Resenha - Infinite - Stratovarius

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Rodrigo Simas Pinto e Castro
Enviar Correções  


O Stratovarius é uma banda que já tem um certo nome e um número grande de fans espalhados pelo mundo, principalmente nos lugares onde o heavy melódico tem mais força. Esse novo disco é o primeiro trabalho na sua nova gravadora, a Nuclear Blast, e não foi poupado trabalho para realizá-lo. Começando pela capa , que é maravilhosa (mais uma obra prima de Derek Riggs), pela produção e pela gravação impecáveis, o CD não traz falhas nesse sentido. Os músicos também fazem sua parte, pois Kotipelto continua cantando bem, sem soar chato (o que é comum em vocalistas que cantam agudo), Tolkki continua tocando sua guitarra com seus solos neo-clássicos, Jens continua um gênio do teclado, e mais uma vez prova ser um dos melhores do mundo estando léguas a frente de seus companheiros de banda, e Jari (baixo) e Jorg (bateria) continuam mantendo a correria na cozinha. O problema é que, como já de costume, o disco não traz nenhuma inovação, sendo apenas mais um na discografia da banda. Quando o Stratovarius lançou Episode e depois Visions , os dois cd’s eram praticamente a mesma coisa, sendo que com Destiny ficou um pouco mais leve e agora com Infinite voltou a ficar um pouco mais pesado. Seria a única diferença latente. Como de costume, duetos de guitarra/ teclado, dois bumbos e refrões que grudam na primeira audição, como o de Hunting High and Low, primeira música, bem melódica. Em seguida entra Millenium, a velocidade e o peso duplicam, com grandes riffs e ótimas "cavalgadas", a música segue bem o estilo mais rápido do Stratovarius , porém com arranjos mais elaborados. Outros destaques do disco são Mother Gaia e Infinity, mais épicas, mais lentas, com melodias muito bonitas e grandes solos, além de que em várias passagens foram utilizados instrumentos de orquestra e não apenas teclados. O resto do disco também é muito bom mas a gigantesca semelhança com tudo que já foi feito pela banda e a mesmice cansam um pouco. Se você é fan incondicional da banda compre na hora, eles continuam fazendo o mesmo som de antes, se você apenas gosta, é melhor ouvir antes, e se você nunca gostou não perca seu tempo ouvindo.

publicidade


Outras resenhas de Infinite - Stratovarius

Stratovarius: no auge da criatividade e popularidade

Resenha - Infinite - Stratovarius




Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Timo Tolkki: Músico faz Livestream Acústica e canta "The Hands of Time" novamente

Stratovarius: Em Intermission, o primeiro Intervalo da banda

Stratovarius: músicos paulistas gravam cover da clássica "The Kiss of Judas"


Timo Tolkki: fãs da banda cearense Fireline o acusam de plágioTimo Tolkki
Fãs da banda cearense Fireline o acusam de plágio

Apocalipse: confira 5 das melhores músicas sobre o temaApocalipse
Confira 5 das melhores músicas sobre o tema


Separados no nascimento: Geddy Lee e Marquito do RatinhoSeparados no nascimento
Geddy Lee e Marquito do Ratinho

Álbuns: os vinte piores discos de todos os temposÁlbuns
Os vinte piores discos de todos os tempos


Sobre Rodrigo Simas Pinto e Castro

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, enviando sua descrição e link de uma foto.

WhiFin