Matérias Mais Lidas

Whitesnake: por que Glenn Hughes nunca foi chamado para a banda, segundo CoverdaleWhitesnake
Por que Glenn Hughes nunca foi chamado para a banda, segundo Coverdale

Slipknot: bateria isolada de Psychosocial mostra criatividade e talento de JordisonSlipknot
Bateria isolada de "Psychosocial" mostra criatividade e talento de Jordison

Ozzy Osbourne: veja a reação dele ao ouvir solo isolado de Randy Rhoads em Crazy TrainOzzy Osbourne
Veja a reação dele ao ouvir solo isolado de Randy Rhoads em "Crazy Train"

Nightwish: banda fez show secreto na Finlândia se passando por banda coverNightwish
Banda fez show secreto na Finlândia se passando por banda cover

Cannibal Corpse: por que eles não queriam participar do filme Ace Ventura, de Jim CarreyCannibal Corpse
Por que eles não queriam participar do filme Ace Ventura, de Jim Carrey

Joey Jordison: seu disco favorito dos últimos 50 anos era um clássico do black metalJoey Jordison
Seu disco favorito dos últimos 50 anos era um clássico do black metal

ZZ Top: banda continuará sem Dusty Hill; vamos honrar seu desejoZZ Top
Banda continuará sem Dusty Hill; "vamos honrar seu desejo"

Iron Maiden: veja Bruce Dickinson empolgado cantando ZZ TopIron Maiden
Veja Bruce Dickinson empolgado cantando ZZ Top

Corey Taylor: Não podíamos trabalhar junto com JordisonCorey Taylor
Não podíamos trabalhar junto com Jordison

Pearl Jam: por que Eddie Vedder sofreu mais com o sucesso do que os outros integrantesPearl Jam
Por que Eddie Vedder sofreu mais com o sucesso do que os outros integrantes

Marilyn Manson: acusado de agressão sexual, se diz vítima de mulheres querendo dinheiroMarilyn Manson
Acusado de agressão sexual, se diz vítima de mulheres querendo dinheiro

Iron Maiden: lendário show no Hammersmith, de 1982, finalmente chega ao streaming; ouçaIron Maiden
Lendário show no Hammersmith, de 1982, finalmente chega ao streaming; ouça

Utilidade pública: músicas para incomodar vizinhos que ouvem sertanejo no último volumeUtilidade pública
Músicas para incomodar vizinhos que ouvem sertanejo no último volume

Lobão: O Rock In Rio de 85 foi muito ruim para o rock brasileiroLobão
O Rock In Rio de 85 foi muito ruim para o rock brasileiro

Slash: novo álbum será o primeiro da Gibson RecordsSlash
Novo álbum será o primeiro da Gibson Records


Pentral

Tradução - Seasons In The Abyss - Slayer

Por Donizeti Oliveira
Em 23/03/03

Lançado em 1990, "Seasons In The Abyss" retomava um pouco da velocidade, através de faixas como "War Ensemble", que havia sido deixada de lado no último disco ("South Of Heaven", que denotava uma certa mudança no direcionamento musical do grupo, trazendo músicas mais lentas, embora ainda extremamente pesadas). Em "Seasons..." a banda continuava tratando de temas escabrosos, principalmente em "Dead Skin Mask", cuja letra retrata Ed Gein, famoso serial killer. Pela primeira vez o grupo decide registrar um vídeo mais produzido, tendo viajado até o Egito para filmar o clip da faixa-título.

As vendas do álbum ultrapassaram um milhão de cópias só nos EUA. A supremacia da popularidade do Slayer foi comprovado ao participar do "Clash Of The Titans", cuja versão americana era inicialmente encabeçada por eles, Megadeth e Testament.

(Fernando P. Silva)

[WAR ENSEMBLE]
(Jeff Hanneman/Tom Araya)

Propaganda death ensemble
Burial to be
Corpses rotting through the night
In blood laced misery
Scorched earth the policy
The reason for the singe
The pendulum it shaves the blade
The strafing air blood raid

Infiltration push reserves
Encircle the front lines
Supreme art of strategy
Playing on the minds
Bombard till submission
Take all to their graves
Indication of triumph
The number that are dead

CHORUS
Sport the war, war support
The sport is war, total war
When victory's a massacre
The final swing is not a drill
It's how many people I can kill

Be dead friend from above
When darkness falls
Descend into my sights
Your fallen walls
Spearhead break through the lines
Flanked all around
Soldiers of attrition
Forward their ground
Regime prophetic age
Old in its time
Flowing veins run on through
Deep in the Rhine
Center of the web
All battles scored
What is our war crimes
(Era forever more...war)

Propaganda war ensemble
Burial to be
Bones shining in the night
In blood laced misery
Campaign of elimination
Twisted psychology
When victory is to survive
And death is defeat

[ASSEMBLÉIA DA GUERRA]
(Jeff Hanneman/Tom Araya)

Propaganda, assembléia da morte
Um funeral a ocorrer
Cadáveres apodrecem na noite
Em uma miséria rodeada de sangue
Terra chamuscada pela política
A razão da queimadura
O pêndulo apara a lâmina
Bombardeio aéreo sanguinário

A infiltração força os reservistas
Cercando as linhas de frente
Arte suprema da estratégia
Comandando as mentes
Bombardeando até a submissão
Mandando todos á sepultura
Indicação do triunfo
O número de mortos

REFRÃO
Brinque com a guerra, suporte da guerra
O esporte é a guerra, guerra total
Quando a vitória é um massacre
O balanço final não é uma prática
São quantas pessoas eu posso matar

Sejam mortos, amigos aí de cima
Quando chegar a escuridão
Descendo em minha visão
Seus muros caídos
Pontas de lanças rompem as linhas de frente
Atacando em todas as direções
Soldados de atrito
Avançam seu território
Era de regime profético
Os velhos estão no seu tempo
Veias que fluem e atravessam
No fundo do Reno*
O centro da trama
Todas as batalhas conquistadas
Quais são nossos crimes de guerra
(uma era para todo sempre...guerra)

Propaganda, assembléia da guerra
Um funeral a ocorrer
Ossos brilham na noite
Em uma miséria rodeada de sangue
Campanha de eliminação
Psicologia distorcida
Quando a vitória é sobreviver
E a morte é a derrota

* Reno = rio da Europa

[BLOOD RED]
(Jeff Hanneman/Tom Araya)

Peaceful confrontation meet war machine
Seizing all civil liberties
Honest ballotation among banshee
Spilling blood throughout humanity
You cannot hide the face of death
Oppression ruled by bloodshed
No disguise can deface evil
The massacre of innocent people

Deviated lies fear blinding in your eyes
Enforcing their truth through a gun
Aggressive discipline and barbaric control
Thousands of people cannot be wrong

You cannot hide the face of death
Oppression rules by bloodshed
No disguise can hide the evil
That stains the primitive sickle

Blood red

Growing opposition with words as ammunition
Expressions of life's liberties
Aggressive discipline and barbaric control
Spilling blood throughout humanity

[SANGUE VERMELHO]
(Jeff Hanneman/Tom Araya)

Confrontação pacífica encontra a máquina de guerra
Acorrentando todas as liberdades civis
Votação honesta entre as banshees*
Derramando sangue por toda a humanidade
Você não consegue esconder a face da morte
Opressão regida pelo derramamento de sangue
Nenhum disfarce pode desfigurar o mal
O massacre de pessoas inocentes

Mentiras desviadas, o medo cegante em seus olhos
Forçando a verdade deles através de uma arma
Disciplina agressiva e controle bárbaro
Milhares de pessoas não podem estar erradas

Você não consegue esconder a face da morte
Opressão regida pelo derramamento de sangue
Nenhum disfarce pode desfigurar o mal
Que mancha as foices primitivas

Sangue vermelho

Oposição crescente usando palavras como munição
Liberdade de expressão da vida
Disciplina agressiva e controle bárbaro
Derramando sangue por toda a humanidade

* Banshees = demônio ou diabo (feminino) da morte. Personagem folclórica irlandesa. Uma pequena fada no folclore gaélico que avisa de uma morte próxima na família através de lamúrios e gritos de dor.

[SPIRIT IN BLACK]
(Jeff Hanneman/Kerry King)

Welcome to my world
Involve yourself within my dream
Experience a life
Just like your mind thought not to be
Take a look through time
As past or present words to be
I rule this inferno
Enthroned for eternity

CHORUS
Coils of the serpent unwind
Buried beneath you will find
Deep in the halls of the damned
Spirit in black till the journey's end

Spirits damned to rot
Amidst the brimstone fireballs
Eyes of the dead
Watching from their living walls
Broken glass reflections
Show your flesh eaten away
Beyond the gates I'll take you
Where the blood forever rains

CHORUS

Afterlife confessions
Tell me who you used to be
Looking on in wonder
As I show you it was me
Burning from within
You know one spark is all it takes
Hear the piercing cries of all
Who found that hell awaits

Living nightmare can't you see
You really have no choice
Faded memories haunt you
Listen clearly to my voice
Feed me all your hatred
Empty all your thoughts to me
I can fill your emptiness
With immortality

Welcome to my world
Involve yourself within my dream
Experience a life
Just like your mind thought not to be
Take a look through time
As past or present words to be
I rule this inferno
Enthroned for eternity

[ESPÍRITO DE PRETO]
(Jeff Hanneman/Kerry King)

Bem vindo ao meu mundo
Envolva-se em meu sonho
Experimente uma vida
Como jamais imaginou existir
Olhe através do tempo
Enquanto as palavras do passado ou do futuro existem
Eu comando este inferno
Entronizado para a eternidade

REFRÃO
A serpente se desenrola
Enterrado você irá encontrar
Mergulhado no corredor dos amaldiçoados
Espírito de preto, até a viagem acabar

Espíritos condenados a apodrecer
Em meio a bolas de fogo de enxofre
Os olhos dos mortos
Vigiando de seus túmulos
Reflexos de vidros quebrados
Mostre sua carne corroída
Além dos portões eu irei te pegar
Aonde sempre choverá sangue

REFRÃO

Confissões da vida após a morte
Diga-me quem você era
Olhando com surpresa
Enquanto eu te mostro o que eu era
Queimando por dentro
Você sabe que uma faísca já basta
Ouvindo o grito lancinante de todos
Que descobriram que o inferno aguarda...

Vivendo o pesadelo, você não percebe que
Você realmente não tem escolha
Memórias esmorecidas lhe assustam
Escute claramente minha voz
Alimente-me do seu ódio
Esvazie os seus pensamentos para mim
Eu posso preencher o seu vazio
Com a imortalidade

Bem vindo ao meu mundo
Envolva-se em meu sonho
Experimente uma vida
Que jamais imaginou existir
Olhe através do tempo
Enquanto as palavras do passado ou do futuro existem
Eu comando este inferno
Entronizado para a eternidade

[EXPENDABLE YOUTH]
(Kerry King/Tom Araya)

Gun down cold on a raw deal
Home turf my battlefield
In no one's way caught in a crossfire
Stray bullets can kill

CHORUS
Expendable youths
Fighting for possession
Having control the principle obsession
Rivalry and retribution
Death the only solution

Inured soul lies on the ground
Head blown off face down
Lying in a pool of blood
An accidental death homicide

CHORUS

Struggling to survive
The drug induced warfare
To have control and principle obsession
Expendable youth fighting for possession
Violence is only a friend

CHORUS

[JUVENTUDE DESCARTÁVEL]
(Kerry King/Tom Araya)

Ferir com um tiro em um tratamento severo e injusto
O gramado de minha casa (é) meu campo de batalha
Não há caminho para fugir, preso num fogo cruzado
Balas perdidas podem matar

REFRÃO
Juventudes descartáveis
Lutando por posses
Controlando os princípios da obsessão
Rivalidade e retaliação
A morte é a única solução

Almas inúteis, jazem no chão
Cabeça arrancada do corpo de bruços
Deitado em uma piscina de sangue
Uma morte acidental, um homicídio

REFRÃO

Lutando para sobreviver
A droga induziu a guerra
Para ter controle e princípios de obsessão
Juventude descartável, lutando por posses
A violência é somente um amigo

REFRÃO

[DEAD SKIN MASK]
(Jeff Hanneman/Tom Araya)

Graze the skin with my fingertips
The brush of dead cold flesh pacifies the means
Provocative images
Delicate features so smooth
A pleasant fragrance in the light of the moon

CHORUS
Dance with the dead in my dreams
Listen to their hallowed screams
The dead have taken my soul
Temptation's lost all control

Simple smiles elude psychotic eyes
Lose all mind control rationale declines
Empty eyes enslave the creations
Of placid faces and lifeless pageants

In the depths of a mind insane
Fantasy and reality are the same

Graze the skin with my fingertips
The brush of dead warm flesh pacifies the means
Incised members ornaments on my being
Adulating the skin before me

Simple smiles elude psychotic eyes
Lose all mind control rationale declines
Empty eyes enslave the creations
Of placid faces and lifeless pageants

CHORUS

[MÁSCARA DE PELE MORTA]
(Jeff Hanneman/Tom Araya)

Esfolando a pele com a ponta dos meus dedos
A escova dos mortos, a carne fria pacifica os meios
Imagens provocativas
Feições delicadas e tão suaves
Uma agradável fragrância ao luar

REFRÃO
Danço com os mortos em meus sonhos
Ouço seus gritos sagrados
Os mortos tomaram conta da minha alma
A tentação me fez perder o controle

Sorrisos simples iludem olhos psicóticos
Perde todo o controle da mente, o raciocínio decai
Olhos vazios escravizam as criações
De rostos plácidos e cerimônias sem vida

Nas profundezas de uma mente insana
Fantasia e realidade é a mesma coisa

Esfolando a pele com a ponta dos meus dedos
A escova dos mortos, carne quente pacifica os meios
Membros cortados, ornamentos de minha existência
Alisando a pele

Sorrisos simples iludem olhos psicóticos
Perde todo o controle da mente, o raciocínio decai
Olhos vazios escravizam as criações
De rostos plácidos e cerimônias sem vida

REFRÃO

A letra retrata Ed Gein, um famoso serial killer. Ed Gein era um fazendeiro de meia-idade, residente em Wisconsin, que foi o inspirador de filmes como "Psicose" de Hitchcock e "O Massacre da Serra Elétrica". Ele vivia num sítio com o irmão, o pai e a sua mãe, que era lésbica, e mantinha os filhos sob uma forte vigilância, impedindo-os de sair da fazenda e proibindo-os totalmente de manter contato com as mulheres. Mas, vez por outra, ela tinha alguns rompantes de loucura, e se prostava de joelhos no chão pedindo a Deus que matasse seu marido com um raio, até que um dia ele realmente veio a falecer. Entretanto, algum tempo depois, tanto ela quanto o irmão de Ed também morreram, e ele ficou sozinho na fazenda, tendo adotado alguns hábitos bem estranhos: antes de mais nada, ele decidiu empalhar a mãe e, vez por outra, fazia sexo com o cadáver...

Porém, a coisa foi tomando proporções bem mais escabrosas com o passar dos anos, pois ele começou a violar túmulos recentes para retirar a pele dos cadáveres e fazer roupas e acessórios diversos. Não tardou para decidir procurar corpos frescos, tendo feito sua primeira vítima, Mary Hogan, em dezembro de 1954. Três anos depois ele foi descoberto, ao assassinar outra mulher, Bernice Horden. Em sua fazenda foram encontrados diversos utensílios macabros, tais como um abajur feito de pele humana, um crânio usado como tigela de sopa, corpos decapitados, diversos órgãos humanos guardados na geladeira e muito mais...

[HALLOWED POINT]
(Jeff Hanneman/Kerry King/Tom Araya)

High velocity bullet at close range
Can damage the mind
Shattering the skull shredding the brain
Severing the spine

Bury a round of lead in the chest
It's quite an impression
Imagine the innards of your soul
The infliction

CHORUS
Instinctive regression
With intent to kill
No regard of human life
Or the blood spilled

Riddled convulsions
Confetti of flesh
Scattered helplessly
Losing your control of physical
Facilities

Release the slide to cleanse inside
Prepare to anoint
Snap the tongue in the groove discharge
To make my hallowed point

CHORUS

The power of a gun
Used with conviction
Dispersed on excursions
Randomly kills its victims

My sweet revenge
Bitter in depression
The thrilling release
Of a hatred deep persuasion

The power of a gun
Used with conviction
Diffused compulsions
Unending repercussions

Violent emotion
Screaming revolution
Spasmic convulsions
Death an empty gun

[PONTO SANTIFICADO]
(Jeff Hanneman/Kerry King/Tom Araya)

Bala em alta velocidade próxima ao alvo
Pode danificar a mente
Despedaçando o crânio, triturando o cérebro
Separando a espinha

Cravam uma bala de chumbo em seu peito
Isto é uma impressão
Imagine as vísceras de sua alma
A punição

REFRÃO
Regressão instintiva
Com a intenção de matar
Sem respeito com a vida humana
Ou com o sangue derramado

Convulsões despedaçadas
Confeite de carne
Sem nenhuma saída
Perdendo seu controle de
Aparatos físicos

Solto a lâmina para limpá-la por dentro
Preparo para untar
Mordo a língua em voga
Para fazer meu ponto sagrado

REFRÃO

O poder de uma arma
Usada com convicção
Dispersada em excursões
Matando suas vítimas ao acaso

Minha doce vingança
Amarga em depressão
A libertação trêmula
De uma profunda persuasão do ódio

O poder da arma
Usada com convicção
Compulsões difundidas
Repercussões intermináveis

Emoção violenta
Berrando revolução
Convulsões violentas
Morte, uma arma vazia

[SKELETONS OF SOCIETY]
(Kerry King)

Minutes seem like days
Since fire ruled the sky
The rich became the beggars
And the fools became the wise
Memories linger in my brain
Of burning from the acid rain
A pain I never have won

Nothing here remains
No future and no past
No one could foresee
The end that came so fast
Hear the prophet make his guess
That paradise lies to the west
So join his quest for the sun

Shades of death are all I see
Fragments of what used to be

The world slowly decays
Destruction fills my eyes
Harboring the image
Of a spiraling demise
Burning winds release their fury
Simulating judge and jury
Drifting flurries of pain

Deafening silence reigns
As twilight fills the sky
Eventual supremacy
Daylight waits to die
Darkness always calls my name
A pawn in this recurring game
Humanity going insane

Shades of death are all I see
Fragments of what used to be

Minutes seem like days
Corrosion fills the sky
Morbid dreams of anarchy
Brought judgment in disguise
Memories linger in my brain
Life with nothing more to gain
Perpetual madness remains

Shades of death are all I see
Skeletons of society
Fragments of what used to be
Skeletons of society

[ESQUELETOS DA SOCIEDADE]
(Kerry King)

