Resenha - Brothers In Arms - Dire Straits

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Raul Branco
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


“Now look at them yo-yo’s that’s the way you do it / You play the guitar on the MTV / That ain’t workin’ that’s the way you do it / Money for nothin’and chicks for free”... Com estes versos estourou, por todo o planeta, o primeiro hit de um disco que seria um marco na história do rock. Suas nove faixas, quase todas, uma após outra, alcançaram as paradas de sucesso de todo o mundo, e o tornaram o álbum mais vendido da história da música no Reino Unido. E, falando em Grã-Bretanha, estamos falando do palco natural de artistas como The Beatles, Led Zeppelin, The Rolling Stones, Oasis, The Who, The Police e muitos outros competidores de respeito e altas vendagens. Ainda assim, apesar de toda essa história de recordes e rendas, “Brothers In Arms” abriu seu espaço justamente por ser descompromissado com o mercado da época (1985), lotado de grupos onde os fatores fundamentais para o sucesso eram a quantidade de laquê gasto nos penteados e o quanto justa a calça de couro de seu guitarrista conseguia ser.
5000 acessosDire Straits: a história por trás de "Sultans Of Swing"5000 acessosGuitar World: as 50 melhores canções de Rock de todos os tempos

O principal responsável por isso foi um guitarrista escocês, dono de uma técnica singular, chamado Mark Knopfler, que compôs todas as músicas, sendo que Money For Nothing teve o auxílio, na composição e vocais, de Sting, ainda componente do The Police. Mark Knopfler conseguiu criar um clima triste e intimista – porém envolvente e cativante - por todo o disco, somente permitindo a uma música romper esta barreira: a animada e vibrante “Walk Of Life”, um dos maiores hits de “Brothers In Arms” e da carreira do Dire Straits. Curiosamente, Neil Dorsman, que co-produziu o disco com Knopfler, queria deixar esta música fora do álbum, mas foi impedido por toda a banda, que no final provou ter tomado a decisão certa.

Para abrir o álbum foi escolhida “So Far Away”, outro grande hit, com versos apaixonados e doloridos como “I’m tired of being in love and being all alone”. Essa tristeza (blue, em inglês) ao mesmo tempo romântica, sonhadora e esperançosa, é traduzida pela inesquecível capa azul celeste, com a foto de um violão de aço National (parecido com o nosso violão dinâmico) alçando vôo entre nuvens levemente escuras num céu azul intenso, quase violeta. Para seguir a faixa que foi o primeiro single retirado do disco, uma música que, se não é triste, mostra desprezo e frustração, “Money For Nothing”. Mais tarde Mark Knopfler citaria sua musa inspiradora: dois carregadores de uma loja falando mal dele ao verem um clip do Dire Straits na MTV. O vídeo-clip feito para essa música foi marcante na época, por ter sido um dos pioneiros em usar animação computadorizada.
Um pouco mais de vibração surge na celebração à vida (simbolizada no clip pelo esporte) em “Walk Of Life” e, para contrastar, a boêmia “Your Latest Trick”, com sua inesquecível frase no saxofone.
Um convite à solidariedade e a amizade sincera, numa das mais belas baladas do grupo, “Why Worry” tem uma letra terna sem cair na pieguice, permitindo a Mark Knopfler explorar seu dedilhado, com o contraponto do piano. Já “Ride Across The River” é uma das músicas do disco que tem como tema o soldado e a guerra, no caso tanto os “partisans” que se julgam imbuídos da causa mais justa quanto os mercenários que não se importam nem com a razão do combate, pois é tudo, para eles, a mesma velha história: matar ou morrer. A guitarra lembra, em determinadas passagens, a de Carlos Santana, e o sopro ainda reforça a idéia, sem que o arranjo se banalize e descambe para o óbvio, abusando da percussão.

Com o mesmo tema – o soldado, desta vez o que volta para casa e não se adapta, tornando-se um criminoso aos olhos da sociedade – temos a música mais contrastante e impactante do disco, “The Man’s Too Strong”, que principia com o violão dedilhado e a voz de Mark, antes que a banda, que vem surgindo do nada, exploda vigorosamente ao mesmo tempo em que é cantado seu refrão: “The man’s too big / the man’s too strong”.

“One World”, um blues, é a mais urbana e pop de todo o álbum, onde a guitarra é tão elétrica quanto pode ser, com seu velho parceiro John Illsley slapeando no baixo. Essa música relativamente pequena (3min40s), descontrai o ouvinte para o que se segue: a faixa-título, “Brothers In Arms”, que nos pega de surpresa, desde seu clima inicial, com ruídos de batalha. Este hino anti-belicista, onde a guitarra de Mark Knopfler volta a apresentar todas as características que o fizeram famoso e respeitado, combinando notas rápidas, curtas e abafadas com outras longas em belos “bendings”, foi guardado propositalmente para fechar o disco. A cama feita pelo órgão é comovente e a cozinha (baixo e bateria) econômica e correta. Mais um hit e mais um clip famoso, com outra técnica de animação, onde até fotocópias foram usadas.

“Brothers In Arms” marca a vitória da emoção e inspiração sobre o modismo e o sucesso pré-fabricado.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Brothers In Arms - Dire Straits

5000 acessosTradução - Brothers In Arms - Dire Straits

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Dire StraitsDire Straits
A história por trás de "Sultans Of Swing"

437 acessosMarcos de Ros: Ximbinha VS. Mark Knopfler - E agora?0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dire Straits"

"Sultans of Swing""Sultans of Swing"
E se fosse outro guitarrista?

News.com.auNews.com.au
Guns, Floyd, Lynyrd e Van Halen são os melhores solos?

Children Of BodomChildren Of Bodom
Alexi não se atreveria a tocar Dire Straits

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Dire Straits"

Guitar WorldGuitar World
As 50 melhores canções de Rock de todos os tempos

BizarricesBizarrices
Ozzy Osbourne, Rolling Stones, The Who e outros

Metal NeoclássicoMetal Neoclássico
As regras para se tornar uma estrela do gênero

5000 acessosMais Alto!: A diferença entre headbangers e humanos comuns5000 acessosFoo Fighters: Pelo Twitter, banda responde ao vídeo viral5000 acessosCapas de álbuns: as mais obscuras e marcantes da história5000 acessosGuns N' Roses: Tommy Stinson sai em defesa de Axl Rose5000 acessosRenato Russo: a história registrada em fotos desde a infância5000 acessosBlack Sabbath: o talvez mais bizarro cover de "Paranoid"

Sobre Raul Branco

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Raul Branco no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online