Resenha - Ashes Are Burning - Renaissance

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Raul Branco
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Um dos marcos da música progressiva dos anos 70 foi o disco de uma banda que, até então, gozava de certo prestígio apenas pela pequena parcela do público que a conhecia. Retrato de sua época, o grupo inglês produziu uma jóia que alcançaria as paradas de sucesso de todo o mundo, inclusive o Brasil, fazendo com que seus discos anteriores fossem “descobertos” pelos fãs e garantindo uma legião de admiradores fiéis através dos anos.
187 acessosRenaissance: a raiz do rock progressivo, pela 1ª vez, em POA5000 acessosIron Maiden: ouça o baixo de Steve Harris isoladamente

“Ashes Are Burning”, o quarto trabalho do Renaissance (segundo de sua formação clássica), apesar de progressivo, segue a vertente conhecida como classic(al) rock; é um disco suave, sem grandes temas instrumentais desenvolvidos até a exaustão, como seus contemporâneos. Com as participações especiais de Michael Dunford no violão (que viria a ser incorporado ao grupo no álbum seguinte, “A Song For All Seasons”) e Andy Powell, do Wishbone Ash, tocando guitarra na faixa-título, seus integrantes John Tout (teclados e vocais), John Camp (baixo e vocais), Terence Sullivan (bateria, percussão e vocais) e Annie Haslam (vocal principal) gravaram 40’44’’ de música, divididas em 6 faixas (três de cada lado) de rara beleza, todas compostas pela dupla Michael Dunford/Betty Thatcher, com arranjos criados para valorizar a voz de soprano de Annie, que rivalizava com Maddy Prior (Steeleye Span) e Sandy Denny (Fairport Convention), pelo título de melhor cantora inglesa dos anos 70.

Sua capa, que trazia uma foto muito granulada dos quatro componentes (Haslam e Tout na frente, Camp e Sullivan no verso), foi lançada em duas versões para o mercado americano e europeu: numa, Annie Haslam está sorrindo, enquanto na outra seu rosto está sério e pensativo. As roupas também são diferentes, mas a disposição dos componentes, tratamento da foto e o cenário são idênticos.

A primeira faixa, “Can You Understand?”, de 9’51’’, abre o disco com o toque de um gongo chinês, acompanhado do piano de Tout e do baixo Rickenbacker de Camp. Com a bateria, cria-se o clima que vai render uma excelente peça, onde você já tem uma demonstração da excelência dos vocais de Annie Haslam, que a interpreta sem o menor esforço. Com uma letra que incita a expansão da mente, tema muito apreciado pela banda, “Can You Understand?” conta com a participação de uma orquestra completa. Uma curiosidade: a parte instrumental central da música, embora não creditada, é “Tonya Comes To Varykino”, música de Maurice Jarre para a trilha sonora do filme “Dr. Jivago”, inclusive com um arranjo muito parecido, onde os guizos do trenó foram mantidos. O mesmo piano, secundado pela voz de Annie, que alcança registros inacreditáveis, inicia o maior sucesso da carreira do grupo, a romântica “Let It Grow”. Sem guitarras com pedais de efeitos nem registros mirabolantes, “Let It Grow” traz apenas piano, baixo e bateria e vocais num hino ao amor. O lado A fechava com os 4’54” de “On The Frontier”, onde Annie Haslam divide os vocais principais com John Tout e há um belo dueto piano/baixo.

“Carpet Of The Sun”, com uma letra ecológica e holística, inicia o outro lado. Mais outra vez, o destaque é o trabalho primoroso da vocalista, complementado por um arranjo de cordas. Foi o segundo hit deste disco.

A música seguinte, “On The Harbour”, a melhor e mais emocionante letra do disco, com um clima pesado e andamento arrastado, descrevia a angústia das moradoras de uma vila à beira-mar, esperando no porto pela volta de seus maridos, pais ou filhos marinheiros, provavelmente afogados no mar. Os acordes pesados de Tout dão a tônica da música. Depois, o fechamento com a faixa-título de longos 11”24”, que parecem ser menores ao ouvinte que se deixa abraçar pelo clima. O solo final de Andy Powell, que em uma pequena passagem remete a “The King Will Come”, do Wishbone Ash, é uma síntese do disco: sem grandes efeitos, timbres bizarros nem truques de estúdio. Apenas música tocada com sentimento.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Ashes Are Burning - Renaissance

2204 acessosTradução - Ashes Are Burning - Renaissance

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

187 acessosRenaissance: a raiz do rock progressivo, pela 1ª vez, em POA182 acessosRenaissance: bom público na boa apresentação em Porto Alegre312 acessosRenaissance: Noite de encanto e rock progressivo em São Paulo0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Renaissance"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Renaissance"

Iron MaidenIron Maiden
Ouça o baixo de Steve Harris isoladamente

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Jon Bon Jovi muito antes da fama

RushRush
Um Adeus Aos Reis

5000 acessosMetallica: James Hetfield imitando Dave Mustaine na TV5000 acessosAC/DC: A origem do nome da banda5000 acessosHeavy Metal: o Diabo e personagens bíblicas nas capas5000 acessosLady Gaga: fã de Iron Maiden e Black Sabbath?5000 acessosGhost: a banda é um projeto solo meu, assume Tobias Forge2324 acessosDio: os álbuns com o vocalista, do pior para o melhor

Sobre Raul Branco

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Raul Branco no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online