Resenha - Electro-Cidade - Astronautas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nelson Endebo
Enviar correções  |  Ver Acessos


Existe vida inteligente no rock feito no Brasil (não confundir com rock brasileiro). Você procura aonde? Enquanto a MTV mostra o resultado de conchavos armados sob uma carapuça escrota e individualista (bandas gaúchas? Bandas cariocas?), repleta de falsa atitude e pose milimetricamente estudada, gente bacana como a que toca o selo goiano Monstro Discos lança bandas como esses Astronautas aqui resenhados. Electro-Cidade é um suspiro de fôlego renovador. É um disco de rock sincero, poderoso, muitíssimo bem produzido, com um artigo raro chamado conceito. O mote aqui é o homem do futuro, um dia imaginado em antigos filmes de ficção científica e livros de Isaac Asimov. Só que o futuro chegou e esses homens somos nós.

Motivação: 10 músicas de metal que melhorarão sua auto-estimaRock: A história dos primórdios aos anos 90

O power trio recifense - o rock feito no Nordeste está entre os melhores do underground mundial - utiliza de maneira bem pessoal referências bacanas como Queens Of The Stone Age, surf music, Kraftwerk, cultura trash e a tecnologia digital, gerando o maravilhoso casal música+letra, algo cada vez mais difícil de se encontrar por aí. A abertura, com o rockão sarado "Cidade Cinza", fala da vida corrida nas grandes metrópoles: "pedestres passam, palavras ficam". "Tecnologia" e "Comunicação em Bossa Moderna" são quase proféticas e definem o atual estado difuso que se encontram música e músicos em meio à ilógica das facilidades da tecnologia; se a primeira diz "eu vou compor uma música eletrônica no meu violão", a segunda ensaca João Gilberto nos HDs da vida e resume o pânico da indústria fonográfica em uma frase: "serão todos sampleados em sistema digital".

A urgência do discurso encontra corpo ideal nas fortes composições. "Compulsivo", "Fora de Controle", "Não Faço Nada" (uma das melhores letras do disco) e "Monotonia" são hits prontos nos cornos do robot rock que a imprensa musical tentou inventar anos atrás. O líder e principal compositor do conjunto, André Frank, também tratou de fazer as programações eletrônicas e aqui elas são mais que mero apêndice; elas dão sentido à tudo. E, ironia maior, "Sentimentos" é a faixa menos orgânica do álbum.

Astronautas é uma banda pronta cheia de desafios por completar. Não se mistura à podridão do establishment das magérrimas "rádios rock" e o esquemão MTV. Puxa para si um lugar no universo das boas bandas brasileiras (das quais algumas estão na própria Monstro) e pede licença para não participar das chantagens. Como canta Frank em "Compulsivo", "meu universo é paralelo e nunca foi o seu". Pra ficar melhor, basta que você, obtuso leitor, entenda a mensagem.

(Monstro Discos)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Astronautas"


Motivação: 10 músicas de metal que melhorarão sua auto-estimaMotivação
10 músicas de metal que melhorarão sua auto-estima

Rock: A história dos primórdios aos anos 90Rock
A história dos primórdios aos anos 90

Joey Ramone: em 1989 falando de Metallica, AC/DC e GN'RJoey Ramone
Em 1989 falando de Metallica, AC/DC e GN'R

Zakk Wylde e Dave Grohl: A treta por causa de canções para OzzyZakk Wylde e Dave Grohl
A treta por causa de canções para Ozzy

Rolling Stone: os 100 melhores álbuns dos anos 90Rolling Stone
Os 100 melhores álbuns dos anos 90

Ozzy Osbourne: a última conversa com Lemmy KilmisterOzzy Osbourne
A última conversa com Lemmy Kilmister

Bruce Dickinson: quanto melhor o músico, maior chance de criar coisas sem almaBruce Dickinson
Quanto melhor o músico, maior chance de criar coisas sem alma


Sobre Nelson Endebo

Estudante de Comunicação Social na Puc-Rio, cheirou dúzias de carreiras de Música e hoje é completamente debilitado por causa disso. Tem um corte no córtex por causa do Mr. Bungle, mas acredita que isso seja legal. Doutrinado no bom e velho Metal (ainda chora ouvindo o grande Venom), aprendeu a ouvir Jazz e Samba na marra. É responsável pela coluna Nós do Noise e colabora com o site Bacana e a revista Valhalla. Sua máxima é: "quanto mais você sabe, mais você sabe que pouco sabe". Traduzindo, gosta de aprender e de ensinar. Espera poder somar algo à família Whiplash a partir de 3, 2, 1 segundo!

Mais matérias de Nelson Endebo no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336