RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas


Summer Breeze 2024

Iron Maiden: 30 anos do épico e grandioso "Powerslave"

Resenha - Powerslave - Iron Maiden

Por David Torres
Postado em 08 de setembro de 2014

Existem álbuns que são tão bons que chega a ser impossível classifica-los com apenas meias palavras. ‘’Powerslave’’, o quinto álbum de estúdio do patrimônio do Heavy Metal britânico que atende pelo nome de Iron Maiden, é, sem sombra de dúvidas um desses trabalhos. Grandioso e épico desde a fantástica capa ilustrada pelo magnífico Derrick Riggs até o âmago das composições que existem nele, o álbum foi lançado em 3 de setembro de 1984 através da gravadora EMI Records e completa hoje o seu aniversário de 30 anos. Sucintamente, é um registro que realmente dispensa apresentações para os "headbangers". Após uma sequência de quatro discos completamente irrepreensíveis, a "Donzela de Ferro" retorna com um trabalho que divide águas na carreira da banda. Aqui, nossos ouvidos são presenteados com uma sonoridade que se diferencia dos quatro primeiros trabalhos realizados pela banda comandada pelo exímio e talentosíssimo baixista e compositor Steve Harris. Entretanto, se o ouvinte mais ingênuo acha que isso poderia prejudicar esse lançamento, informo que ele está redondamente enganado...

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 1

As belíssimas guitarras gêmeas de Adrian Smith e Dave Murray marcam o início da empolgante e clássico faixa de abertura, "Aces High". Sendo um dos "singles" gravados para o álbum e possuindo um videoclipe, a música retrata os confrontos aéreos na época da Segunda Guerra Mundial, presenteando os ouvintes com grandiosos "riffs" e solos brilhantes de guitarra, um deslumbrante trabalho de baixo e bateria, cortesia da "cozinha" concebida pelo baixista Steve Harris e pelo baterista Nicko Mc Brain (esse é o segundo álbum em que ele toca, diga-se de passagem), além de vocais absurdamente matadores daquele que é indubitavelmente um dos maiores vocalistas e "frontmens" da história do Metal, Bruce "Mr. Air Raid Siren" Dickinson. O refrão de "Aces High" também é um espetáculo à parte. Poderoso e duro como uma rocha, é daqueles refrões que grudam na cabeça do ouvinte durante horas e os fazem cantá-lo sem parar. Simplesmente fantástico! O trabalho prossegue com mais um tremendo clássica da carreira do grupo, a fabulosa "2 Minutes to Midnight", mais um "single" do álbum e que também possui um videoclipe. Abordando a temática da ameaça nuclear, novamente temos uma banda 100% coesa e que executa um maravilhoso trabalho instrumental e vocal, apresentando uma composição com "riffs" marcantes, solos recheados de "feeling", marcação impecável de baixo, belas linhas de bateria, além de um refrão e vocais impressionantes.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 2

A belíssima instrumental "Losfer Words (Big' Orra)" vem logo após e hipnotiza os ouvintes com suas fascinantes melodias de guitarras, viradas empolgantes de andamento, baixo pulsante e bateria calibrada. Uma canção no maior estilo egípcio do álbum. Uma grande canção que infelizmente não foi executada ao vivo muitas vezes. Os riffs de Dave Murray e Adrian Smith abrem a esmagadora "Flash of the Blade". Com letra composta por Bruce Dickinson, é mais uma grande composição recheada de "riffs" e solos incríveis que fixam na mente do ouvinte e os fazem cantarolar cada melodia de guitarra. Logo após, é a vez de "The Duellists" dar continuidade ao trabalho. Mais uma vez a banda não desaponta um segundo sequer e entrega mais um petardo absurdamente sensacional, repleto de solos e harmonias excepcionais, vocais impressionantes, variações rítmicas muito bem inseridas e construídas, além de grandes e portentosas linhas de baixo e bateria.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 3

"Back in the Village" é a sexta faixa e mantém o pique do álbum, jamais deixando a qualidade do registro decair, brindando novamente os nossos ouvidos com um competente trabalho de toda a banda. Eis que é a vez de uma dobradinha realmente épica encerrar esse brilhante disco: a faixa título "Powerslave" e a grandiosa e indescritível "Rime of the Ancient Mariner". Composta novamente por Bruce Dickinson, "Powerslave" possui uma letra que aborda temas egípcios, o que obviamente se reflete na sonoridade da composição, e como as pessoas podem se tornar "escravas do poder". Com seus quase sete minutos de duração, essa composição é realmente fantástica e certamente é uma das melhores já realizadas pela banda, brindando os ouvintes com um genial trabalho de guitarras, melodias e solos virtuosíssimos, "cozinha" sempre fantástica de baixo e bateria e vocais fenomenais.

