Resenha - SETI - Kovenant

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 7


A história do The Kovenant é bastante interessante e colabora imensamente na explicação do estilo encontrado e destrinchado em "SETI" ("Search For Extra Terrestrial Intelligence"). A letra K é a marca primeva de toda a ruptura, pois foi a partir da obrigatória mudança de nome - antigamente The Covenant - que o conjunto partiu para a sonoridade futurista, como ousaríamos dizer, mas, a qual, se olharmos a fundo, deixa traços importantes de retro.

Iron Maiden: A tour de Powerslave quase acabou com a bandaBlack Sabbath: As 10 melhores músicas da banda segundo a Ultimate Classic Rock

Ao ouvir as doze faixas que compõem este disco, o qual é denominado pela gravadora de "cybertrash industrial", podemos nos espantar e ficar atônitos perante tanta estranheza. Contudo, apesar de ser um trabalho sério, bem composto e produzido, não tem toda essa originalidade subentendida pelos rótulos vinculados à banda.

O percurso dos noruegueses não é metódico e por isso tende a um final que soe complexo. Contudo, o que verificamos é uma volta aos anos oitenta, especialmente à música pop e gótica da época, atrelada a guitarras pesadas - até certo ponto -, algumas alusões ao black metal dos álbuns do então Covenant, como "In Time Before The Light" (1995), e finalmente um competente experimentalismo no techno propriamente dito.

É interessante que o tecladista Eric Ljungrenn, programador dos samples e todas as partes eletrônicas, não seja considerado como membro oficial do grupo. Sem ele, a estrutura cederia facilmente e músicas com excelente exploração dos sintetizadores, como "Planet Of The Apes", "Keepers Of The Garden" e "Industrial Twilight", provavelmente soariam execráveis.

Se eles realmente procuram por aquilo que o título do álbum deixa nas entrelinhas, avisem-nos que a inteligência extraterrestre não foi encontrada e o que eles fizeram, com autoridade por sinal, foi um caminho curioso de volta ao passado, levantamento de pontos da fase anterior da banda, e experimento da junção de ambos em elementos modernistas.

É fácil localizar isso. "Star By Star", por exemplo, contém partes que certamente sofreram a influência de Depeche Mode ou New Order - mais da primeira citada pelo lado gótico - e também passagens características deste logradouro seguido pela banda desde "Animatronic" (1999), e agora com mais potência em "SETI" (2003).

Site Oficial - http://www.gentechranch.tk

Formação:
Lex Icon (Vocais - Baixo)
Psy Coma (Guitarra)
Angel (Guitarra)
Von Blomberg (Bateria)

Lançado pela Nuclear Blast no exterior - 2003




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Kovenant"


Iron Maiden: A tour de Powerslave quase acabou com a bandaIron Maiden
A tour de Powerslave quase acabou com a banda

Black Sabbath: As 10 melhores músicas da banda segundo a Ultimate Classic RockBlack Sabbath
As 10 melhores músicas da banda segundo a Ultimate Classic Rock


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336