Iron Maiden: Banda vence mais uma vez no Morumbi e continua na liderança do metal

Resenha - Iron Maiden (Morumbi, São Paulo, 06/10/2019)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Daniel Abreu
Enviar correções  |  Ver Acessos

O estádio do Morumbi em São Paulo já foi palco de diversos clássicos e jogos históricos do futebol nacional. Os corintianos mais velhos até hoje não se esquecem qual foi a sensação de sair da fila após o gol de Basílio no campeonato paulista de 1977 contra a Ponte Preta de Campinas. Já os palmeirenses adoram lembrar da defesa do goleiro Marcos contra o ídolo corintiano Marcelinho Carioca na Libertadores de 2000. Isso lhe rendeu o apelido de São Marcos. Os santistas por sua vez sonham até hoje com as pedaladas mágicas de Robinho contra o lateral Rogério do Corinthians na conquista do campeonato brasileiro de 2002. Os donos da casa, os são paulinos, adoram lembrar da máquina tricolor comandada pelo mestre Telê Santana e a conquista do primeiro título da Libertadores de 1992 contra os argentinos do Newell's Old Boys.

Iron Maiden: vídeo de cão batendo cabeça com "Fear of the Dark" bomba nas redesCuriosidades: 40 fatos inacreditáveis do rock

Porém, no último domingo (6), o estádio Cícero Pompeu de Toledo foi a casa do Iron Maiden em sua visita a cidade de São Paulo, parte da turnê Legacy of the Beast, e de seus fãs, ou melhor dizendo, torcedores! Sim, pode se dizer que a trupe liderada pelo baixista Steve Harris atualmente não possui no Brasil apenas fãs, mas sim torcedores fanáticos. No mesmo nível de corintianos e palmeirenses. O amor e a devoção que essas pessoas possuem por essa banda inglesa é algo muito especial e único no mundo do metal e da música. Não consigo ver esse tipo de "religiosidade" por bandas como U2, e isso não é uma crítica que eu faço aos irlandeses e seus seguidores, apenas uma constatação. Obviamente que esse fanatismo muitas vezes pode cegar, mas isso é outro papo.

Falando sobre o show, o Raven Age, banda do filho do baixista do Maiden, aqueceu os cerca de 60 mil torcedores em uma tarde de clima mais frio na cidade de São Paulo. Será que eles acharam que estavam em Londres? O grupo, que estava divulgando seu último lançamento Conspiracy (2019), faz um metal alternativo, mais melódico e com groove, agradando boa parte dos presentes. Porém, e isso não é um demérito ao quinteto, nunca tocaria em um Morumbi lotado se não fosse por conta do fator "pai". De qualquer forma, banda extremamente afiada e competente.

Já o Iron Maiden vem desde o ano passado, mais exatamente 26 de maio, divulgando a "Legacy of the Beast World Tour". Ela é baseada no fraco jogo de mesmo nome que foi lançado em 2017. O setlist, que não muda durante toda a turnê, é formado por algumas músicas do jogo, portanto, a maioria clássicos do grupo desde 1980. Durante a preparação para a turnê, em entrevistas o vocalista Bruce Dickinson revelou que algumas surpresas estavam sendo preparadas e que provavelmente algumas músicas seriam apresentadas pela última vez. Em terras tupiniquins, os shows ocorreram no Rock In Rio (4), São Paulo (6) e em Porto Alegre (9).

Como é de costume, pontualmente às 20 horas, o público começou a escutar os primeiros acordes de "Doctor, Doctor" da banda UFO, grande inspiração para o som do Maiden e de quem Harris "chupou" vários elementos que até hoje são marca registrada da banda. Logo em seguida o vídeo de abertura do clipe "Aces High" tomou lugar e com as palavras inspiradores de Winston Churchill a banda colocou o pé na porta com a faixa que abre o disco Powerslave de 1984. O teatro de fantasias e sonhos que o Iron Maiden promove se iniciava naquele momento.

O legal dessa turnê, e os shows aqui no Brasil mostraram isso, é que eles conseguiram um ótimo mix de clássicos que não podem faltar ("The Trooper", "Fear of the Dark", "The Number of the Beast", "Hallowed Be Thy Name" e "Run to the Hills") com algumas músicas que geralmente não constam no setlist. Talvez o caso mais emblemático disso seja "Flight of Icarus", que não entrava nos shows da banda desde os anos oitenta! Isso é algo que o Maiden faz com maestria. Desde 2005 eles têm como costume intercalar disco novo com turnês comemorativas, dando espaço para "deep cuts", como os americanos dizem. Enfim, raridades.

Outro ponto muito legal é a parte visual. O show é repleto de efeitos visuais, explosões, avião gigante, chamas de fogos, um lança chamas, além das diversas trocas de roupas de Bruce, aumentando a dramaticidade do espetáculo. Realmente a Donzela de Ferro sabe como preparar um show épico.

Obviamente eu não posso me esquecer de falar da performance musical de Bruce, Steve, Dave, Janick, Adrian e Nicko. Não adianta nada duas horas de explosões e lancha chamas se na parte que interessa o sexteto londrino não consegue dar conta, correto?

Com mais de 40 anos de estrada, o Iron Maiden ainda consegue parecer tão bom quanto no começo de carreira. É claro, eles deram uma desacelerada com o passar das décadas, ninguém mais ali tem 20 anos, mas mesmo assim os velhinhos continuam dando conta do recado. Não tem como se decepcionar. As três primeiras músicas são um exemplo disso. "Aces High", "Where Eagles Dare" e "2 Minutes to Midnight" foram compostas na primeira metade dos anos oitenta e exigem da voz de Bruce. E, mesmo após passar por um câncer de língua em 2015, ele continua tirando de letra. Já mais para o final do show, com a voz um pouco mais cansada, ele, que sabe que tem o público na palma da mão, aproveita para usar os torcedores do Maiden para cantarem o refrão de "Run to the Hills" e encerrar mais uma visita do grupo na cidade de São Paulo.

