Resenha - Diorama - Silverchair

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rafael Carnovale
Enviar Correções  

9

O ano de 2001 foi realmente um ano complicado para os australianos do Silverchair. Após uma excelente apresentação no dia mais lotado do Rock in Rio 3 (aonde consta eles apenas foram ofuscados pelo Capital Inicial, mas com dúvidas), o líder e vocal da banda, Daniel Johns, contraiu um tipo raro de artrite, que o deixou de molho desde o meio de 2001 e em constantes estados de melhora e piora. A artrite não é degenerativa, mas vem sendo difícil para Daniel se curar, o que interrompeu a tour que a banda vinha fazendo.

Metallica: Trujillo e seus primos, membros de gangues

Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da Suécia

Numa de suas melhoras sensíveis, Daniel e seus asseclas se reuniram para gravar este cd. "Diorama" é de longe a aposta mais ousada do Silverchair. Foram-se as épocas do estilo grunge que permeou seus dois primeiros trabalhos, "Frongstomp" e "Freakshow" e o estilão mais rock caracterizado em seu último cd "Neon Ballroom". Neste petardo, a banda investiu pesado no trabalho em orquestrações, corais, e climas ambientais, mesclado ao seu rock and roll, criando um cd impressionante, principalmente pela proposta, totalmente diferente de tudo o que a banda já fez.

"Across the Night", a primeira faixa, já causa um certo choque. O vocal de Daniel está suave, e orquestrações e cordas dividem espaço com a guitarra pesada de Daniel e a cozinha de Ben Gillies e Chirs Joannou. O mesmo se repete na faixa seguinte, "The Greatest View", que possui um riff pesado de entrada, mas sofre uma metamorfose musical, com as orquestrações. O resultado: muito bom! Remete ao Queen anos 70, e a bandas como Fleetwood Mac e o Genesis de Phil Collins. O álbum em sua maioria é constituído por boas faixas pop, com toques clássicos, como "Without You" (com um belo trabalho de guitarras e violões), a semi balada "World Upon Your Shoulders", e faixas como "Tuna in the Brine", "Luv Your Life" (belíssima balada, uma das mais bonitas do cd) e baladaça "After all these Years", que encerra o show. As letras são positivas, e Daniel parece não falar de sua doença no contexto, mas isto é algo que cada um deve perceber por si só.

As baladas imperam, mas neste caso, está tudo tão bem feito, cada nota tão bem inserida no contexto do cd, que o resultado fica muito agradável aos ouvidos. Ainda existem resquícios do velho e pesado Silverchair nas revigorantes "One Way Mule" e "The Lever", com seus riffs rasgados e a voz agressiva de Daniel. Eles mudaram, mas não esqueceram como fazer rock.

Um cd surpreendente, que merece ser conferido, e que mostra uma faceta nova deste trio talentoso. Tomara que seu líder se recupere para que a banda possa retomar sua rotina de shows, seria muito interessante ver como o estilo de "Diorama", mesclado aos cd’s anteriores, mudaria o show do Silverchair. Pode conferir sem medo.

Lançado no Brasil pela Atlantic/WEA .




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Grunge: as 10 melhores músicas do movimentoGrunge
As 10 melhores músicas do movimento

Silverchair: Daniel Johns surge bêbado e de batom nas ruas de SydneySilverchair
Daniel Johns surge bêbado e de batom nas ruas de Sydney


Metallica: Trujillo e seus primos, membros de ganguesMetallica
Trujillo e seus primos, membros de gangues

Metal sueco: site elege as dez melhores bandas da SuéciaMetal sueco
Site elege as dez melhores bandas da Suécia


Sobre Rafael Carnovale

Nascido em 1974, atualmente funcionário público do estado do Rio de Janeiro, fã de punk rock, heavy metal, hard-core e da boa música. Curte tantas bandas e estilos que ainda não consegue fazer um TOP10 que dure mais de 10 minutos. Na Whiplash desde 2001, segue escrevendo alguns desatinos que alguns lêem, outros não... mas fazer o que?

Mais matérias de Rafael Carnovale no Whiplash.Net.

adWhipDin adWhipDin adWhipDin