Matérias Mais Lidas

imagemMarcello Pompeu, em busca de emprego, pede ajuda a seguidores

imagemDavid Gilmour surpreende ao responder se o Pink Floyd pode voltar a fazer shows

imagemGene Simmons faz passagem de som antes de show do Kiss com roupa inusitada

imagemRegis Tadeu explica porque o vinil e o Spotify vão despencar e o CD vai bombar

imagemMax Cavalera e o conselho dado por Ozzy Osbourne: "ambos nos sentimos traídos"

imagemBill Hudson comenta sobre falta de público de Angra e outras bandas nos EUA

imagemPaul McCartney lista os cinco músicos que formariam sua banda dos sonhos

imagemJames Hetfield se emociona profundamente no show de BH e é amparado pelos amigos e fãs

imagemConheça a "melhor banda com as melhores músicas" para Robert Smith, do The Cure

imagemDez grandes músicas do Iron Maiden escritas pelo vocalista Bruce Dickinson

imagemMax Cavalera é criticado por ucranianos pelo apoio a Rússia em 2014

imagemDave Mustaine mostra a forma curiosa como se aquece antes de um show do Megadeth

imagemAbba e a imensa importância do Deep Purple na sonoridade de suas músicas clássicas

Marcello Pompeu: ele conta por que não se posiciona politicamente, apesar de cobranças

imagemBlind Guardian divulga capa, nomes e duração das faixas de seu novo álbum


Stamp

Resenha - Lead Guitar - Johan Randén

Por Thiago Sarkis
Em 26/08/02

Nota: 9

A música é indubitavelmente um dos meios mais eficientes e potentes na captação e expressão de sentimentos, emoções diversas. Grandes pensadores e filósofos falaram sobre ela, dentre eles, Platão, que a definiu como "o remédio da alma". Nenhuma outra afirmação caberia melhor depois de ouvir "Lead Guitar" de Johan Randén, e me curar do mal terrível de enxergar o mundo juvenil pela viseira burra de Hanson, Britney Spears & cia.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Foram necessárias muitas audições até chegar a um bom grau de abstração e análise crítica, para que não surgisse um texto com a pasmaceira e cara de tacho de alguém que ouviu quase quarenta minutos de instrumental fantástico tocado por um menino de apenas treze (13 - T-R-E-Z-E) anos.

Quando recebi o disco e li comentários sobre o jovem, imaginava um pretensioso virtuose, mesmo com tantos elogios. Ouvindo-o percebi o quanto estava enganado.

O "feeling" do moleque daria arrepios em Jimmy Page. Seu trabalho na semi-acústica "Nylon Revolution" geraria, com certeza, agradáveis e surpreendentes escutas a Al Di Meola e / ou Paco de Lucía. A pegada rocker, bem curtida, com temas candidatos à trilha sonora de esportes radicais, levaria Joe Satriani e Steve Morse à loucura, por tamanhas e precoces categoria, vibração e técnica. Por fim, bastante do maravilhoso e insano "espírito de porco" zappiano está presente, contando com o apoio do mestre Mattias IA Eklundh, que produziu, escreveu e tocou em todo o álbum.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

Por enquanto – e já é muito, algo realmente fantástico -, podemos falar de um garoto prodígio, fenômeno do século XXI, capaz de horrorizar e deixar boquiaberta uma platéia inteira com a perfeição de seu toque e interpretação de, por exemplo, "The Black Page" de Frank Zappa. No futuro, e caso ele siga este caminho, já que temos de considerar as várias escolhas que ainda terá pela frente, poderemos constatar um gênio, assim como, entre outros, Shawn Lane, que aos quatorze anos excursionava com o Black Oak Arkansas.

Line-Up:
Johan Randén (Guitarras)
Mattias IA Eklundh (Bateria – Baixo – Guitarra base – Programação – Teclados – Percussão – Bandolim – Banjo)

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Onde comprar:
Guitar 9 Records - http://www.guitar9.com/leadguitar.html

Material cedido por:
Thunderstruck Productions © 2002

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis.