Matérias Mais Lidas

imagemO rockstar por quem Max Cavalera era fanático, mas não conheceu por causa da bebida

imagemEdu Falaschi diz que não tem vergonha de suas falas que viraram meme no DVD do "Rebirth"

imagem10 músicas dos Beatles das quais Paul McCartney não gostava

imagemRichard Fortus diz que Axl Rose danificou as cordas vocais

imagemMaiden faz homenagem a Eddie, do Stranger Things, que foi inspirado em tragédia real

imagemA banda brasileira que está "pronta para o mercado internacional", segundo Regis Tadeu

imagemA prática mesquinha de bandas que Edu Falaschi considera "desrespeitoso com o fã"

imagemFlea agradece brasileiro que teve receio de pedir foto ao encontrá-lo

imagemQuando Dave Mustaine mostrou como tocar uma música do Metallica de forma mais pesada

imagemOs dez álbuns de Heavy Metal favoritos de Rob Halford, e os dez de qualquer gênero

imagemEm post no TikTok, Metallica pede para fãs antigos pararem de perseguir os fãs novatos

imagemProdutora explica como "Master of Puppets" foi parar em "Stranger Things"

imagemMembros do Metallica ficaram deslumbrados com "Master Of Puppets" em "Stranger Things"

imagemSlash explica porque o Guns N' Roses faz shows de 3 horas e meia

imagemO clássico dos Stones que foi escrito em um motel e não deixou Keith Richards satisfeito


Finlandia 2022
Stamp

Resenha - Live... Greetings From The Flow State - Dishwalla

Por Bruno Romani
Em 05/09/03

Nota: 6

Discos ao vivo, para se dizer o mínimo, possuem invariavelmente características ambíguas. O novo disco do Dishwalla, " Live…Greetings From the Flow State," não é uma exceção a regra. Ao contrário, o quinteto californiano abusou no quesito dubiedade. "Live…Greetings From the Flow State" é uma obra rodeada por perguntas sem resposta, ou por respostas que não condizem com o que deveriam ser as intenções iniciais da banda.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

A primeira questão decorrente desse lançamento refere-se a sua natureza. Seria esse um disco caça-níqueis, tendo em vista que a banda possuí apenas três álbuns de estúdio, sendo os dois últimos fracassos em vendas e execução nas rádios americanas? Ou estaria a banda tentando apenas saciar aqueles que por razões distintas nunca tiveram a chance de acompanhá-la ao vivo?

Ao ter o disco em mãos e conferir que esse possuí apenas 12 números, o ouvinte pode ser levado pela idéia de que se trata de uma apresentação curta e grossa, sem direito a fírulas. No entanto, o que se tem é um álbum longo e cansativo. Os quase 10 minutos de "Moisture" (com direito a solo de bateria) e a versão gigantesca para o hit "Counting Blue Cars" (com intermináveis solos de guitarra) são apenas um aperitivo de um disco feito no melhor estilo Guns n’ Roses ao vivo.

Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva

A dúvida que surge aqui é, qual seria a razão para tantos solos se a intenção era um disco curto, e que deixasse com gostinho de "quero mais"? Se o argumento que aqui for usado defende que o Dishwalla estaria tentando captar em disco toda a atmosfera de uma apresentação da banda, por quê, então, fazer o uso de uma edição irritante e descarada, que abaixa o volume entre uma música e outra? É bom lembrar também, que os shows do Dishwalla possuem muito mais do que 12 músicas de duração. Nesse quesito, inexplicavelmente, a banda ficou em cima do muro. Nem reproduziu o show inteiro e tampouco reduziu-o de forma dramática.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O aspecto positivo de "Live…Greetings From the Flow State" reside, em grande parte, na roupagem rock dada pelo grupo a sua obra. As músicas do gelado disco "And You Think You Know What’s Life About" ganham em dinâmica, especialmente a candidata frustrada a hit "Once in a While." As canções do insosso "Opaline" parecem finalmente ter ganhado vida. "Somewhere in the Middle" e "Mad Life" comprovam essa teoria. Por outro lado, o quinteto se deu mal ao decidir arrefecer o clima rock, fazendo versões intimistas, como em "Angels or Devils" ou "Every Little Thing." O resultado é entediante.

Aliás, ter apostado tanto em "Opaline," o último álbum de estúdio, parece ter sido o erro da banda e, inacreditavelmente, eles persistem no erro, tendo em vista que os dois primeiros álbuns correspondem apenas por metade das canções aqui encontradas. Se a intenção do Dishwalla com esse disco era celebrar sua obra, qual seria a razão do maior número de músicas presente serem provenientes de "Opaline"? Estaria a banda tentando reciclar algo que não deu certo na primeira tentativa? Qual também seriam as razões para a exclusão dos sucessos "Charlie Brown’s Parents," "The Bridge Song" e "Until I Wake Up"? Finalmente, quais seriam os porquês para a rejeição das músicas do segundo álbum, presentes aqui somente com "Stay Awake," "So Much Time" e a já citada "Once in a While"?

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

A maior interrogação nesse CD, também é a que pode mais arranhar a credibilidade da banda. A versão de "Angels or Devils" não parece ter sido gravada ao vivo. Ou será que havia uma placa, iguais a aquelas de programa de auditório, pedindo silêncio no palco? Essa falta de ruídos de pessoas numa canção na qual há somente voz e piano é intrigante. Compare a introdução de "Give," que também se dá somente com voz e piano, com "Angels or Devils" e reflita. Pode ser assustador.

"Live…Greetings From the Flow State" não é a celebração da carreira de uma banda que um dia já esteve no topo. É, na verdade, o retrato da decadência de um grupo que escorregou em seus próprios erros. "Live…Greetings From the Flow State" vale para os fãs e para, quem sabe, estimular a carreira dos californianos. Nada mais.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Airbourne 2022
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Bruno Romani

Colaborador sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Bruno Romani.