[an error occurred while processing this directive]

Matérias Mais Lidas

João Gordo: ele comenta treta com Digão do Raimundos, que o chamou de pela sacoJoão Gordo
Ele comenta treta com Digão do Raimundos, que o chamou de "pela saco"

Rodox: quando baterista estragou show da banda após João Gordo vê-lo rezandoRodox
Quando baterista estragou show da banda após João Gordo vê-lo rezando

Cavalera Conspiracy: Max confessa que mentiu a Iggor sobre primeiro álbum da parceriaCavalera Conspiracy
Max confessa que mentiu a Iggor sobre primeiro álbum da parceria

Resenha - Vera Cruz - Edu Falaschi
Resenha - Vera Cruz - Edu Falaschi

Raimundos: Digão revela que recebeu proposta astronômica para reunião com RodolfoRaimundos
Digão revela que recebeu proposta "astronômica" para reunião com Rodolfo

Edu Falaschi: em exclusiva, ele conta tudo sobre Vera Cruz, seu 1º álbum soloEdu Falaschi
Em exclusiva, ele conta tudo sobre "Vera Cruz", seu 1º álbum solo

Iron Maiden: a reação de Steve Harris ao ouvir clássico de Bruce DickinsonIron Maiden
A reação de Steve Harris ao ouvir clássico de Bruce Dickinson

Max Cavalera: como ele desistiu de detonar o Sepultura em Eye for an Eye, do SoulflyMax Cavalera
Como ele desistiu de detonar o Sepultura em "Eye for an Eye", do Soulfly

Sepultura: Max Cavalera admite que copiou Black Sabbath em Roots Bloody RootsSepultura
Max Cavalera admite que copiou Black Sabbath em "Roots Bloody Roots"

Sebastian Bach: quando o pai do Bon Jovi ameaçou matá-loSebastian Bach
Quando o pai do Bon Jovi ameaçou matá-lo

Kiss: Vinnie Vincent está vendendo suas letras manuscritas por 50 mil dólaresKiss
Vinnie Vincent está vendendo suas letras manuscritas por 50 mil dólares

Iron Maiden: banda não será incluída no Rock And Roll Hall Of Fame em 2021Iron Maiden
Banda não será incluída no Rock And Roll Hall Of Fame em 2021

The Cure: Suas 10 maiores músicas, agora pela Far Out MagazineThe Cure
Suas 10 maiores músicas, agora pela Far Out Magazine

Nirvana: por que, até hoje, Dave Grohl não canta músicas da bandaNirvana
Por que, até hoje, Dave Grohl não canta músicas da banda

Pantera: as (poucas) músicas da era Phil Anselmo que a banda nunca tocou ao vivoPantera
As (poucas) músicas da era Phil Anselmo que a banda nunca tocou ao vivo


Edu Falaschi - Vera Cruz
Pentral
MOPD

W.A.S.P. e Accept: atravessando décadas inquietos e selvagens

Resenha - W.A.S.P., Accept e T. K. Ghosts (Internacional Eventos, Guarulhos, 08/12/2019)

Por Alexandre Veronesi
Em 11/12/19

Após um longo e tortuoso período de quase 10 anos, o público brasileiro enfim pôde rever o W.A.S.P., um dos maiores expoentes do Hard 'n' Heavy oitentista norte-americano, no "Dark Dimensions Metal Fest", realizado em Guarulhos/SP, no Internacional Eventos. Blackie Lawless e sua trupe (que desde 2017 conta com o brasileiro Aquiles Priester no comando das baquetas) vieram ao país muitíssimo bem acompanhados pelos alemães do ACCEPT, figurinhas já carimbadas por aqui, mas que sempre nos brindam com apresentações inesquecíveis. A abertura do festival ficou a cargo da revelação tupiniquim TREND KILL GHOSTS.