Minutos parecem dias
Desde então o fogo comanda o céu
Os ricos se tornaram mendigos
E os bobos se tornaram os espertos
Memórias hesitam em minha mente
Das chamas da chuva ácida
Uma dor que nunca venci

Nada aqui permanece
Nenhum futuro e nenhum passado
Ninguém pôde prever
Que o fim chegaria tão rápido
Ouça o profeta fazendo sua previsão
Que o paraíso está no ocidente
Então junte-se a ele na sua busca pelo sol

Sombras da morte é tudo que vejo
Fragmentos que existiam

O mundo lentamente decai
A destruição preenche meus olhos
Guardando as imagens
De uma morte espiral
Ventos em chamas, libertam sua fúria
Simulando juiz e júri
Sendo levados por rajadas de dor

Um silêncio ensurdecedor reina
Enquanto o crepúsculo cobre o céu
Supremacia final
A luz do dia espera morrer
A escuridão chama meu nome
Um peão neste jogo periódico
A humanidade enlouquecendo

Sombras da morte é tudo que vejo
Fragmentos que existiam

Minutos parecem dias
A corrosão preenche o céu
Sonhos mórbidos de anarquia
Trouxeram julgamentos disfarçados
Memórias hesitam em minha mente
Sem nada mais a ganhar na vida
Uma loucura perpétua sobrevive

Sombras da morte é tudo que vejo
Esqueletos da sociedade
Fragmentos que existiam
Esqueletos da sociedade

[TEMPTATION]
(Kerry King)

Have you ever felt the need
To see more than you can see
Look into uncertainty
Reflections of treachery
Would you leave the world behind?
Endless life is here to find
Can I interest you in lies?
Sell your soul for all it buys

CHORUS
Play with your insanity
Shatter your reality
Pulsing in your blood

I can satisfy your greed
For now all your debts are free
I have all eternity
To quench all the death I breed
Recreate the rules of play
From now things are done my way
None have ever won my game
Crucified them all in flames

CHORUS

Have you ever danced with the devil?
His temptation ever summoned you
Ever penned your name in blood
Let possession slowly swallow you
When you stand under full moonlight
The attraction mesmerizes you
Have you ever wondered why
It seems that evil you're attracted to

Reach out to my hand
Step back in time's sand
Genetic wasteland
Far beyond death

[TENTAÇÃO]
(Kerry King)

Você alguma vez já sentiu que você precisa
Ver mais do que pode ver?
Investigue sua incerteza
Reflexões da traição
Você deixaria o mundo para trás?
Vida eterna está aqui para ser encontrada
Eu posso te interessar com mentiras?
Venda sua alma para quem compra

REFRÃO
Brinque com sua insanidade
Destrua sua realidade
Pulsando em seu sangue

Eu posso satisfazer sua ambição
Por enquanto todas as suas dívidas estão pagas
Eu tenho toda a eternidade
Para extinguir toda a morte que eu crio
Recriando as regras do jogo
De agora em diante as coisas serão feitas da minha maneira
Ninguém jamais venceu o meu jogo
Crucifiquei todos em chamas

REFRÃO

Você já dançou com o demônio?
Sua tentação alguma vez já o chamou?
Alguma vez escreveu seu nome em sangue?
Deixe a possessão te engolir lentamente
Quando você ficar sob a lua cheia
A atração magnetizará você
Você já tentou saber por que
Parece que o mal te atrai?

