Resenha - Beyond The Skies Eternity - Ivan Bertolla

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

7


Precisa-se de uma orquestra, urgentemente! Ivan Bertolla, compositor australiano, de descendência italiana, mostra em dezessete faixas, preciosos temas, que compõem, sinceramente, a melhor trilha sonora de filme algum, que já ouvi em toda a minha vida.

Manowar: você acha as fotos da década de 80 ridículas?

Lemmy: sob investigação, em 2008, por exibir insígnia nazista

A guitarra, a princípio, parece ser a via principal, mas não o é. Os teclados / sintetizadores são os guias por aqui, e as orquestrações viabilizadas por estes são destaques absolutos. Muita intensidade e coesão em meio a uma técnica monstruosa, porém que não aparece o tempo inteiro para torrar nosso saco. A velocidade dos solos, bem limpos, surgem como complementos bem postados nas músicas, diferentemente daquele famoso enchimento de lingüiça sem direção ou lógica, tocados fora de momento, na ausência de uma total noção crítica, e também de auto-avaliação.

A produção é ótima e dá uma potência inacreditável aos bons desenvolvimentos de Bertolla. Com costas um pouco mais largas, este rapaz desbancaria muito pretendente a John Williams e facilmente ouvir-lhe-íamos nas telas de cinemas, em filmes de ação, aventura, suspense, terror, séries de esportes radicais, comerciais, etc.

O que pesa aqui é o fato das composições pediram uma orquestra real, com seres humanos, e instrumentos manuseados, e não apenas o abrangente limite do sintetizador. Soa bem, mas inegavelmente seria infinitamente superior caso tudo isso se personificasse. Violinos, violoncelos, flautas, trompetes, quem sabe até harpas. É verdade, o moço pensa longe, seu projeto é audacioso, grandioso.

Outra questão a se levantar é o som da guitarra base, já que esta foi a única vacilada dele no debute "Beyond The Skies Eternity". Escorregou no quiabo nessa. Sorte que ela não aparece tanto e estamos livres para saborear os primeiros instantes de uma carreira que tem bastante a render.

Site Oficial: http://www.bertolla.com

Email: [email protected]

Formação:
Ivan Bertolla (Guitarras – Guitarra sintetizada – Teclados - Violão clássico – Baixo)
Tony Murray (Piano)
Robert Parolin (Bateria)




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Manowar: você acha as fotos da década de 80 ridículas?Manowar
Você acha as fotos da década de 80 ridículas?

Lemmy: sob investigação, em 2008, por exibir insígnia nazistaLemmy
Sob investigação, em 2008, por exibir insígnia nazista


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin