Resenha - Unity - Rage

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Leandro Testa
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 9


Desde que escutei "End of All Days", a obra prima irretocável lançada em 1996, passei a efetivamente acompanhar o Rage. Tudo naquele álbum me fascinava e o grande trunfo da formação que o fez eram os guitarristas, já que poucos eram os músicos que conseguiam encaixar tão bem seus solos em uma música. Ao receber a notícia de que ambos haviam partido, assim como o baterista, deixando Peter "Peavy" Wagner (baixo/vocal) na mão, confesso que fiquei um tanto cabisbaixo. Tal fato ocorreu um pouco antes das finalizações de "Ghosts", de 1999, o que refletiu no som da banda, pois as coisas não deviam estar nada boas. Apesar de este ser um bom álbum, carece de "punch", e dá bastante ênfase à participação da Língua Mortis Orchestra, que também esteve presente em "XIII", de 1998, e num mini-álbum com versões de músicas antigas voltadas à orquestra, lançado no mesmo ano de "End of All Days".

Pactos?: Os envolvimentos de bandas com ocultismoRodolfo: 100% arrependido das letras dos Raimundos

Em meio a tantas confusões, Victor Smolski, um russo multi-instrumentista, acabou concluindo as partes derradeiras de guitarra, e logo em seguida Mike Terrana, um homem também multi... bandas, se uniu a eles, aparecendo na foto interna do CD. Assim, o futuro da banda era incerto, e mal poderíamos prever a grata surpresa que estaria por vir: "Welcome to The Other Side". Um álbum perfeito, o primeiro oficialmente gravado pelo trio, e que pode facilmente ser classificado como um dos melhores lançamentos de 2001. Em decorrência disso, a expectativa para "Unity" era imensa. Para quem acompanhou o "Studio Report" e viu as fotos de divulgação, percebeu que eles estavam levando o negócio a sério, e o resultado é não menos que maravilhoso.

Mantendo o nível de seu antecessor, a banda mais uma vez mostra um baterista inumano, um vocalista capaz de criar grandes melodias e refrões hiper-grudentos, e um guitarrista deveras criativo. Também pudera, Victor Smolski é filho de um famoso compositor, e por isso é versátil e reúne diversas influências. Sabe fazer suas firulas sem soar chato, alto-indulgente e o melhor de tudo, ele é imprevisível. Faz dissipar qualquer resquício de saudade de Sven Fischer e Spiros Efthimiadis (a dupla anterior das seis cordas), pois é uma cabeça pensando no lugar do que costumavam ser duas.

Com este, a banda, que mais parece a O.N.U. pois conta com um russo, um alemão e um americano radicado em terras germânicas, atinge um equilíbrio surpreendente entre peso e melodia, sendo uma tremenda injustiça apontar qualquer faixa de destaque, se considerarmos que todas são dotadas de muito "feeling" e criatividade. "Unity" marca o início da parceria com a SPV Steamhammer (lançado aqui no Brasil pelo selo Century Media Records, seu parceiro) e com isso o Rage tende a crescer muito, levando em conta que o trabalho da gravadora anterior, GUN Records, era insuficiente, principalmente quando se falava na divulgação de seu casting. Talvez por isso o Rage não tenha despontado como deveria em terras tupiniquins. Anos atrás, fez um show por estas paragens junto ao Grave Digger, também contratado da GUN, mas o público era minúsculo, o que não deve ter sido vantajoso nem para as bandas, nem para os produtores. Vejamos se as vendagens de Unity, irão condizer com a sua preciosidade, para que essa nova formação venha fazer miséria em palcos brasileiros.

OBS.1: A faixa-título é instrumental. Pitoresco, né? E conta com mais de sete minutos de duração, para se ter uma idéia da boa fase em que a banda se encontra.

OBS.2: Ao adquirirem o mesmo, não deixem de dar uma espiada nos agradecimentos de Mike Terrana... um sujeito MUITO modesto.

OBS.3: Só leva 9 pois "Welcome to the Other Side" é mais digno de uma nota 10.

RAGE ON!


Outras resenhas de Unity - Rage

Rage: Não existe Peavy sem Rage e vice-versaResenha - Unity - Rage




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Rage"


Terrana: Nunca um computador limpará minha bunda!Terrana
"Nunca um computador limpará minha bunda!"

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 2002Pra ouvir e discutir
Os melhores discos lançados em 2002

1988: 99 discos de rock e metal lançados há 30 anos1988
99 discos de rock e metal lançados há 30 anos


Pactos?: Os envolvimentos de bandas com ocultismoPactos?
Os envolvimentos de bandas com ocultismo

Rodolfo: 100% arrependido das letras dos RaimundosRodolfo
100% arrependido das letras dos Raimundos

Fotos de Infância: Max e Igor Cavalera, do SepulturaFotos de Infância
Max e Igor Cavalera, do Sepultura

Frances Bean Cobain: assustada com tatuagem de fãFrances Bean Cobain
Assustada com tatuagem de fã

Twisted Sister: segundo Dee, ser pobre e famoso é uma merdaTwisted Sister
Segundo Dee, "ser pobre e famoso é uma merda"

Nu-Metal: 10 trabalhos que definem as raízes do gêneroNu-Metal
10 trabalhos que definem as raízes do gênero

Kiss: de onde os palcos de Lady Gaga e McCartney vieram?Kiss
De onde os palcos de Lady Gaga e McCartney vieram?


Sobre Leandro Testa

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Mais matérias de Leandro Testa no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336