Resenha - Immortal Misanthrope - Misanthrope

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

8


Esse papo de que a França não tem uma boa cena heavy, o qual eu por muitas vezes aceitei e até comentei, começa a sair de moda e se mostrar surreal. Errei e vejo que na verdade o movimento por lá é também forte, todavia tem algumas características únicas, as quais para nós agridem com sua excentricidade, e estranhezas às primeiras audições. Eles procuram algo fora do convencional, apesar de obviamente terem as vertentes do metal bem demarcadas em algumas agrupações.

publicidade

O Misanthrope é uma prova dessa busca do inusitado. Numa resenha de 1991 sobre "Hater Of Mankind", o debute deles, o crítico se perguntava: "Obituary ou Guns N’ Roses?". E tinha total razão se pensarmos no lançamento referido.

"Immortal Misanthrope", o disco mais recente, é outro resultado original e singular de uma completa zorra, contudo bem organizada por músicos de altíssimo gabarito.

publicidade

Vocais de death, thrash; guitarras e teclados de melódico e tradicional; sintetizadores incursos no neoclássico; passagens na bateria com similaridades ao que é feito no power metal; baixo soando como NWOBHM às vezes, e por aí vai. Pode parecer idiota, inconcebível, mas é verdade e flui de maneira absurdamente agradável aos ouvidos.

A razão disso está na capacidade que têm de impedir que uma melodia mais pegajosa esmague um riff cavalar tocado no mesmo instante. Também na manutenção da agressividade dos vocais, não se sobrepondo ou invadindo uma ou outra parte neoclássica (Children Of Bodom é uma boa alusão a ser feita sobre a competência dos franceses nesse sentido). Entre outras várias virtudes, as quais nos arrancariam dias de citações.

publicidade

Fredrik Nordström com certeza teve um trabalho gigantesco para mixar e deixar que as idéias escoassem em boa sonoridade. E se saiu bem, apesar de nitidamente existirem possibilidades de melhora em determinados pontos.

S. A. S de L’Argiliére e seus companheiros realmente merecem aplausos. Mais um ótimo CD que tem o som de uma só banda, o próprio Misanthrope. Com essa ‘personalidade’ marcante e totalmente diferenciada do resto, é difícil encontrar outro conjunto por aí. Talvez só os japoneses do Sigh.

publicidade

Site Oficial – http://misanthrope.darkriver.net

Formação:
S.A.S de L’Argiliére (Vocais)
Jean-Baptiste Boitel (Guitarras)
Frantz-Xavier Boscher (Guitarras)
Jean-Jacques Moréac (Baixo - Teclados)
Alexis Phélipot (Bateria)

Material cedido por:
Somber Music
Caixa Postal 2089
Osasco / SP – 06114-990
BRASIL
Fax: +55 11 3682-4162
Email: [email protected]

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Bruce Dickinson: ex-Metallica mostra foto rara do peludo vocalista na piscinaBruce Dickinson
Ex-Metallica mostra foto rara do peludo vocalista na piscina

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1990Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1990


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin