Resenha - Children Of Bodom (Lapa Multishow, Belo Horizonte, 14/08/2004)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Thiago Sarkis
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Imagem
Fotos: Thiago Pinto Corrêa Sarkis

Na sessão de autógrafos do Children Of Bodom, um dos assuntos comentados, e que chegou a mim diretamente foi a resenha publicada no Whiplash! sobre o show de São Paulo, autoria de Carlos Eduardo Corrales. Logo percebi uma polêmica na “cusparada” relatada pelo crítico em seu texto. Porém, papo demais rodeava isto e também as atitudes da banda finlandesa - especialmente de seu líder - sendo que estávamos há um dia de um show que, sem dúvida, fora muito esperado na capital mineira.

Uma boa crítica cria um certo falatório mesmo e serve, acima de tudo, para te situar, falar do que aconteceu durante um evento, daquilo que podemos esperar. E neste ponto, Corrales foi exímio. Particularmente, decidido a não levar saliva pra casa, logo me coloquei a uma distância de, digamos, segurança e auto preservação.

Antes de falarmos da atração principal, destaquemos a qualidade da produção, a organização do local, e o respeito com a imprensa e o público. Foi realmente agradável estar no Lapa, ver que havia prioridade e uma ordem para maior cuidado e atenção a seres humanos e não animais, usualmente chamados de “seguranças”.

Falemos também das bandas de abertura. Tive o infortúnio de perder o Eternal Torture, pois uma breve entrevista com Alexi Laiho foi realizada praticamente no mesmo horário em que a primeira banda subiu ao palco. Todavia, pude ouvir os excelentes músicos do Ruffian, num death de grandes proporções. Eles foram um achado para a abertura, contudo, a duração da apresentação acabou por irritar um pouco. Este já é um erro corriqueiro por essas terras, e não sei se é por parte do grupo, ou qualquer outra pessoa. Há, de qualquer forma, de ser corrigido. Se é banda de ABERTURA, que cumpra um bom papel, prepare o público, e não permaneça no palco praticamente o mesmo tempo que a atração principal. O Ruffian tocou muitíssimo bem, e fez bonito, mas prolongou demais seu set.

O tão esperado Children Of Bodom usou de perspectiva diferente, num show conciso, de uma hora e meia, mais ou menos. Porém, indubitavelmente, suficientemente intenso, adequado e eficiente. Você pode dizer que foi ridículo deixar de tocar “Children Of Decadence”, ”Lake Bodom”, entre tantas outras que marcaram a carreira do conjunto. Seria mesmo bacana ouvir todas estas músicas ao vivo, mas sempre irá faltar esta ou aquela composição, predileta deste ou daquele fã. O show é muito bem preparado, o set inteligente, e a duração bastou, pelo que pude perceber, para satisfazer a maioria – incluo-me aí.

Algo notório em Laiho e Blacksmith é a presença de palco. Podem ser polêmicos, porém o efeito que causam é impressionante. Postura, firmeza, agressividade e execuções fantásticas. Em Minas Gerais, Alexi levou seus solos muito bem, principalmente quando acompanhado por Janne Warman nos teclados. Por falar neste, é um sujeito não tão carismático, mas competente também ao vivo, e tenta um maior contato brincando durante intervalos das músicas. Numa destas, tocou a introdução de “Alex F.”, tema do famoso filme “Um Tira da Pesada” com Eddie Murphy, originalmente gravado por Harold Faltermeyer.

O substituto de Alexander Kuopalla se dá bem no palco, tem presença, mas parece fora do contexto do Children Of Bodom. É bem mais velho que seus companheiros, e coloco em dúvida sua continuidade e efetivação na banda.

Em termos de repertório, comentários são até desnecessários. Executadas com imensa precisão e garra, “Bodom After Midnight”, “Deadnight Warriors”, “Towards Dead End”, “Everytime I Die”, músicas do novo álbum como “Angels Don’t Kill” e “Needle 24 / 7”, e a saideira com “Downfall”, cresceram, deixaram a audiência ensandecida, e provaram que o Children Of Bodom é ainda melhor ao vivo que em estúdio.

Alexi Laiho cuspiu norte, sul, leste, oeste. Molhou a si mesmo, ao público, seguranças, e jornalistas desavisados. Literalmente, à sua maneira, bem acompanhado e com excelência, ele fez chover naquele sábado fantástico! Sorte que a nuvenzinha não ficou em cima da minha cabeça.

AGRADECIMENTOS:
Officina de Produções (Marcelo),
Live in Brazil (Wanise),
Live in Italy e All-access.de (AC).

Quer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Todas as matérias e notícias sobre "Children Of Bodom"

Tarja Turunen
Vocalista reprova cover do COB no The Voice

Children Of Bodom
Alexi Laiho e seu álbum favorito de Ozzy

Opinião
Headbangers não praticantes: radicalismo no Metal

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Children Of Bodom"

Iron Maiden
O que os grandes músicos acham da banda?

Slipknot
Causando medo no cantor Latino durante o Rock In Rio

Humor
Urros, raiva, dor, sangue! As regras do Death Metal!

Eddie Trunk: parem com isto, Lady Gaga não é metal!Guns N' Roses: melhores músicas segundo a Ultimate Classic RockMetal: você acredita na "lenda do terceiro álbum"? - Parte 2Fotos de infância: Iggy PopGuns N' Roses: Em vídeo de 1993, Axl Rose detona o MetallicaIron Maiden: Lady Gaga acordou às 5 da manhã para comprar TBOS

Sobre Thiago Sarkis

Thiago Sarkis: Colaborador do Whiplash!, iniciou sua trajetória no Rock ainda novo, convivendo com a explosão da cena nacional. Partiu então para Van Halen, Metallica, Dire Straits, Megadeth. Começou a redigir no próprio Whiplash! e tornou-se, posteriormente, correspondente internacional das revistas RSJ (Índia - foto ao lado), Popular 1 (Espanha), Spark (República Tcheca), PainKiller (China), Rock Hard (Grécia), Rock Express (ex-Iugoslávia), entre outras. Teve seus textos veiculados em 35 países e, no Brasil, escreveu para Comando Rock, Disconnected, [] Zero, Roadie Crew, Valhalla.

Mais matérias de Thiago Sarkis no Whiplash.Net.

Link que não funciona para email (ignore)

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em agosto: 1.237.477 visitantes, 2.825.604 visitas, 7.034.755 pageviews.

Usuários online