Flogging Molly: St. Patrick's Day fora de época em São Paulo

Resenha - Flogging Molly (São Paulo, Carioca Club, 06/10/2018)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Jorge A. Silva Junior
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Famoso evento irlandês conhecido e comemorado ao redor do mundo no dia 17 de março, o Dia de São Patrício - ou St. Patrick's Day - chegou a São Paulo fora de época. A festa que celebra o padroeiro do país europeu se fez presente na capital paulista no último sábado (6) em formato de show a cargo do FLOGGING MOLLY.

Steve Vai: as 10 melhores faixas de guitarra na opinião deleFilhos de Rockstars: qualquer coincidência é semelhança

Fotos: Fernando Yokota

Formado em 1997 na cidade de Los Angeles pelo vocalista Dave King (ex-FASTWAY), que é natural de Dublin, o grupo considerado ícone do chamado Celtic Punk - mistura de música tradicional irlandesa com punk rock - desembarcou no Brasil para três shows de divulgação de seu mais recente registro de estúdio, 'Life Is Good', lançado no ano passado.

O clima antes, durante e até depois da apresentação, que teve pouco mais de uma hora e meia, foi de pura celebração musical em meio a muita cerveja entornada, tanto do público quanto da banda, que não esconde sua verdadeira devoção à famosa marca Guinness.

As 20h o frontman Dave King subiu ao palco acompanhado de sua excelente banda, composta por Bridget Regan (violino, flauta celta e backing vocal), Dennis Casey (guitarra e vocal), Nathen Maxwell (baixo e vocal), Matt Hensley (acordeão, teclado e vocal), Bob Schmidt (mandolin, banjo, guitarra e vocal) e Mike Alonso (bateria e percussão), para iniciar uma festa típica irlandesa com boa dose de agressividade punk notada logo de cara com "(No More) Paddy's Lament" e "The Hand of John L. Sullivan", música do novo álbum que foi composta em homenagem ao primeiro campeão mundial peso-pesado da era moderna do boxe - e também último da época em que se lutava sem luvas.

Aproveitando a euforia inicial do público que encheu o Carioca Club e sem mais delongas foi tocada a canção de maior sucesso do grupo, "Drunken Lullabies", do álbum homônimo de 2002, que resume perfeitamente a sonoridade peculiar do FLOGGING MOLLY. Enquanto isto, na pista, era frequente a formação de rodas onde a pancadaria comia solta, deixando a banda ainda mais à vontade no palco para interagir com os fãs. Em um destes momentos, King e Nathen distribuíram latas de Guinness para o pessoal que se amontoava em frente à grande de proteção do palco.

O repertório, no entanto, não foi composto apenas por músicas agitadas e festeiras. Houve também alguns momentos mais cadenciados - e não menos intensos -, como durante as canções "Float", "If I Ever Leave This World Alive" e "Life Is Good", que batiza o mais recente álbum e traz uma forte mensagem de otimismo e esperança em meio a uma bela melodia executada com maestria pelos integrantes. Segundo Dave King, a letra foi criada após conversa com sua mãe no leito de morte e tem como objetivo enaltecer a vida.

Os outros destaques da noite ficaram por conta de faixas sempre indispensáveis em qualquer show do FLOGGING MOLLY, como"Devil's Dance Floor", "What's Left of the Flag", "Seven Deadly Sins" e "Salty Dog", esta última responsável por fechar a noite em alto nível. Na sequência, os auto-falantes da casa iniciaram "Always Look on the Bright Side Of Life", música contida no sensacional filme "A Vida de Brian" (1979), do lendário grupo de humor britânico Monty Phyton, fazendo com quê a banda, ainda no palco, cantasse e brindasse (mais cerveja!) com o público depois de uma apresentação impecável.

REBELS & SINNERS

Seguindo exatamente a mesma fórmula musical do FLOGGING MOLLY, o grupo paulista REBELS & SINNERS subiu ao palco às 19h para iniciar uma rápida apresentação de aproximadamente meia-hora. O repertório contou com composições próprias e covers, tendo como destaque uma versão para "Zombie", do grupo irlandês CRANBERRIES.

FLOGGING MOLLY - SET LIST
São Paulo (Carioca Club, 06/10/18)

1. (No More) Paddy's Lament
2. The Hand of John L. Sullivan
3. Drunken Lullabies
4. The Likes of You Again
5. Swagger
6. The Days We've Yet to Meet
7. Requiem for a Dying Song
8. Life in a Tenement Square
9. Float
10. Black Friday Rule
11. Life Is Good
12. Rebels of the Sacred Heart
13. Devil's Dance Floor
14. If I Ever Leave This World Alive
15. What's Left of the Flag
16. Seven Deadly Sins

Bis:

17. Crushed (Hostile Nations)
18. Salty Dog




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Flogging Molly"


Steve Vai: as 10 melhores faixas de guitarra na opinião deleSteve Vai
As 10 melhores faixas de guitarra na opinião dele

Filhos de Rockstars: qualquer coincidência é semelhançaFilhos de Rockstars
Qualquer coincidência é semelhança

Andre Matos: Não estava preparado para cantar no Maiden!Andre Matos
"Não estava preparado para cantar no Maiden!"

Pink Floyd - Perguntas e RespostasMetallica: as extravagâncias da banda para tocar no Rock in RioMetallica: por que Hammett quis sair do Exodus e juntar-se à bandaRockstars: veja algumas fotos antes da fama - parte 2

Sobre Jorge A. Silva Junior

Jorge Junior é paulistano, jornalista diplomado e colaborador do Whiplash.Net desde 2009. Tem mais de 400 matérias e notas publicadas, que somam aproximadamente um milhão e meio de acessos. Também realizou a cobertura de shows de grande porte, entre eles Ringo Starr, Eric Clapton, Deep Purple, System Of A Down, Red Hot Chili Peppers e Ozzy Osbourne. O autor pode ser seguido no Twitter: @jorgejunior85.

Mais matérias de Jorge A. Silva Junior no Whiplash.Net.

adGoo336|adClio336