Após quinze músicas e quase rouco de cantar os versos que marcaram, e continuam marcando a minha vida, eu tenho uma certeza: show do Iron Maiden é igual a uma final de campeonato. A diferença é que no final você sabe que o seu time vai sair campeão, não importa o resultado. E isso é bom demais!

Antes de finalizar essa resenha, eu quero fazer uma crítica aos organizadores do evento. Eu poderia escolher diversos pontos que são um absurdo em shows grandes, como o preço abusivo que é praticado. Eu tenho sempre a impressão de estar adentrando em uma outra dimensão, no qual uma cerveja é cobrada em libra, porém eu ganho em real - e estamos falando de cerveja Itaipava, gente!

Mas eu quero apontar para um problema que eu já presenciei diversas vezes no estádio do Morumbi: a saída. Eu acompanhei o show na pista premium e na hora que a apresentação terminou havia apenas um pequeno portão para escoar o público que estava nesse setor para os arredores do estádio. Sabe boi a caminho do abatedouro? Então, igualzinho. Algum idiota pode dizer, "Quer conforto assiste em casa", porém a questão é o volume de pessoas que ficam aglomeradas. Muitas aproveitaram a chance para tomar uma ou outra assistindo a sua banda favorita. A chance de um acidente ocorrer é muito grande. Acho que os fãs poderiam ficar mais atentos e cobrarem os organizadores, que ganham muito dinheiro às custas de nós fãs cegos, e das autoridades que deveriam fiscalizar esse tipo de evento para evitar uma tragédia.

Setlist:
Aces High
Where Eagles Dare
2 Minutes to Midnight
The Clansman
The Trooper
Revelations
For the Greater Good of God
The Wicker Man
Sign of the Cross
Flight of Icarus
Fear of the Dark
The Number of the Beast
Iron Maiden
Encore:
The Evil That Men Do
Hallowed Be Thy Name
Run to the Hills




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato. Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Denuncie os que quebram estas regras e ajude a manter este espaço limpo.


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Iron Maiden"


Iron Maiden: vídeo de cão batendo cabeça com Fear of the Dark bomba nas redesIron Maiden
Vídeo de cão batendo cabeça com "Fear of the Dark" bomba nas redes

Iron Maiden: atlas ilustrado da banda ganha edição nacional

Iron Maiden: quarta - e última - fase da série de CDs remasterizados sai em novembroIron Maiden
Quarta - e última - fase da série de CDs remasterizados sai em novembro

Rodz Online: Especial Rock in Rio 2019, Iron Maiden com Clara Lima (vídeo)unMaiden: palheta de Dave Murray da Fear of the Dark tour será sorteada em campanha

Iron Maiden: João Barone, do Paralamas, mandou livros para Bruce e SteveIron Maiden
João Barone, do Paralamas, mandou livros para Bruce e Steve

Em 14/10/1985: Iron Maiden lançava o ao-vivo Live After Death

Regis Tadeu: tudo que você não sabe sobre Bruce DickinsonRegis Tadeu
Tudo que você não sabe sobre Bruce Dickinson

Iron Maiden: o dia em que Porto Alegre parouIron Maiden
O dia em que Porto Alegre parou

Iron Maiden: show antológico no Rock in Rio faz banda alcançar proporção épica no BrasilIron Maiden
Show antológico no Rock in Rio faz banda alcançar proporção épica no Brasil

Iron Maiden: banda é homenageada pela Câmara dos Deputados da ArgentinaIron Maiden
Banda é homenageada pela Câmara dos Deputados da Argentina

Iron Maiden: Legacy of the Beast é um nome perfeito para uma turnê desta magnitudeIron Maiden
Legacy of the Beast é um nome perfeito para uma turnê desta magnitude

Iron Maiden: show da banda no Rock in Rio vai parar no XVideosIron Maiden
Show da banda no Rock in Rio vai parar no XVideos

Bruce Dickinson: ele evita falar que público do Brasil é melhor para não causar ciúmesBruce Dickinson
Ele evita falar que público do Brasil é melhor para não causar ciúmes

Iron Maiden: Nicko McBrain tocou com boné da Polícia Militar de SPIron Maiden
Nicko McBrain tocou com boné da Polícia Militar de SP

Iron Maiden: Bruce Dickinson é tema de estudo na UERJIron Maiden
Bruce Dickinson é tema de estudo na UERJ

IGN Music: os álbuns de Metal mais influentes segundo o siteIGN Music
Os álbuns de Metal mais influentes segundo o site

Oh, não!: clássicos que foram estragados pelo tempoOh, não!
Clássicos que foram "estragados" pelo tempo


Curiosidades: 40 fatos inacreditáveis do rockCuriosidades
40 fatos inacreditáveis do rock

Slash: por que ele usa óculos escuros o tempo todo?Slash
Por que ele usa óculos escuros o tempo todo?

Fotos de Infância: Lemmy Kilmister, do MotorheadFotos de Infância
Lemmy Kilmister, do Motorhead

Cê tá de brincadeira, né?: quando grandes nomes vacilam"Cê tá de brincadeira, né?"
Quando grandes nomes vacilam

A História Impopular dos Rolling StonesA História Impopular dos Rolling Stones

Cazuza: ministro da Educação atribui frase falsa a ele e mãe pede respeitoCazuza
Ministro da Educação atribui frase falsa a ele e mãe pede respeito

Lord Sutch: Antecipando Alice Cooper em quase dez anosLord Sutch
Antecipando Alice Cooper em quase dez anos


Sobre Daniel Abreu

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336|adClio336