Resenha - Mad Men and English Dogs - Mad Men and English Dogs

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Fábio Faria
Enviar correções  |  Ver Acessos

Nota: 8


Projeto idealizado por Nigel Glockler, ex-baterista do Saxon, depois de sair da banda inglesa devido a uma lesão que o forçou a deixar de tocar seu instrumento por 3 meses. Para não ficar parado, ele começou a compor com ajuda do guitarrista Doug Scarratt, que também faz parte da banda de Mr. Biff Byford.

Lemmy Kilmister: A vida dele fazia Keith Richards parecer uma menininhaRolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutos

O resultado dessa parceria é "Mad Men and English Dogs", um álbum instrumental que nada tem a ver com o som do Saxon. É bem verdade que a melodia da guitarra de Scarratt pode ser reconhecida, mas ele caminha por várias direções diferentes daquelas seguidas por sua banda original. E o responsável por isso, é Nigel Glockler, que conseguiu distribuir ao longo das composições do álbum, peso, experimentalismo e passagens bem viajantes. O uso dos teclados e sintetizadores foi bem dosado.

"Mad Men and English Dogs" é um álbum bastante agradável de se ouvir. Não é um trabalho de um guitar hero, entretanto, algumas faixas nos fazem lembrar de Joe Satriani - principalmente em "Cheers Murray" -, sem o virtuosismo do guitarrista americano. Isso, no entanto, não é um ponto negativo, porque mostra a coerência da dupla com seu histórico musical.

Entre os destaques do CD estão a já citada "Cheers Murray", "Pomporwot" - o teclado dá um clima especial à música -, e "Mirrors".

Por fim, um fato relevante é que, ao contrário dos discos de guitar heroes, em que a bateria é um mero instrumento de acompanhamento, muitas vezes desprezado na mixagem do CD, em "Mad Men and English Dogs", Nigel Glockler deu o devido destaque a seu instrumento, seja na maneira de tocar ou na hora de mixar o álbum.




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Mad Men And English Dogs"


Lemmy Kilmister: A vida dele fazia Keith Richards parecer uma menininhaLemmy Kilmister
A vida dele fazia Keith Richards parecer uma menininha

Rolling Stone: as melhores músicas com mais de sete minutosRolling Stone
As melhores músicas com mais de sete minutos

Black Sabbath: Tony Iommi explica como tocar ParanoidBlack Sabbath
Tony Iommi explica como tocar "Paranoid"

Black Sabbath: Tony Iommi explica como tocar ParanoidBlack Sabbath
Tony Iommi explica como tocar "Paranoid"

Black Sabbath: o dia em que Tony Iommi quase matou Bill WardBlack Sabbath
O dia em que Tony Iommi quase matou Bill Ward

Centúrias: como surgiu a placa No Posers?Centúrias
Como surgiu a placa "No Posers"?

Heavy Metal: a história do estilo em uma única músicaHeavy Metal
A história do estilo em uma única música


Sobre Fábio Faria

"Maidenmaníaco" convicto, nascido em 1973, passou a escutar Rock com 10 anos de idade. Primeiro disco adquirido foi "Destroyer" do Kiss. Logo depois conheceu o álbum "Killers" do Iron Maiden, e a identificação foi instantânea. Curte todos os estilos e sub-estilos do Rock e do Metal. Sem preconceito, escuta desde Black Sabbath, Yes, Janis Joplin, Slayer, In Flames, Sex Pistols até Dream Theater, U2, Blind Guardian, Slipknot, Carcass, etc. Bandas favoritas: Iron Maiden e Beatles.

Mais matérias de Fábio Faria no Whiplash.Net.