Estenda sua mão para mim
Um passo atrás na areia do tempo
Devastação genética
Muito além da morte

[BORN OF FIRE]
(Kerry King/Jeff Hanneman)

Join in my quest to leave life overturned
Spanning the world wave of doom
Spewing out death with the evil I've churned
Awaken the dead from their tomb
Love turns to lust the sensations I've felt
Exploring the pleasures of sin
Making the best of the cards I've been dealt
Adjusting the odds so I win

Unleash all my burning wrath
Potential killing machine
Take down all who block my path
Enjoying all that's obscene...born of fire

Prince of all darkness initiation
Ritually baptized in flames
Next to the throne my abomination
Spreads horror throughout the domain
Master the art that controls the impure
Inherit the infamous keys
Thousands of centuries I will endure
Tyrant of all the prophecies

Some have called me Satan's son
A name I cannot deny
Wielding fury that's second to none
Far too vile to confine...born of fire

All things dead must rise again
When twilight's blanket falls
Splattered red you'll find my den
Blood dripping from the walls

Dreams born of desire
Shaped and forged within the fire
Twisted, warped, deranged I see
The world's corrupt insanity

Dreams possess nightmarish figures
Burning can't escape the embers
Lost are those who trust the Liar
Satan's son I'm born of fire

[NASCIDO DO FOGO]
(Kerry King/Jeff Hanneman)

Una-se a minha busca para deixar a vida transformada
Atravessando o mundo, ondas de destruição
Vomitando a morte com o mal, eu remexi
Acordando os mortos de suas tumbas
O amor torna-se luxúria, sensações que eu caí
Explorando os prazeres do pecado
Fazendo a melhor jogada
Ajustando as diferenças então eu venço

Desencadeando minha fúria incendiante
Máquina mortal potencial
Derrubo todos que obstruem meu caminho
Diversão, tudo isso é obsceno... nascido das chamas

Príncipe de toda escuridão
Ritualmente batizado nas chamas
O próximo ao trono, minha abominação
Espalhando horror por todo o império
Senhor da arte que controla os impuros
Herda as chaves da infâmia
Milhares de séculos eu agüentarei
Tirano de todas as profecias

Alguns tem me chamado de filho de satã
Um nome que não posso negar
Exercendo a fúria como ninguém
Muito vil para ser detido...nascido das chamas

Todas as coisas mortas devem ressuscitar
Quando o crepúsculo chegar
Respingado de vermelho você encontrará minha caverna
Sangue gotejando das paredes

Sonhos nascidos do desejo
Modelado e forjado dentro do fogo
Deformado, deturpado, desordenado eu vejo
O mundo é insanidade corrupta

Os sonhos possuem imagens atemorizantes
Queimando, não se pode escapar das brasas
Perdidos estão aqueles que confiaram no mentiroso
Filho de satã, eu nasci das chamas

[SEASONS IN THE ABYSS]
(Jeff Hanneman/Tom Araya)

Razors edge
Outlines the dead
Incisions in my head
Anticipation the stimulation
To kill the exhilaration

Close your eyes
Look deep in your soul
Step outside yourself a
And let your mind go
Frozen eyes stare deep in your mind
As you die

Close your eyes
And forget your name
Step outside yourself
And let your thoughts drain
As you go insane...insane

Inert flesh
A bloody tomb
A decorated splatter brightens the room
An execution a sadist ritual
Mad intervals of mind residuals

Close your eyes
Look deep in your soul
Step outside yourself
And let your mind go
Frozen eyes stare deep in your mind
As you die

Close your eyes and forget your name
Step outside yourself
And let your thoughts drain
As you go insane...insane

Innate seed
To watch you bleed
A demanding physical need
Desecrated eviscerated
Times prostrated

[PERÍODO NO ABISMO]
(Jeff Hanneman/Tom Araya)

Fio da navalha
Desenha os mortos
Cortes em minha cabeça
Antecipando o estímulo
Para matar o divertimento

Feche seus olhos
Olhe profundamente em sua alma
Saia de si mesmo
E deixe sua mente vagar
Olhos gélidos encaram no fundo de sua mente
Enquanto você morre

Feche seus olhos
E esqueça seu nome
Saia de si mesmo
E deixe seus pensamentos drenar
Enquanto você enlouquece... enlouquece

Carne inerte
Uma tumba sangrenta
Respingos iluminam o quarto
Uma execução, um ritual sádico
Momentos de fúria dos restos da mente

