista conta história de suas tatuagens em vídeo5000 acessosRob Halford: o verdadeiro significado do Natal

Sobre Jeferson Alan Barbosa

Comecei a ouvir Rock aos 12 anos, no inicio dos anos 80, meu primeiro disco foi "PETER FRAMPTON Special" mas foi através do extinto programa "Som Pop" exibido pela TV Cultura que passei a conhecer aquelas que seriam as minhas bandas preferidas, KISS e IRON MAIDEN. Como não tinha dinheiro, a única solução era pedir discos emprestados aos amigos, sendo que os primeiros foram: Fireball e Made In Europe (DEEP PURPLE), Saint n' Sinners (WHITESNAKE), Heaven and Hell (BLACK SABBATH), Iron Maiden (IRON MAIDEN) e Killers (KISS). Possuo um vasto acervo pessoal que incluem fotos, pôsteres e reportagens de muitas bandas, sendo o maior deles o da banda KISS. Assisti a inúmeros shows mas, destaco entre eles como sendo os de maior importância, as duas primeiras edições do Rock in Rio (85 e 91), onde assisti o melhor show da minha vida, o JUDAS PRIEST na tour do disco "Painkiller".

Mais matérias de Jeferson Alan Barbosa no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online