Resenha - Powerslave - Iron Maiden

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por André Toral
Enviar correções  |  Comentários  | 

Nota: 10

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.


Os anos oitenta foram grandes representantes da safra heavy metal de maior destaque no mundo, até os dias atuais; muitas bandas se separaram, muitas até desapareceram. O Iron Maiden fez, talvez, o melhor uso do que esta década proporcionou, em termos de som.
9 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores5000 acessosRed Hot Chili Peppers: as melhores músicas segundo o Loudwire

Quando Bruce Dickinson entrou na banda, em 1982, era como se a partir daquele momento a banda tivesse sido criada, pois houve uma grande diferenciação sobre o estilo antes tocado. Não que Iron Maiden e Killers não tenham seus devidos créditos, aliás, são ótimas pérolas do que foi uma banda mais crua, com Paul Di’Anno rasgando sua voz agressiva e rouca. Porém, se considerarmos que todas as bandas tem seus “golden years”, chegaremos à conclusão de que a “trinca” The Number Of The Beast, Piece Of Mind e Powerslave representaram a fase mais produtiva do Iron Maiden.

Ao comentar o último representante desta observação, ou seja, Powerslave, podemos começar pela bela capa; Derek Riggs absorveu o sentimento da letra da canção principal e todo o seu conceito para transportar tudo aquilo à uma ilustração do tipo “tudo a ver” com a idéia principal. Não é de se estranhar que todos os desenhos tiveram que ser minuciosamente estudados para estarem devidamente dentro de um contexto e entendimento, o que engrandece ainda mais a atuação de Derek. Seus detalhes transformaram a capa deste álbum em uma das mais divertidas e enigmáticas de todos os tempos. Mas o maior destaque está na audição dos primeiros acordes musicais.

Powerslave é um álbum recheado de metal por todos os lados; é considerado o mais pesado da banda por muitos fãs. Em Aces High encontramos uma das introduções mais bem feitas de toda a história, após a qual inicia-se uma porradaria descomunal, que a transforma em uma das músicas mais rápidas e pesadas da banda. Nela, um tal de Bruce Dickinson chega ao limite de seus agudos, esgotando e renovando sua potência na fonte do heavy metal; Bruce segue o riff de guitarra em uma melodia vocal bastante acertada para a situação.

O que dizer do baixo galopante e rapidíssimo de Steve Harris? Nicko McBrain se mostra um verdadeiro destruidor com suas viradas precisas, enquanto Dave Murray e Adrian Smith fazem turnos em belos e rápidos solos. 2 Minutes To Midnight é uma das músicas mais clássicas da banda, tocada em todos os shows desde seu lançamento neste álbum. Possui um refrão forte, feito exatamente para ser executado em situações de shows - como de fato nós, fãs, fazemos. O riff que compõe a base principal da música é um clássico, pois lhe dá toda a estrutura para o seu desenvolvimento. Seu peso tradicional, seus solos fantásticos e a melodia vocal a transformaram em um hit indispensável para qualquer show, aonde seja.

Além disso, também vale a pena seguir o significado da letra que fala sobre guerra e que pode ser visto em seu clip. Losfers Words (Big ‘Orra) é uma maravilha em forma instrumental, que mostra todo o potencial sincronizado das guitarras, baixo e bateria; ao ser instrumental, é necessário dizer que, em se tratando de Iron Maiden, a razão de existir não está na vontade da banda em mostrar toda a sua virtualidade de maneira escancarada, pois podemos notar que sua estrutura é mais voltada ao contato direto dos fãs, mesmos que não sejam músicos.

Flash Of The Blade é outra faixa que conta com uma introdução feita pelas duas guitarras, baixo e bateria, e que se transforma em uma música de peso, com vocais altos e refrão marcante. Parte de seu solo é tomada por um dueto fora do comum, onde Dave e Adrian, como sempre, mostram uma precisão de 100% ao executar suas partes. The Duellists é marcada pela sua entrada contagiante e pela fantástica desenvoltura de Bruce nos vocais; a melodia vocal mostra-se muito bem distribuída no contexto geral, acompanhando e preenchendo o campo instrumental da maneira mais contagiante possível.

