Resenha - Sirens - On The Might of Princes

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Maurício Gomes Angelo
Enviar correções  |  Ver Acessos

publicidade

Nota: 7


Falar de New Metal é algo complicado hoje em dia.

Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoGuns N' Roses: os Jovens Pistoleiros, sexo, drogas e RnR

Questões ideológicas a parte, o On The Might of Princes bebe na fonte daquele "new metal clássico" por assim dizer, ou seja, Korn, Deftones, e por aí vai.

Então espere muitas guitarras distorcidas, climas melancólicos e partes explosivas, aquele vocal alternando entre o bombástico, raivoso e o calmo anestesiado.
Mesclando New Metal, percussões, pianos, influencias punk e hardcore, e uma leve dose de sons latinos, o OTMOP tenta se destacar das demais bandas. Spit Survival é o maior exemplo disso, mistura que no final funciona bem. Outras vezes o som lembra aquele pseudo-rock-comercial que vimos em bandas como Puddle of Mud.

Recursos eletrônicos obviamente estão presentes, mas não apenas como barulhinhos bobos feitos para irritar, e sim como uma forma de complementar e enriquecer o som, pelo menos na maior parte do tempo.

Uma atenção especial com a parte instrumental pode ser claramente notada. Fora as duas composições voltadas especificamente para isso, No Sign of Messiah e They Made Me Do It, algumas músicas prezam por esse quesito, como é o caso de Cloak&Dagger, They Have Teeth (possivelmente a melhor) e The Personnel (bem esquisita e experimental) - a quase escondida última faixa.

Apesar de sofrer com as praticamente inevitáveis repetições do estilo, a base harmônica e melódica do grupo é bem interessante e pode agradar a muitos.

Merecem destaque também Go Fuck Yrself e Here Comes The Sirens, ótimos exemplos do tresloucado som que o grupo faz, além de serem boas músicas.

Vale ressaltar o belo trabalho gráfico, sempre importante, que mostra a preocupação em fazer algo bem feito em todos os quesitos.

Prezando pela melodia, criatividade e certa originalidade instrumental, o On The Might of Princes pode agradar àqueles que tiverem a cabeça um pouco mais aberta do que o normal. Confira.

Site Oficial: http:// www.onthemightofprinces.com

Formação:
Jason Rosenthal (Vocal - Guitarra)
Lou Fontana (Guitarra - Vocais)
Tommy Orza (Baixo - Vocais)
Chris Enriquez (Bateria - Percussão - Piano)

Track-List:
01 - No Sign of The Messiah (Part II)
02 - Go Fuck Yrsefl
03 - The Swell, and The Breaking
04 - You Whistle, I'll Shot
05 - Here Comes The Sirens
06 - My Hands: Landmines, Landfills
07 - They Made Me Do It
08 - Spit Survival
09 - Carry Go, Bring Come
10 - Cloak & Dagger
11 - They Have Theeth
12 - The Personnal (faixa escondida)

Material Cedido por:
Revelation Records
Caixa Postal 5232 - Huntington Beach, CA 92615 - 5232 - USA
Fone: (714) 375 - 4264
Fax: (714) 375 - 4266
http:// www.revelationrecords.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "On The Might Of Princes"


Maridos traídos: Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'AnnoMaridos traídos
Portnoy, Hagar, Osbourne, Waters e Di'Anno

Guns N' Roses: os Jovens Pistoleiros, sexo, drogas e RnRGuns N' Roses
Os Jovens Pistoleiros, sexo, drogas e RnR


Sobre Maurício Gomes Angelo

Jornalista. Escreve sobre cultura pop (e não pop), política, economia, literatura e artigos em várias áreas desde 2003. Fundador da Revista Movin' Up (www.revistamovinup.com) e da revrbr (www.revrbr.com), agência de comunicação digital. Começou a escrever para o Whiplash! em 2004 e passou também pela revista Roadie Crew.

Mais matérias de Maurício Gomes Angelo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336