[an error occurred while processing this directive]

O Internacional Eventos foi, à princípio, uma escolha um tanto quanto inusitada, por estar localizado fora da capital paulista (apesar da proximidade) e ser totalmente desconhecido pelos fãs de Rock / Heavy Metal. Apesar disso, e de alguns problemas em relação à acústica e ventilação, o espaço é bastante amplo e trouxe um nível satisfatório de conforto ao público, que compareceu em grande número.

Às 17h em ponto, o festival teve início com o TREND KILL GHOSTS. Oriundo da própria Guarulhos/SP, o grupo é formado por Diogo Nunes (vocal), Rogério Oliveira (guitarra), Danilo Dill (baixo) e Leandro Tristane (bateria). Atualmente, o quarteto vem trabalhando pesado na divulgação de seu 'debut album', o ótimo "Kill Your Ghosts", que foi lançado este ano e vem obtendo grande repercussão entre fãs e crítica especializada. Mesmo prejudicados pela má qualidade do som que emanava na pista, os caras entregaram um show de boa qualidade. O repertório foi majoritariamente calcado no disco de estréia, com destaques para "Fight", "Deceivers", "Believe" e "Ghost's Revolution" (esta que teve a participação de Ralf Scheepers, vocalista do Primal Fear, em sua versão de estúdio), além de um cover muito bem executado de "Painkiller", do Judas Priest. Em 40 minutos, o TREND KILL GHOSTS passou o seu recado com competência e foi um excelente aquecimento para o que viria a seguir.

[an error occurred while processing this directive]

A primeira atração internacional da noite foi o ACCEPT. A banda passou por mudanças significativas em seu line-up nos últimos tempos, com a saída do baixista e fundador Peter Baltes, além da recente inclusão de um terceiro guitarrista, o que gerou uma certa curiosidade/apreensão sobre como isso impactaria em sua dinâmica, principalmente no quesito 'ao vivo'. Felizmente, Mark Tornillo (vocal), Wolf Hoffmann (guitarra), Uwe Lulis (guitarra), Christopher Williams (bateria), e os novatos Philip Shouse (guitarra) e Martin Motnik (baixo) provaram que não existe decepção quando se fala em ACCEPT: o agora sexteto realizou um show rigorosamente brutal, como é de praxe. Shouse ficou responsável pela presença de palco e os backing vocals outrora desempenhados por Baltes, e os fez com maestria; assim como Motnik, que embora não possua a mesma 'pegada' de seu antecessor, rege as quatro cordas com total segurança.

[an error occurred while processing this directive]

Como é recorrente desde o retorno do grupo com o espetacular "Blood Of The Nations" (2010), o setlist foi uma mistura homogênea entre clássicos oitentistas ("Restless And Wild", "London Leatherboys", "Princess Of The Dawn", "Midnight Mover", etc.) e sons mais atuais ("Die By The Sword", "Stalingrad", "Final Journey", "Pandemic", entre outras).

A performance dos músicos foi irretocável, tendo como destaques Hoffmann, com sua quase mágica guitarra Flying V; e os potentes vocais agudos e rasgados de Tornillo.

Após a arrasa-quarteirão "Fast As A Shark", veio o 'encore' (bis) com "Metal Heart", "Teutonic Terror" e "Balls To The Wall". Sejamos francos, não existe no planeta um encerramento de show mais poderoso do que este.

A ansiedade para a apresentação do W.A.S.P. era grande. Finalmente, às 20h45, soa nos PA's uma introdução com trechos mixados de músicas diversas da banda. Logo após, Blackie Lawless (vocal e guitarra), Doug Blair (guitarra), Mike Duda (baixo) e Aquiles Priester (bateria) sobem ao palco ao som de "On Your Knees", do álbum de estréia (1984), já emendando "Inside The Electric Circus", presente no registro de mesmo nome, lançado em 1986. O que se sucedeu durante os 80 minutos seguintes foi algo que beirou o irreal: vimos (e ouvimos) um senhor de 63 anos cantando com inacreditável perfeição e alcançando todas as notas altíssimas do passado, sem playback ou outros recursos trapaceiros (embora use dobras vocais e efeitos de eco em algumas passagens, o que nem de longe é um demérito), além de um trio de instrumentistas 100% afiado e com grande presença de palco.