Para muitos fãs, não chega a ser um clássico, mas o fato é que este som possui atributos que fazem de Powerslave um clássico, como também as guitarras em dueto. Flash Of The Blade é outro primor de peso rasgado, regado por um vocal alto e primoroso, que construi um excelente clima para o refrão. Outro destaque é a guitarra que faz a estrutura primária da canção, diferenciando-se por não seguir a composição do riff central. Após isso, entramos em mais um clássico, a faixa-título (Powerslave), de autoria de Bruce Dickinson, com uma letra soberba, inteligente e muito bem argumentada - Bruce era estudante de História. Talvez ela contenha o riff mais matador e genial da banda, além de uma distribuição musical fora do comum, do começo à melodia de voz, refrão etc. As guitarras soam 101% perfeitas e notamos, de cara, que o solo (feito tanto por Dave quanto por Adrian) é um dos mais belos e melódicos do Iron Maiden. O baixo de Steve fica nítido e se sobressai com toques geniais que seguem o riff principal.

The Rime Of The Ancient Mariner é outro clássico indiscutível, de quase 15 minutos, que mostra do que uma banda pode ser capaz, quando sabe como fazer. E o Iron sabe, muito bem! Sua base é pesada, com um instrumental não menos e um vocal exato e melodioso, à altura de toda a música; Bruce, além de agudos, usa certa rouquidão grave em sua voz, dando um toque mais agressivo. Nicko, em sua bateria, se mostra muito versátil e munido de recursos para encorpar o instrumental.

Outro ponto alto é o baixo marcante e irretocável de Steve. Aliás, a letra é de autoria do próprio Steve, que confessou ser esta a sua melhor composição na banda; é extensa e distribuída em momentos diferentes. No meio de seu andamento, podemos escutar um “apetrecho” climático conduzido pelo baixo e guitarra, de maneira a dar um molho mais que especial à canção. Após isso, Bruce entra interpretando mais uma variação musical, dando início a uma mudança de ritmo após um de seus altos recursos vocais. No geral, este clássico contém o que de melhor existia no Iron Maiden, em uma composição fantástica e de pura inspiração, que faz dar pena de não ser tocada ao vivo atualmente.

Powerslave é isso, ou seja, um álbum de peso, originalidade e inteligência musical, que conduziu a banda ao fantástico Live After Death, e conseqüentemente à fama. Além disso tudo, foi graças a ele que o Iron Maiden pôde vir ao Brasil para o Rock in Rio I, em 1985. A observação que fica é que a banda bem poderia retornar à fonte dos anos 80, ao invés de prosseguir seus investimentos sonoros nos “polêmicos” anos 90.

UP THE IRONS!

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Powerslave - Iron Maiden

5000 acessosIron Maiden: Quem não gosta deste disco não gosta de Heavy Metal1833 acessosIron Maiden: 30 anos do épico e grandioso "Powerslave"3158 acessosIron Maiden: 30 anos de "Powerslave"5000 acessosIron Maiden: um dos mais, se não o mais pesado da sua discografia5000 acessosTradução - Powerslave - Iron Maiden

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Iron MaidenIron Maiden
Steve Harris assiste show do Metallica no Canadá

9 acessosDuplas de guitarristas: Loudwire elenca suas dez melhores336 acessosBruce Dickinson: voando em um bombardeiro da II Guerra Mundial0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Iron Maiden"

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Não sabia que "Tears..." era sobre Robin William

Smoke on the WaterSmoke on the Water
Gravação que reuniu bandas clássicas em 1989

Bruce DickinsonBruce Dickinson
Lady Gaga é muito melhor que Madonna

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDs0 acessosTodas as matérias sobre "Iron Maiden"

Red Hot Chili PeppersRed Hot Chili Peppers
As melhores músicas segundo o Loudwire

Heavy MetalHeavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados no ano de 1980

Em 09/12/2004Em 09/12/2004
Dimebag Darrel é assassinado a tiros durante show

5000 acessosDiscórdia: alguns dos maiores insultos entre artistas5000 acessosSuzi Quatro: a importância da linda baixista para o rock5000 acessosAs I Lay Dying: Banda cristã explica a proximidade com o Behemoth5000 acessosContra-baixo: as melhores introduções do Heavy Metal3325 acessosLoudwire: 10 incríveis façanhas com baterias5000 acessosHá um Megadeth entre Marty e o Kiko

Sobre André Toral

Formado em Administração de Empresas. Curte Hard clássico dos anos 70 e início dos 80; Heavy Metal é sua religião.

Mais matérias de André Toral no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online