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 4

Eis que é a vez da épica "Rime of the Ancient Mariner" encerrar o disco com chave de ouro. O que dizer sobre essa música?! Com seus quase catorze minutos de duração, é a composição de maior duração já gravada pelo Iron Maiden, entretanto, essa música não é excelente apenas pelo tamanho de sua duração e sim, pela sua qualidade lírica e instrumental. E que qualidade! Inspirada no poema homônimo do poeta romântico inglês do século XVIII, Samuel Taylor Coleridge e possuindo uma letra aborda a história de um homem amaldiçoado por uma sereia da morte, essa brilhante e complexa composição entrega aos ouvintes uma estrutura rítmica complexa, incrivelmente trabalhada e muito bem construída, apresentando uma atmosfera esplendorosa, além de quebradas e variações de andamento impressionantes. Há um trecho no meio da música onde ela é intercalada por uma narrativa extraída da obra homônima do poeta Samuel Taylor Coleridge e subitamente abre caminho para a banda finalizar a canção e o álbum de uma maneira espetacular. Nada mais a declarar!

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 5

"Powerslave", como eu disse anteriormente, é um trabalho extremamente fantástico e acima de qualquer rótulo ou descrição. Sua complexidade e "feeling" influenciaram e ainda influenciam diversas bandas e artistas ao redor do planeta. É uma verdadeira obra de arte e deve ser contemplada para todo o sempre, sem sombra de dúvida. Um grande feito não apenas para a carreira do Iron Maiden como para todo o Metal.

UP THE IRONS!
\m/

01. Aces High
02. 2 Minutes to Midnight
03. Losfer Words (Big' Orra)
04. Flash of the Blade
05. The Duellists
06. Back in the Village
07. Powerslave
08. Rime of the Ancient Mariner

CONTINUA DEPOIS DA PUBLICIDADE - TAB 6

Bruce Dickinson (Vocal)
Steve Harris (Baixo e "Backing Vocals")
Adrian Smith (Guitarra e "Backing Vocals")
Dave Murray (Guitarra)
Nicko McBrain (Bateria)


Outras resenhas de Powerslave - Iron Maiden

Resenha - Powerslave - Iron Maiden

Iron Maiden: um dos mais, se não o mais pesado da sua discografia

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:

Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Stratosphere Project: O eco estrondoso da Via-Láctea fundindo-se nas dimensões ocultas

Perc3ption: A arte em situações extremas

"Here Comes The Rain", último registro do Magnum com Tony Clarkin, é mais um bom registro

Resenha - Nebro - Vesperaseth

Sepultura: Em plena forma e com mais um disco brilhante

Deep Purple: Who Do We Think We Are é um álbum injustiçado?

Deep Purple: Stormbringer é um álbum injustiçado?

Megadeth: recuperando a fúria que faltava


publicidadeAdriano Lourenço Barbosa | Airton Lopes | Alexandre Faria Abelleira | Alexandre Sampaio | André Frederico | Ary César Coelho Luz Silva | Assuires Vieira da Silva Junior | Bergrock Ferreira | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Alexandre da Silva Neto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cláudia Falci | Danilo Melo | Dymm Productions and Management | Efrem Maranhao Filho | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Fabio Henrique Lopes Collet e Silva | Filipe Matzembacker | Flávio dos Santos Cardoso | Frederico Holanda | Gabriel Fenili | George Morcerf | Henrique Haag Ribacki | Jesse Alves da Silva | João Alexandre Dantas | João Orlando Arantes Santana | Jorge Alexandre Nogueira Santos | José Patrick de Souza | Juvenal G. Junior | Leonardo Felipe Amorim | Luan Lima | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Marcus Vieira | Maurício Gioachini | Mauricio Nuno Santos | Odair de Abreu Lima | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Ricardo Cunha | Richard Malheiros | Sergio Luis Anaga | Silvia Gomes de Lima | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Victor Adriel | Victor Jose Camara | Vinicius Valter de Lemos | Walter Armellei Junior | Williams Ricardo Almeida de Oliveira | Yria Freitas Tandel |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre David Torres

Formado em Propaganda & Marketing, se autodenomina "Fanfarrão" graças ao seu senso de humor e modo de enxergar o mundo à sua volta. Apaixonado por filmes de terror, quadrinhos e bandas como D.R.I., Faith No More e Napalm Death, escreve também para o blog Blasting Noise Fanzine. Possui muitos sonhos, dentre eles dar início a um projeto de grindcore.
Mais matérias de David Torres.

 
 
 
 

RECEBA NOVIDADES SOBRE
ROCK E HEAVY METAL
NO WHATSAPP
ANUNCIAR NESTE SITE COM
MAIS DE 4 MILHÕES DE
VIEWS POR MÊS