Feche seus olhos
Olhe no fundo da sua alma
Saia de si
E deixe sua mente vagar
Olhos gélidos encaram no fundo de sua mente
Enquanto você morre

Feche seus olhos e esqueça seu nome
Saia de si
E deixe seus pensamentos drenar
Enquanto você enlouquece... enlouquece

Semente natural
Para te ver sangrar
Uma necessidade física exigente
Profanada, estripada
Tempos debilitados

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Satanic Planet: Dave Lombardo lança álbum com fundador do Templo SatânicoSatanic Planet
Dave Lombardo lança álbum com fundador do Templo Satânico

Joey Jordison: Dave Lombardo está triste e chocado com a morte do bateristaJoey Jordison
Dave Lombardo está triste e chocado com a morte do baterista

Heavy metal: 20 músicas com refrãos que grudam na cabeça instantaneamenteHeavy metal
20 músicas com refrãos que grudam na cabeça instantaneamente

Utilidade pública: músicas para incomodar vizinhos que ouvem sertanejo no último volumeUtilidade pública
Músicas para incomodar vizinhos que ouvem sertanejo no último volume

Nuclear Blast: Iron Maiden, Slayer, Rob Zombie, Nightwish e mais na Comic ConNuclear Blast
Iron Maiden, Slayer, Rob Zombie, Nightwish e mais na Comic Con

Sai, Capeta: 10 músicas que pessoas cristãs (e sensíveis) devem evitarSai, Capeta
10 músicas que pessoas cristãs (e sensíveis) devem evitar

Thrash metal: 10 grandes álbuns do estilo lançados em 1988Thrash metal
10 grandes álbuns do estilo lançados em 1988

Slayer: Daniel Erlandsson, baterista do Arch Enemy, grava drum cover de War EnsembleSlayer
Daniel Erlandsson, baterista do Arch Enemy, grava drum cover de "War Ensemble"

Carcass: me falaram para tocar Slayer com swing e saiu issoCarcass
"me falaram para tocar "Slayer com swing" e saiu isso

Andreas Kisser: surpreendendo ao listar, de forma eclética, seus heróis na músicaAndreas Kisser
Surpreendendo ao listar, de forma eclética, seus heróis na música

Metallica, Slayer e Pantera: mãe registra seus três filhos com esses nomesMetallica, Slayer e Pantera
Mãe registra seus três filhos com esses nomes

Slayer: por que South Of Heaven é mais lento que Reign In Blood, segundo Kerry KingSlayer
Por que "South Of Heaven" é mais lento que "Reign In Blood", segundo Kerry King

Exodus: Gary Holt abre o jogo e diz por que decidiu abandonar o álcoolExodus
Gary Holt abre o jogo e diz por que decidiu abandonar o álcool

Thrash metal: os 50 maiores álbuns do estilo, segundo a Metal HammerThrash metal
Os 50 maiores álbuns do estilo, segundo a Metal Hammer

Thrash metal: dez grandes álbuns lançados em 1985, um dos anos mais marcantes do estiloThrash metal
Dez grandes álbuns lançados em 1985, um dos anos mais marcantes do estilo


Jeff Hanneman: Metal Hammer homenageia com belo pôsterJeff Hanneman
Metal Hammer homenageia com belo pôster

Tom Araya: Nunca proíba seus filhos de nadaTom Araya
"Nunca proíba seus filhos de nada"

Metal Heavy: 10 clássicos para entender o Thrash MetalMetal Heavy
10 clássicos para entender o Thrash Metal


Guns N' Roses: Mauricio de Sousa, o criador da Turma da Mônica, odeia a banda?Guns N' Roses
Mauricio de Sousa, o criador da Turma da Mônica, odeia a banda?

Túmulos: alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUATúmulos
Alguns dos jazigos mais famosos do Metal nos EUA