Resenha - Lead Guitar - Johan Randén

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

9


A música é indubitavelmente um dos meios mais eficientes e potentes na captação e expressão de sentimentos, emoções diversas. Grandes pensadores e filósofos falaram sobre ela, dentre eles, Platão, que a definiu como "o remédio da alma". Nenhuma outra afirmação caberia melhor depois de ouvir "Lead Guitar" de Johan Randén, e me curar do mal terrível de enxergar o mundo juvenil pela viseira burra de Hanson, Britney Spears & cia.

publicidade

Foram necessárias muitas audições até chegar a um bom grau de abstração e análise crítica, para que não surgisse um texto com a pasmaceira e cara de tacho de alguém que ouviu quase quarenta minutos de instrumental fantástico tocado por um menino de apenas treze (13 - T-R-E-Z-E) anos.

Quando recebi o disco e li comentários sobre o jovem, imaginava um pretensioso virtuose, mesmo com tantos elogios. Ouvindo-o percebi o quanto estava enganado.

publicidade

O "feeling" do moleque daria arrepios em Jimmy Page. Seu trabalho na semi-acústica "Nylon Revolution" geraria, com certeza, agradáveis e surpreendentes escutas a Al Di Meola e / ou Paco de Lucía. A pegada rocker, bem curtida, com temas candidatos à trilha sonora de esportes radicais, levaria Joe Satriani e Steve Morse à loucura, por tamanhas e precoces categoria, vibração e técnica. Por fim, bastante do maravilhoso e insano "espírito de porco" zappiano está presente, contando com o apoio do mestre Mattias IA Eklundh, que produziu, escreveu e tocou em todo o álbum.

publicidade

Por enquanto – e já é muito, algo realmente fantástico -, podemos falar de um garoto prodígio, fenômeno do século XXI, capaz de horrorizar e deixar boquiaberta uma platéia inteira com a perfeição de seu toque e interpretação de, por exemplo, "The Black Page" de Frank Zappa. No futuro, e caso ele siga este caminho, já que temos de considerar as várias escolhas que ainda terá pela frente, poderemos constatar um gênio, assim como, entre outros, Shawn Lane, que aos quatorze anos excursionava com o Black Oak Arkansas.

publicidade

Line-Up:
Johan Randén (Guitarras)
Mattias IA Eklundh (Bateria – Baixo – Guitarra base – Programação – Teclados – Percussão – Bandolim – Banjo)

Onde comprar:
Guitar 9 Records - http://www.guitar9.com/leadguitar.html

Material cedido por:
Thunderstruck Productions © 2002

publicidade




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Iron Maiden: Tenho inveja dos fogos do Slipknot,diz BruceIron Maiden
"Tenho inveja dos fogos do Slipknot",diz Bruce

Monsters of Rock: a feijoada que quase derrubou King DiamondMonsters of Rock
A feijoada que quase derrubou King Diamond


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin