Resenha - Electro-Cidade - Astronautas

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Nelson Endebo
Enviar Correções  


Existe vida inteligente no rock feito no Brasil (não confundir com rock brasileiro). Você procura aonde? Enquanto a MTV mostra o resultado de conchavos armados sob uma carapuça escrota e individualista (bandas gaúchas? Bandas cariocas?), repleta de falsa atitude e pose milimetricamente estudada, gente bacana como a que toca o selo goiano Monstro Discos lança bandas como esses Astronautas aqui resenhados. Electro-Cidade é um suspiro de fôlego renovador. É um disco de rock sincero, poderoso, muitíssimo bem produzido, com um artigo raro chamado conceito. O mote aqui é o homem do futuro, um dia imaginado em antigos filmes de ficção científica e livros de Isaac Asimov. Só que o futuro chegou e esses homens somos nós.

publicidade

O power trio recifense – o rock feito no Nordeste está entre os melhores do underground mundial – utiliza de maneira bem pessoal referências bacanas como Queens Of The Stone Age, surf music, Kraftwerk, cultura trash e a tecnologia digital, gerando o maravilhoso casal música+letra, algo cada vez mais difícil de se encontrar por aí. A abertura, com o rockão sarado "Cidade Cinza", fala da vida corrida nas grandes metrópoles: "pedestres passam, palavras ficam". "Tecnologia" e "Comunicação em Bossa Moderna" são quase proféticas e definem o atual estado difuso que se encontram música e músicos em meio à ilógica das facilidades da tecnologia; se a primeira diz "eu vou compor uma música eletrônica no meu violão", a segunda ensaca João Gilberto nos HDs da vida e resume o pânico da indústria fonográfica em uma frase: "serão todos sampleados em sistema digital".

publicidade

A urgência do discurso encontra corpo ideal nas fortes composições. "Compulsivo", "Fora de Controle", "Não Faço Nada" (uma das melhores letras do disco) e "Monotonia" são hits prontos nos cornos do robot rock que a imprensa musical tentou inventar anos atrás. O líder e principal compositor do conjunto, André Frank, também tratou de fazer as programações eletrônicas e aqui elas são mais que mero apêndice; elas dão sentido à tudo. E, ironia maior, "Sentimentos" é a faixa menos orgânica do álbum.

publicidade

Astronautas é uma banda pronta cheia de desafios por completar. Não se mistura à podridão do establishment das magérrimas "rádios rock" e o esquemão MTV. Puxa para si um lugar no universo das boas bandas brasileiras (das quais algumas estão na própria Monstro) e pede licença para não participar das chantagens. Como canta Frank em "Compulsivo", "meu universo é paralelo e nunca foi o seu". Pra ficar melhor, basta que você, obtuso leitor, entenda a mensagem.

publicidade

(Monstro Discos)




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Rolling Stone: As 500 melhores músicas segundo a revistaRolling Stone
As 500 melhores músicas segundo a revista

Slayer: Araya fala sobre fé e sua relação com o cristianismoSlayer
Araya fala sobre fé e sua relação com o cristianismo


Sobre Nelson Endebo

Estudante de Comunicação Social na Puc-Rio, cheirou dúzias de carreiras de Música e hoje é completamente debilitado por causa disso. Tem um corte no córtex por causa do Mr. Bungle, mas acredita que isso seja legal. Doutrinado no bom e velho Metal (ainda chora ouvindo o grande Venom), aprendeu a ouvir Jazz e Samba na marra. É responsável pela coluna Nós do Noise e colabora com o site Bacana e a revista Valhalla. Sua máxima é: "quanto mais você sabe, mais você sabe que pouco sabe". Traduzindo, gosta de aprender e de ensinar. Espera poder somar algo à família Whiplash a partir de 3, 2, 1 segundo!

Mais matérias de Nelson Endebo no Whiplash.Net.

WhiFin WhiFin WhiFin WhiFin