Resenha - Master Of The Grotesque - Infested Blood

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Ianatoni
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Publicado originalmente no site HMS Brazil.

Fotos de Infância: Amy Lee, do Evanescence, muito antes da famaKurt Cobain: a teoria de assassinato do músico

O CD é macabro. Corpos despedaçados e parcialmente necrosados pendurados em correntes enormes de aço sobre um limbo de tons ocre dão o ar infernal ao primeiro álbum da banda Pernambucana de Brutal Extremo, Infested Blood.

O CD foi lançado no inicio do ano pela Blackout Discos, um selo local, e conta com nove faixas do mais puro massacre de instrumentos coletivos. É extremo em todos os acordes e notas. É porrada de sair com os ouvidos ensurdecidos.

O encarte, muito bem feito, nos coloca na atmosfera que dá titulo ao trabalho, The Master Of The Grotesque. Uma rápida olhada é o bastante para sentir náuseas. Verdadeira visão do crepúsculo, trás além das informações técnicas, as letras das musicas, aliás, forma única de desvendar o conteúdo de seus petardos.

No cd, faixa após faixa do melhor metal extremo, guitarras e baixo fazendo um som destruidor, barulhento, por vezes, sem definição, mas integralmente com muita ira. A bateria de Beto Santos é incansável, pedais duplos enlouquecem o juízo de qualquer um, e a alternância de vocais completa o conjunto. Ora Cristiano faz o tradicional gutural grave, como alguém que vomita blasfêmias, ora atormenta a lá Filth (Cradle of Filth).

Musicalmente, o cd não trás grandes variações de arranjos. Faixa após faixa as batidas, os riffs e tudo mais se assemelham: "eis a trilha sonora do inferno". Nas letras, o mal, a morte, e as mazelas da vida permeiam cada enredo, construindo letras céticas e pessimistas, e por vezes rodeadas de um bom humor negro como na faixa quatro, Heterosexual Apocalypse.

A etapas de produção foram muito bem realizadas. Gravações perfeitas, mixagem e masterização impecáveis, cada detalhe colocado a altura e a perfeição do que se necessita para um extremo brutal como esse. Como os créditos dessas etapas estão creditados à própria banda, aconselhamos a profissionais renomados como Philip Colodetti (Shaman, Holy Sagga) que tomem cuidado, pois, além de diabólicos músicos os caras estão se mostraram exímios produtores.

Agora é conferir nos shows e adquirir nas lojas.

Playlist:
01. Spiritual Antopophagi
02. Infernal Entinty
03. Death Talks Through My Hands
04. Heterosexual Apocalypse
05. The Art Of Canibalism
06. Infested Blood
07. My Rigid Anatomy
08. Victim Of The Dalism
09. Feeding The Will

Banda:
Cristiano Alexandre - Vocal
Carlos Eduardo - Baixo
Antonio Rufgan - Guitarra
Diego Araújo - Guitarra
Beto Santos - Bateria

Site: www.infestedblood.cjb.net

Blackout Discos:
(81) 3221 2091
joaoblackout@aol.com




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Infested Blood"


Fotos de Infância: Amy Lee, do Evanescence, muito antes da famaFotos de Infância
Amy Lee, do Evanescence, muito antes da fama

Kurt Cobain: a teoria de assassinato do músicoKurt Cobain
A teoria de assassinato do músico


Sobre Thiago Ianatoni

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adClio336|adClio336