Matérias Mais Lidas

imagemBill Hudson diz que tatuagem pode ter sido entrave para entrar no Megadeth

imagemMarcos Mion conta história de encontro (e manjada) com Bon Jovi no banheiro

imagemQuando Angus Young, do AC/DC, detonou o Led Zeppelin e os Rolling Stones

imagemO que mais impede Kiko Loureiro de voltar ao Angra? (Não tem nada a ver com o Megadeth)

imagemBeatles: Paul McCartney conta a história por trás de "Ob-La-Di, Ob-La-Da"

imagemEdgard Scandurra, do Ira!, explica atual sumiço do rock nas rádios brasileiras

imagemPhil Campbell conta como era fácil "comprar" Lemmy pra fazer qualquer coisa

imagemRage Against The Machine vem ao Brasil em dezembro, diz José Noberto Flesch

imagemApós viralizar com anúncio, Harppia revela identidade do novo baixista

imagemAutor de "God Save The Queen", Johnny Rotten diz que sente orgulho da Rainha Elizabeth

imagemA curiosa opinião de Ozzy sobre cover do Metallica para "Sabbra Cadabra"

imagemJimmy Page dá opinião sobre streaming e enaltece desconhecido herói dos músicos

imagemBruce Dickinson diz o que o surpreendeu quando retornou ao Iron Maiden

imagemKiko Loureiro explica por que acha uma merda seu solo de guitarra em "Rebirth"

imagemChad Smith chama matéria sobre Taylor Hawkins de "sensacionalista e enganosa"


PRB

Resenha - Rebirth - Angra

Por Fábio Faria
Em 30/11/01

Nota: 9

Mudança de formação é sempre uma situação difícil para qualquer banda. Quando essa mudança envolve a troca de vocalista a coisa pode ser traumática em alguns casos. Felizmente os fãs do Angra podem ficar tranqüilos, a banda superou esse obstáculo com tranqüilidade. Os novos integrantes são tão talentosos quanto seus antecessores, fazendo do Angra um conjunto bastante coeso.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Um dos destaques de "Rebirth" sem dúvida alguma é a voz do Eduardo Falaschi – como canta esse cara! –. Seu estilo vocal está fiel ao consagrado por André Matos no Angra, porém, Edu mostra que tem personalidade, usando quase todos os recursos de sua voz – faltou a agressividade, como em algumas músicas do Symbols. Na faixa "Millennium Sun", podem ser notadas duas influências do vocalista. Logo na introdução com piano ele lembra o grande Freddie Mercury; ainda na mesma canção, nos remete a James Labrie, do Dream Theater.

Vale ressaltar o trabalho do baterista Aquiles Priester, um monstro nos dois bumbos. Ele é um daqueles músicos que conseguem deixar sua marca numa canção. Aquiles e Felipe Andreoli formam a "cozinha" perfeita para as novas composições da banda, entretanto, o baixista parece um pouco contido; todos sabem que ele é capaz de se sobressair no seu modo de tocar.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Os membros remanescentes do Angra, os guitarristas Kiko Loureiro e Rafael Bittencourt, lavaram a alma com "Rebirth" e devem estar sorrindo a toa, porque conseguiram nesse álbum, exorcizar os momentos difíceis pelos quais passaram com o racha sofrido no conjunto. Os dois guitarristas mostram maturidade em suas composições, mesclando peso, harmonia, técnica, melodia e virtuosismo necessários a uma banda com o status atingindo pelo o Angra.

Eles não se arriscaram. Preferiram manter o estilo voltado ao início de carreira, o que parece ter sido a decisão correta. Apesar disso, influências do Blind Guardian e Rhapsody são evidentes no modo como os corais e teclados foram usados em algumas canções. Influências da música brasileira(Maracatu), como uma forma de buscar destaque no mercado internacional também são sentidas de forma agradável na faixa "Unholy Wars".

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Como destaque podem ser citadas as músicas "Heroes Of the Sand", "Running Alone", "Nova Era", "Rebirth" e "Acid Rain", mas é visível no álbum todo a qualidade musical dos integrantes do Angra.


Outras resenhas de Rebirth - Angra

imagemResenha - Rebirth - Angra

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp




Sobre Fábio Faria

"Maidenmaníaco" convicto, nascido em 1973, passou a escutar Rock com 10 anos de idade. Primeiro disco adquirido foi "Destroyer" do Kiss. Logo depois conheceu o álbum "Killers" do Iron Maiden, e a identificação foi instantânea. Curte todos os estilos e sub-estilos do Rock e do Metal. Sem preconceito, escuta desde Black Sabbath, Yes, Janis Joplin, Slayer, In Flames, Sex Pistols até Dream Theater, U2, Blind Guardian, Slipknot, Carcass, etc. Bandas favoritas: Iron Maiden e Beatles.

Mais matérias de Fábio Faria.