Matérias Mais Lidas

imagemA fundamental diferença entre Paulo Ricardo e Schiavon que levou RPM ao fim

imagemSystem of a Down: por que Serj Tankian não joga mais nenhum vídeo game?

imagemO clássico dos Rolling Stones que levou mais de 30 anos para ser tocado ao vivo

imagemA simpatia de James Hetfield ao conversar com pais de bebê que nasceu durante show

imagemKiko Loureiro defende surgimento de banda que seria "Greta Van Fleet do Iron Maiden"

imagemRitchie Blackmore revela como o impactou a chegada de Jimi Hendrix na Inglaterra

imagemOzzy Osbourne dá sua opinião sobre o streaming e dispara contra Spotify; "É uma piada"

imagemOzzy Osbourne diz que está bem aos 73 anos, mas sabe que sua hora vai chegar

imagemOzzy Osbourne é visto caminhando com dificuldade ao sair de estúdio

imagemLuciano Hang processa vocal do Fresno e quer indenização de R$ 100 mil por danos morais

imagemA visão de Arnaldo Antunes sobre sua timidez no período da adolescência

imagemLars Ulrich diz que shows do Metallica na América do Sul foram incríveis

imagemFreddie Mercury revelou em 1985 como foi conciliar carreira solo e o Queen

imagemConfira as músicas que o Iron Maiden está ensaiando para turnê que passa pelo Brasil

imagemMetallica faz doação para complexo de saúde e educação em Curitiba


Stamp

Resenha - Dawning - Archetype

Por Thiago Sarkis
Em 16/06/02

Nota: 8

Trabalhar apenas com rótulos gera uma série de limitações e cai num vazio quase sempre sem volta. Porém, diferenciar estilos é importante, principalmente como referencial. Nessa perspectiva, ouso dizer que nasceu, em meados da década de noventa – preponderando até hoje -, uma nova vertente ainda não identificada. É algo que parte de uma estrutura de power metal oitentista, mas que sofre uma série de deformações, procedentes, mormente, de influências de progressivo, técnico, thrash e tradicional. O Antithesis já havia apontado sinais de que tal tese era cabível, e pude comprava-la firmemente ao ouvir o primeiro trabalho completo do Archetype.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Vamos explicar um pouco o que foi falado. As guitarras soam intensas e guiam totalmente o conjunto. Entretanto as atuações de Jamie Still e Keith Zeigler, no baixo e na bateria respectivamente, não ficam apagadas, e os vocais de Greg Wagner obtêm destaque absoluto, com bastante agressividade e imponência. Tentando um enquadramento, podemos falar de um salseiro entre Queensryche, WatchTower, Helstar e Virgin Steele, mas fracassaremos mesmo assim. Estamos tratando de um estilo que, apesar de nem de longe apresentar altos índices de originalidade, tem lá suas particularidades e impossibilita, até então, uma rotulagem ou alusão precisa.

Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

As faixas presentes em "Dawning" são, em sua maioria, regravações de músicas lançadas em demos e EPs anteriores do Archetype. "Final Day", "Hands Of Time", "Dawning" e "Visionary" surgem como as composições mais impressionantes, entre tantas outras excelentes.

O problema que senti nesses americanos foi o mesmo que notei anteriormente em grupos similares, mas de certa forma abrandado pela boa produção. Não há variação nos timbres e ainda que complexas, as idéias acabam se repetindo, num esquema que pode ser exposto mais ou menos assim: tema inicial – variação do tema inicial – ‘quebradeira’ rítmica – refrão – solo de guitarra – variação do tema inicial – refrão, ou solo de guitarra, ou ambos – tema inicial novamente.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

É uma estréia inegavelmente boa, com portas claramente abertas para melhorias. Uma pena que eles tenham se enroscado ligeiramente no próprio nome, sendo conduzidos por um arquétipo de timbres e estruturas.

Sobre a linha adotada, proponho uma coligação nominal, como "Pro-A-gressive Metal", devido à miscelânea escancarada, porém cheia de pormenores.

Site Oficial - http://www.archetype1.com

Material cedido por:

Archetype / CDM Productions
P.O. Box 41172
Brecksville, OH 44141-0172
Telefone: 1-440-263-8436
Email: [email protected]

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis.