Resenha - Up - Peter Gabriel

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

10


Em 1914 Sigmund Freud escreveu "O Moisés de Michelangelo" (artigo anônimo, o qual ele só assumiria a autoria em 1924), onde ele diz que praticamente não conseguia obter prazer com a música, pois não estava capacitado a explicar o efeito que esta arte provocava nele. Contudo, trinta e dois anos antes, numa carta a Marta (sua noiva na época), Freud se referiu a Beethoven como um grande maestro, daqueles que sabem arrancar do coração humano os seus segredos. Por quê estou falando sobre isso? Simplesmente porque me indago sobre o que o criador da psicanálise diria sobre Peter Gabriel. Não estou a comparar Beethoven e o ex-Genesis. É apenas um questionamento sobre a capacidade de expressar sentimentos e emoções.

Sasha Grey: sua real paixão pela música de atitude e sua coleção de vinil

Homossexualidade: Alguns dos gays mais conhecidos no rock

"Up" é um dos trabalhos mais preciosos da carreira solo de Gabriel. Atual, denso, e tocante, mexendo com o ouvinte em todas as maneiras imagináveis e inimagináveis.

Há o obscuro e assustador indo direto em sua direção com músicas como "Darkness" e "My Head Sounds Like That". Entre estas faixas, podemos encontrar também alguns momentos do pop oitentista, exemplos disso em "Burn You Up, Burn You Down", "The Barry Williams Show" e uma bela passagem de "I Grieve".

Aí surgem canções como "More Than This", "Signal To Noise" e "The Drop", todas tocadas com excelência pelos músicos envolvidos, num imenso e intenso som, propiciado pela ótima produção. Peter interpreta cada uma dessas composições no seu melhor e é possível percebermos cada tom e vibração de sua voz.

Não estou apto a explicar os efeitos da escultura e da pintura em mim como Freud fazia com si próprio, mas geralmente tenho a capacidade de compreender como a música me afeta. Porém, diante dessas onze faixas, das quais destaco "Darkness", My Head Sounds Like That", "I Grieve" e "The Drop", concordo plenamente com o legendário austríaco. É complicado compreender os efeitos e captar todas as nuances da música de Peter Gabriel. São partes tão pessoais, íntimas, explicitadas numa forma tão intensa e profunda, que eu não deveria ter escrito este artigo e você não deveria tê-lo lido.

Site Oficial – http://www.petergabriel.com




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Arquivo do Rock: Cinco mulheres que viraram clássicos do RockArquivo do Rock
Cinco mulheres que viraram clássicos do Rock


Sasha Grey: sua real paixão pela música de atitude e sua coleção de vinilSasha Grey
Sua real paixão pela música de atitude e sua coleção de vinil

Homossexualidade: Alguns dos gays mais conhecidos no rockHomossexualidade
Alguns dos gays mais conhecidos no rock


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin