Dire Straits Legacy: Um show tecnicamente impecável

Resenha - Dire Straits Legacy (Espaço das Americas, São Paulo, 04/05/2017)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O Dire Straits Legacy é mais uma banda tributo do que realmente uma união de ex-membros. Isso é bem claro ao se olhar quem veio ao Brasil - onde somente o pianista Alan Clarke é realmente considerado integrante da banda. Por outro lado, alguns músicos que tocaram com a banda ao vivo e outros nomes bastante conhecidos da música se uniram ao projeto, trazendo renome ao grupo.

Solos de guitarra estendidos: os melhores feitos em shows ao vivoContra-baixo: as melhores introduções do Heavy Metal

O show começou bem tarde, após as 22h30m. Extremamente tarde para um dia de semana - e sem nenhuma necessidade. O evento poderia ter se iniciado sem problemas com uma hora de antecedência, o que pouparia o público. Os fãs, por sinal, encheram a casa, ocupando especialmente as cadeiras que foram dispostas na área dos fundos da pista.

Desde o início estava bem claro que o show seria emocionante e digno da formação original. A qualidade do som estava perfeita na execução de músicas como "Private Investigations" e "Expresso Love". Na primeira, temos que destacar o ótimo som do sopro, além da voz de Marco Caviglia, que se encaixou como uma luva na música, bastante cadenciada. Na segunda, a música extremamente animada e dançante puxou o público, fazendo com que brotassem focos de pista de dança na casa.

O show começou morno e foi ficando mais animado com o tempo. Em "Tunnel of Love", o público cantou junto e foi embalado pela bateria de Andy Treacey, que estreou pela banda na turnê sul-americana. O público cantou o refrão da música, com vontade.

A sequência de músicas no final, porém, foi realmente a mais esperada. Começando por "Sultan's of Swing", que levantou o público e fez todos os fãs, dos mais velhos aos mais jovens, dançarem loucamente. "Your Latest Trick", outro clássico da banda, soou maravilhosa e foi alvo de aplausos efusivos de todo o público. A emocionante "On Every Street" veio em seguida, muito bem cadenciada. Fechou o show "Telegraph Road", com uma belíssima pegada de guitarra de Phil Palmer, que arrasou no solo no final juntamente com Mickey Feat e Caviglia.

Nisto já era passado muito além da meia noite, e muitos fãs já se dirigiam para a saída do show, e continuaram saindo durante todo o bis, perdendo aí mais quatro músicas que seriam apresentadas pela banda no seu retorno. O horário no final acabou por prejudicar muita gente, e deixar a parte mais importante do show com um quê de incompleta, deixando músicas como "Brothers in Arms" e "Money for Nothing" sendo tocadas apenas para uma parte privilegiada do público que pode sobreviver até depois das 1h da manhã na rua.

Fotos por Kennedy Silva
Galeria completa:
https://www.facebook.com/kennedysilvaphotos/

Dire Straits Legacy é:
Marco Caviglia - Vocal e Guitarra
Phil Palmer - Guitarra e Vocal
Mickey Feat - Baixo
Alan Clark - Teclas
Primiano Dibiase - Teclas
Mel Collins - Saxofone
Andy Treacey - Bateria
Danny Cummings - Percussão e Vocal

Comente: Esteve no show? O que achou?




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Dire Straits"


Solos de guitarra estendidos: os melhores feitos em shows ao vivoSolos de guitarra estendidos
Os melhores feitos em shows ao vivo

Top 10: bandas importantes com menos de 10 discos lançadosTop 10
Bandas importantes com menos de 10 discos lançados

Dire Straits: O que significa o nome da banda?Dire Straits
O que significa o nome da banda?

Mega-hits Manjados: 10 clássicos que se tornaram clichêsMega-hits Manjados
10 clássicos que se tornaram clichês


Contra-baixo: as melhores introduções do Heavy MetalContra-baixo
As melhores introduções do Heavy Metal

Hetfield: egos, Mustaine, Load e homossexualidade no MetallicaHetfield
Egos, Mustaine, Load e homossexualidade no Metallica

Metallica: Ulrich comenta sobre seu maior erroMetallica
Ulrich comenta sobre seu maior erro

Árvore Genealógica do Metal e do RockMetallica: NME elege as 10 melhores músicas do grupoJoão Gordo: relembrando quando "cheirou buzina" com Chorão, do Charlie Brown Jr.Oficina G3: Juninho Afram critica líderes evangélicos por ódio

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

adGooILQ