Resenha - Beast Of Bourbon - Tankard

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Sílvio Costa
Enviar correções  |  Ver Acessos


O Tankard deve ser a banda favorita de Barney Gumble, o amigo bebum do Homer Simpson. Eis que novamente eles lançam um excelente disco num ano em que o thrash metal volta a ocupar lugar de destaque. Depois da boa repercussão alcançada por B-Day (2002), a banda consegue evoluir musicalmente sem deixar de lado as raízes do bom e velho thrash oitentista, adicionando ainda mais peso em músicas bem humoradas e muito bem trabalhadas. Sem apelar para fórmulas de sucesso, o som do Tankard continua honesto e sem concessões moderninhas e apelativas. É apenas o bom e velho thrash metal que fez história na década de 80.

Influências: Folk Metal e Música CeltaRaimundos: O verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo da banda

Beast of Bourbon foi produzido por Andy Classen, que já trabalhou com o Burden of Grief, Holy Moses, Dew-Sentenced, dentre outros. O trabalho do produtor procurou valorizar as guitarras sujas, distorcidas até o talo de Andy Gutjahr e os vocais insanos de Andreas "Gerre" Geremia. Aliás, Gerre, uma das figuras mais bem humoradas do cenário europeu, é o responsável por algumas das melhores sacadas deste disco. A marcha fúnebre no meio de "Die with a Beer in Your Hand" é o melhor exemplo de que o Tankard não está preocupado com letras politicamente engajadas ou que busca inspiração na literatura fantástica ou baboseiras desse tipo. O combustível da banda é cerveja e eles fazem questão de deixar isso bem claro. Ainda falando da produção do álbum, o Tankard não tem piedade da coluna cervical dos headbanger e fez um disco em que não existem intervalos entre as faixas para que ninguém tenha descanso e bata cabeça sem parar.

Na verdade, o novo trabalho do Tankard é meio que um refresco quando se tem tantas bandas apelando para níveis de complexidade cada vez mais auto-indulgentes. O Tankard não se preocupou muito em soar mais melódico ou complexo neste que é seu décimo quarto disco. A exemplo do que acontece desde Disco Destroyer (1998), a banda tem procurado manter sempre aqueles timbres mais sujos e optado por temas mais rápidos e riffs cortantes. Por falar em riffs, o que serve de base para o refrão de "Under Friendly Fire" é simplesmente fantástico, num disco repleto de boas músicas e grandes performances individuais. Outro destaque é a arte do álbum, feita pelo genial caricaturista alemão Sebastian Krüger.

Em linhas gerais, Beast of Bourbon (não me canso de dizer que este é um dos títulos mais geniais dos últimos tempos) é um álbum bem mais agressivo que os anteriores, provando que o thrash europeu está atravessando um momento de evolução que leva em conta alguns elementos. A levada mid-tempo de algumas faixas, como no caso de "Under Friendly Fire" - que abre o disco - é um convite para o headbanging. O cover para o hino punk "We're Coming Back" do Cocksparred ficou muito interessante, com uma pegada thrash que não a descaracterizou.

Em um ano de grandes lançamentos do estilo, o Tankard, que, ao contrário de algumas bandas que estão "voltando", nunca parou de fazer bons discos, lança este que tem fortíssimas chances de ser considerado o seu melhor trabalho. Obrigatório para fãs de thrash metal e para quem gosta de boa música, feita com simplicidade, de vez em quando.

Andreas "Gerre" Geremia: Voz
Frank Thorwarth: Baixo
Andy Gutjahr: Guitarra
Olaf Zissel: Bateria

Material cedido por:
AFM Records:
http://www.afm-records.de


Outras resenhas de Beast Of Bourbon - Tankard

Resenha - Beast Of Bourbon - TankardResenha - Beast of Bourbon - Tankard




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de CDs e DVDsTodas as matérias sobre "Tankard"


Metal Hammer: as dez piores capas de 2012Metal Hammer
As dez piores capas de 2012

Tankard: Crystal é uma cerveja tão ruim quanto a HeinekenTankard
"Crystal é uma cerveja tão ruim quanto a Heineken"

Capas: as 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blogCapas
As 10 mais bonitas lançadas em 2014 eleitas por blog


Influências: Folk Metal e Música CeltaInfluências
Folk Metal e Música Celta

Raimundos: O verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo da bandaRaimundos
O verdadeiro motivo para a saída de Rodolfo da banda

Evanescence: estranha criatura em foto de Amy Lee com seu filhoEvanescence
Estranha criatura em foto de Amy Lee com seu filho

Rock Progressivo: as 25 melhores músicas de todos os temposRock Progressivo
As 25 melhores músicas de todos os tempos

Beavis e Butthead: como eles seriam se fossem reais?Beavis e Butthead
Como eles seriam se fossem reais?

Metallica: tentamos ser acessíveis sempre, diz Lars UlrichMetallica
"tentamos ser acessíveis sempre", diz Lars Ulrich

Max Cavalera: Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!Max Cavalera
"Não dou a mínima para o que pensa o pessoal do Korn ou qualquer outro!"


Sobre Sílvio Costa

Formado em Direito e tentando novos caminhos agora no curso de História, Sílvio Costa é fanzineiro desde 1994. Começou a colaborar com o Whiplash postando reviews como usuário, mas com o tempo foi tomando gosto por escrever e espera um dia aprender como se faz isso. Já colaborou com algumas revistas e sites especializados em rock e heavy metal, mas tem o Whiplash no coração (sem demagogia, mas quem sabe assim o JPA me manda mais promos...). Amante de heavy metal há 15 anos, gosta de ser qualificado como eclético, mesmo que isto signifique ter que ouvir um pouco de Poison para diminuir o zumbido no ouvido depois de altas doses de metal extremo.

Mais matérias de Sílvio Costa no Whiplash.Net.

adClio336|adClio336