Resenha - Unity - Rage

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Sarkis
Enviar Correções  

8


Logo que o Rage lançou "Unity", procurei por um amigo fanático pela banda, a fim de obter as primeiras impressões sobre o álbum. Lembro-me de um comentário em torno duma sonoridade mais ‘alegrinha’.

publicidade

Quando tive o disco em mãos, não pude acreditar. A capa e aquele visual ‘Rambo lutando Mortal Kombat’ de Mike Terrana, nunca sucumbiriam ao ‘lálálá’ metal que, por diversas vezes, tanto enche a paciência, especialmente por clones e repetições insossas. No entanto, compreendi o enfoque do colega prontamente, nas primeiras faixas. "All I Want" serviu de amostra, com um refrão adaptado ao power melódico atual. E numa via interessante, com aquele olhar à frente que Peavy Wagner sempre traz.

publicidade

A questão é que o nome desse grupo não é um reles figurante de sua história. A agressividade interpolada por cada letra de sua denominação, fala do som encantadoramente bruto e técnico, o qual mostrou autonomia em relação a épocas, modas ou formações.

Com esse trio globalizado, multinacional, o Rage volta a tempos áureos sem se repetir. Manteve-se na sua raiz, todavia cresceu acima, aos lados e adentro. Daqui a pouco, ocupa os espaços dos conjuntos que pretensiosamente crêem poder imitá-los.

publicidade

Podemos falar de discos superiores a "Unity" lançados pelo próprio Wagner e em outras companhias. Contudo, segue uma evolução – o que nem sempre significa superação - e a qualidade perpetua firme, agora com riffs cavalares e solos excelentes de Victor Smolski, e o monstruoso Terrana destruindo numa bateria que soa inacreditavelmente bem.

Aqueles que têm saudades de outros trabalhos podem também saborear o novo bombardeio da banda. "Dies Irae" faz a suplência de qualquer sabatina e caberia fácil como destaque num "Lingua Mortis" ou "XIII".

publicidade

Provavelmente não é o álbum perfeito para se começar a ouvir Rage. Porém, é uma peça essencial aos antigos ouvintes conhecedores da potência de cada petardo deles.

Site Oficial – http://www.rage-on.de

Line-Up:
Peter "Peavy" Wagner (Vocais – Baixo)
Victor Smolski (Guitarras – Piano – Teclado)
Mike Terrana (Bateria – Percussão)

publicidade

Material cedido por:
Century Media Records – http://www.centurymedia.com.br
Telefone: (0xx11) 3097-8117
Fax: (0xx11) 3816-1195
Email: [email protected]


Outras resenhas de Unity - Rage

Rage: Não existe Peavy sem Rage e vice-versa

Resenha - Unity - Rage




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Hard Rock: As bandas do gênero que ficaram para trásHard Rock
As bandas do gênero que ficaram para trás

Mike Terrana: Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!Mike Terrana
"Malmsteen foi uma das piores pessoas que conheci!"


Fãs de Rock: você conhece o estilo de se vestir de cada umFãs de Rock
Você conhece o estilo de se vestir de cada um

Nikki Sixx: transei com a mulher do Bruce DickinsonNikki Sixx
"transei com a mulher do Bruce Dickinson"


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin