Matérias Mais Lidas

imagemRock in Rio: Pitty alfineta a produção do festival ao revelar qual seria sua exigência

imagemBruce Dickinson revela qual é sua música preferida do Iron Maiden

imagemQuando Derico, do Programa do Jô, descobriu que Ian Anderson tocava tudo errado

imagemRock in Rio libera ingressos extras e novamente dia do metal é único que não esgota

imagemO hit da Legião que Renato Russo compôs para Cássia Eller e traz coincidência trágica

imagemO clássico dos Paralamas do Sucesso que Lobão acusou de plágio

imagemJoão Gordo se reencontra com o amigo Iggor Cavalera; "Agora falta zerar com o vovô"

imagemIron Maiden e o Rock in Rio: em detalhes, o que exatamente a banda pediu para o evento

imagemNova Fã que descobriu Metallica por Stranger Things quer cancelar banda e reúne provas

imagemRob Halford compartilha a foto mais metal da semana; "O Rei e Eu"

imagemO hit de Nando Reis inspirado em clássico do Led Zeppelin e na relação com sua mãe

imagemJimmy Page conta como convenceu Robert Plant a formar o Led Zeppelin

imagemOzzy Osbourne revela de qual de seus álbuns Lemmy Kilmister mais gostava

imagemDavid Ellefson diz que baterista do Exodus fez Slayer tocar mais rápido

imagemKing Diamond fala sobre retorno do Mercyful Fate; "Isso não é uma reunião"


Dream Theater 2022

Resenha - Kettle Whistle - Jane's Addiction

Por Fabrício Boppre
Em 04/05/00

Esse disco nasceu da turnê que o Jane’s Addiction fez em 1997, chamada I-Its M-My Party Tour, 6 anos depois da banda ter terminado oficialmente. Essa reunião da banda só não contou com o baixista original, Eric Avery, o que não tirou o brilho da volta do Jane’s, uma vez que para substituí-lo foi chamado ninguém mais ninguém menos que Flea, companheiro do guitarrista Dave Navarro no Red Hot Chili Peppers.

"Kettle Whistle" pode ser considerado uma coletânea dessa banda cult de Los Angeles, que lançou três discos irrepreensíveis em sua curta carreira ("Jane’s Addiction" de 1987, "Nothing’s Shocking" de 1988 e "Ritual de lo Habitual" de 1990). O álbum é um conjunto de músicas tiradas das históricas apresentações ao vivo do conjunto, algumas canções inéditas, algumas demos e outras canções que não saíram oficialmente em nenhum disco da banda. Mas os destaques ficam mesmo por conta das canções já conhecidas do grupo, em versões ao vivo de tirar o fôlego.

Henry Rolins (vocalista da Rolins Band), que é amigo de Perry Farrel, acertou em cheio ao dizer no texto do encarte do disco que o Jane’s Addiction era essencialmente uma banda de palco. "Jane’s was a band that needed to be seen to be heard the full impact" diz ele. "It was a chapter of your life" completa ele. Claro que não podemos ter uma idéia completa do que Henry realmente quer dizer apenas ouvindo as músicas ao vivo no CD player, mas dá pra entendermos pelo menos uma fração da eloquência com a qual costuma-se se referir ao Jane’s "on stage". "Three Days", "Ain’t No Right", "Up the Beach" e "Stop", todas retiradas de um show gravado em 1990 nos EUA corroboram as palavras acima. É incrível a energia que emana dessas faixas: seja na agressividade e no feeling de "Ain’t No Right" e "Stop", seja nos solos delirantes de Dave Navarro e na batida "tribal" de Stephen Perkins em "Three Days", ou na beleza quase palpável da incrível "Up the Beach". Aliás, essas duas últimas músicas são os grandes destaques do álbum: "Three Days" é realmente delirante, uma obra prima de 13 minutos de viagem e feeling puro, e "Up the Beach" é lindíssima - difícil não se emocionar com a atmosfera criada pela sua melodia refinada e seu trabalho de guitarra fenomenal.

As outras canções ao vivo ajudam a darmos razão a Henry Rolins. Entre elas, "So What", "Whores", e as belas "Slow Divers" e "Jane Says", com seus arranjos exóticos e harmonias cativantes. Das músicas inéditas, destaque para a faixa que dá nome ao disco, com sua linha de baixo compassada e melodias levadas pela guitarra, resultando em um clima exótico e sombrio.

Para aqueles que não conhecem o Jane’s Addiction e seu importante papel na história do rock alternativo, esse disco pode ser uma ótima pedida, principalmente pelas faixas ao vivo. E são também essas faixas que fazem o disco ser indispensável aos velhos fãs da banda.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

The Boys: trilha sonora da nova série de heróis está repleta de rock

Serial Killers: As 10 melhores músicas sobre assassinos da vida real

Axl Rose: ele não entende por que era odiado por bandas dos anos 90

Ultimate Classic Rock: os 100 maiores clássicos do rock

Supergrupos: Os melhores e piores na opinião da Metal Hammer