[an error occurred while processing this directive]

Não tenho a intenção de puxar sardinha para o Brasil, mas sou obrigado a exaltar a performance do monstruoso Aquiles Priester (apresentado por Lawless como "The Brazilian Beast"), que faz as linhas de bateria relativamente simples do W.A.S.P. soarem magníficas, isso sem contar o 'punch' inigualável que o cara possui. É simplesmente o melhor baterista brasileiro da atualidade, em minha singela opinião.

O repertório da apresentação, apesar de um tanto curto, foi altamente meticuloso, contendo porradas do calibre de "L.O.V.E. Machine", "Hellion", "I Don't Need No Doctor", "Arena Of Pleasure" e "Chainsaw Charlie (Murders In The New Morgue)", além das belíssimas e épicas "The Idol" e "The Great Misconceptions Of Me". O final apoteótico da atuação não poderia ser outro: "Wild Child" e "I Wanna Be Somebody", os dois maiores hinos do grupo, bradados em uníssono por todos os presentes.

[an error occurred while processing this directive]

W.A.S.P. e ACCEPT protagonizaram alguns dos melhores shows de um 2019 que teve, entre muitos outros, nomes como Iron Maiden, Slayer, Scorpions, Whitesnake, Helloween, Saxon e Avantasia. Meus cumprimentos à produtora Dark Dimensions pela realização exemplar e organizada deste evento que, sem sombra de dúvidas, já faz parte da história do Heavy Metal no Brasil.

SETLISTS

W.A.S.P.

01. On Your Knees
02. Inside The Electric Circus
03. The Real Me (The Who cover)
04. L.O.V.E. Machine
05. Crazy
06. The Idol
07. Hellion
08. I Don't Need No Doctor
09. Arena Of Pleasure
10. Chainsaw Charlie (Murders In The New Morgue)
11. The Great Misconceptions Of Me
12. Wild Child
13. I Wanna Be Somebody

ACCEPT

01. Die By The Sword
02. Stalingrad
03. Restless And Wild
04. London Leatherboys
05. No Regrets
06. Analog Man
07. Final Journey
08. Shadow Soldiers
09. Princess Of The Dawn
10. Midnight Mover
11. Up To The Limit
12. Pandemic
13. Fast As A Shark
14. Metal Heart
15. Teutonic Terror
16. Balls To The Wall

[an error occurred while processing this directive]

TREND KILL GHOSTS

01. Like Animals
02. Fight
03. Deceivers
04. Painkiller (Judas Priest cover)
05. Ghost's Revolution
06. Believe
07. Frozen

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

💬 Ler e postar comentários


Arte Musical
Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

[an error occurred while processing this directive]

Muito além da Tina Turner: os filmes Mad Max e o Heavy MetalMuito além da Tina Turner
Os filmes Mad Max e o Heavy Metal

Hall Of Shame: as melhores músicas ruins da história do MetalHall Of Shame
As melhores músicas ruins da história do Metal

Blackie Lawless: por que toda banda de rock após 1983 tem dívida com o Quiet RiotBlackie Lawless
Por que toda banda de rock após 1983 tem dívida com o Quiet Riot


Slipknot: Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy MetalSlipknot
Corey Taylor explica porque o mundo pop não suporta o Heavy Metal

Anthrax: Scott Ian apresenta a solução para o Phil AnselmoAnthrax
Scott Ian apresenta a solução para o Phil Anselmo


Sobre Alexandre Veronesi

Colaborador sem descrição cadastrada.

Mais matérias de Alexandre Veronesi no Whiplash.Net.

 
 
 
 

[an error occurred while processing this directive]