RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemO grande amor de Renato Russo que durou pouco mas marcou sua vida para sempre

imagemThiago Bianchi explica sucessão de problemas durante show de Paul Di'Anno

imagemMustaine tentou fazer hit radiofônico e acabou escrevendo a "música mais idiota" do Megadeth

imagemO clássico da banda Evanescence que a vocalista Amy Lee odiava

imagemOs 4 fatores determinantes que levaram Renato Russo a dependência química

imagemA opinião de Paul McCartney sobre a música dos Sex Pistols

imagemA música de Raul Seixas que salvou a carreira de Chitãozinho e Xororó

imagemOs 10 maiores vocalistas de heavy metal de todos os tempos, em lista do Ruthless Metal

imagemA opinião de Slash sobre Dave Mustaine e "Rust In Peace", clássico do Megadeth

imagemIron Maiden, RATM e Soundgarden são indicados ao Rock And Roll Hall Of Fame

imagemOmelete diz que heavy metal pertence agora à nova geração e não ao tiozão headbanger

imagemO dia que João Gordo xingou Ayrton Senna por piloto se recusar a dar entrevista a ele

imagemPara John Lennon, os Beatles poderiam ter acontecido sem George e Ringo

imagemComo Tommy Lee e o Mötley Crüe ajudaram Axl Rose a escrever "November Rain"

imagemMike Portnoy escolhe os álbuns preferidos de sua adolescência


Stamp

Dire Straits Legacy: Um show tecnicamente impecável

Resenha - Dire Straits Legacy (Espaço das Americas, São Paulo, 04/05/2017)

Por Diego Camara
Postado em 10 de maio de 2017

O Dire Straits Legacy é mais uma banda tributo do que realmente uma união de ex-membros. Isso é bem claro ao se olhar quem veio ao Brasil – onde somente o pianista Alan Clarke é realmente considerado integrante da banda. Por outro lado, alguns músicos que tocaram com a banda ao vivo e outros nomes bastante conhecidos da música se uniram ao projeto, trazendo renome ao grupo.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O show começou bem tarde, após as 22h30m. Extremamente tarde para um dia de semana – e sem nenhuma necessidade. O evento poderia ter se iniciado sem problemas com uma hora de antecedência, o que pouparia o público. Os fãs, por sinal, encheram a casa, ocupando especialmente as cadeiras que foram dispostas na área dos fundos da pista.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Desde o início estava bem claro que o show seria emocionante e digno da formação original. A qualidade do som estava perfeita na execução de músicas como "Private Investigations" e "Expresso Love". Na primeira, temos que destacar o ótimo som do sopro, além da voz de Marco Caviglia, que se encaixou como uma luva na música, bastante cadenciada. Na segunda, a música extremamente animada e dançante puxou o público, fazendo com que brotassem focos de pista de dança na casa.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O show começou morno e foi ficando mais animado com o tempo. Em "Tunnel of Love", o público cantou junto e foi embalado pela bateria de Andy Treacey, que estreou pela banda na turnê sul-americana. O público cantou o refrão da música, com vontade.

A sequência de músicas no final, porém, foi realmente a mais esperada. Começando por "Sultan’s of Swing", que levantou o público e fez todos os fãs, dos mais velhos aos mais jovens, dançarem loucamente. "Your Latest Trick", outro clássico da banda, soou maravilhosa e foi alvo de aplausos efusivos de todo o público. A emocionante "On Every Street" veio em seguida, muito bem cadenciada. Fechou o show "Telegraph Road", com uma belíssima pegada de guitarra de Phil Palmer, que arrasou no solo no final juntamente com Mickey Feat e Caviglia.

Nisto já era passado muito além da meia noite, e muitos fãs já se dirigiam para a saída do show, e continuaram saindo durante todo o bis, perdendo aí mais quatro músicas que seriam apresentadas pela banda no seu retorno. O horário no final acabou por prejudicar muita gente, e deixar a parte mais importante do show com um quê de incompleta, deixando músicas como "Brothers in Arms" e "Money for Nothing" sendo tocadas apenas para uma parte privilegiada do público que pode sobreviver até depois das 1h da manhã na rua.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Fotos por Kennedy Silva
Galeria completa:
https://www.facebook.com/kennedysilvaphotos/

Dire Straits Legacy é:
Marco Caviglia – Vocal e Guitarra
Phil Palmer – Guitarra e Vocal
Mickey Feat – Baixo
Alan Clark – Teclas
Primiano Dibiase – Teclas
Mel Collins – Saxofone
Andy Treacey – Bateria
Danny Cummings – Percussão e Vocal

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Comente: Esteve no show? O que achou?

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps



Dire Straits: Sultans Of Swing, ainda irretocável décadas depois

Dire Straits: Falta de guitarra não é desculpa para não tocar guitarra

Pra ouvir e discutir: os melhores discos lançados em 1978


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.
Mais matérias de Diego Camara.