Garbage: Técnica perfeita em primeiro show solo em SP

Resenha - Garbage (Tropical Butantã, São Paulo, 10/12/2016)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

O GARBAGE retornou ao Brasil. E desta vez em um show solo, com a casa e o palco só para eles. O público foi chegando tímido para o show, mas quando o Garbage subiu ao palco tudo se tornou uma grande festa. Confiram os principais detalhes do espetáculo abaixo, com as imagens do grande Fernando Yokota.

5000 acessosAfinal de contas, o que é um riff?5000 acessosFoo Fighters: "sósia" de Dave Grohl canta com a banda em BH

A banda de abertura escolhida para este show foi o FAR FROM ALASKA. Os caras subiram ao palco no horário marcado para esquentar os ânimos do público que congelava no ar condicionado do Tropical Butantã. Eles tocam um rock alternativo bastante pesado, fortíssimo nas guitarras e com muito ânimo, especialmente na performance sensacional da vocalista Emmily Barreto. Eles fizeram a lição de casa e fizeram uma belíssima apresentação para os fãs do Garbage. Uma pena que boa parte do público não estava ainda presente na casa.

Faltando 10 minutos para as 20 horas, o Garbage subiu ao palco para sua apresentação. A casa estava bem cheia, e um mar de pessoas em ambas as pistas aguardavam com ansiedade. Shirley Mason e companhia abriram o show com “Supervixen”, levantando o público. O som estava muito bom, todos os instrumentos muito bem audíveis, mas ainda muito baixo – tão baixo que era fácil ouvir as pessoas a sua volta. Shirley fez uma performance fantástica e parecia extremamente animada para o show, se movendo de um lado para o outro do palco e interagindo com o máximo de fãs.

O público também estava extremamente afiado com a banda. Cantaram praticamente sozinhos a abertura de “I Think I’m Paranoid”, superando em muito a voz de Mason, e se mantiveram juntos com a vocalista durante todo o espetáculo. A casa cheia e o som mais baixo da banda fizeram com que os fãs aparecessem ainda mais, sem dúvidas.

O ritmo do show continuou no mesmo nível, passando pelos maiores clássicos da banda até as músicas do novo disco “Strange Little Birds”, os fãs não perderam o pique em nenhum momento. Nem mesmo Shirley Mason, que continuou sua performance clássica e empolgada, deitando no chão e sumindo aos olhos do público de tão difícil que era acompanhar seus movimentos.

Shirley também aproveitou para agradecer ao público e também ao Far From Alaska, e revelou aos fãs que solicitou especialmente ao produtor para que os colocasse como banda de abertura. Revelaram admiração pelos jovens do Rio Grande do Norte, dizendo que os achava fantásticos desde o Planeta Terra em 2012, quando ambas as bandas tocaram para o público.

Das performances mais emocionantes, cito com prazer músicas como “The Trick is to Keep Breathing”, com uma pegada mais lenta e performance genial de Mason, “Even Though Our Love is Doomed”, que emocionou muito os presentes, e a sequência final com “Only Happy When It Rains” e “Push It”, duas músicas muito dançantes que deixaram o público em polvorosa.

No bis, a banda sacou de duas de suas músicas mais pegajosas, aquelas que sua batida gruda na mente e não querem mais sair. Em um excelente final de show que coroou um belíssimo trabalho da banda e da produtora Liberation. A grande tristeza do show, sem dúvidas, foi o fato de Butch Vig não poder ter participado da apresentação pelos problemas de saúde que lhe deixaram de fora dos palcos durante praticamente todo o ano. Figura icônica da história do rock, ele fez bastante falta. Esperamos que a banda retorne ao Brasil em breve para uma apresentação com sua formação completa.

Setlist:
1. Supervixen
2. I Think I'm Paranoid
3. Stupid Girl
4. Automatic Systematic Habit
5. Blood for Poppies
6. The Trick Is to Keep Breathing
7. Sex Is Not the Enemy
8. Blackout
9. Magnetized
10. Special
11. #1 Crush
12. Even Though Our Love Is Doomed
13. Why Do You Love Me
14. Night Drive Loneliness
15. Bleed Like Me
16. Shut Your Mouth
17. Vow
18. Only Happy When It Rains
19. Push It
Bis:
20. Queer
21. Empty
22. Cherry Lips (Go Baby Go!)

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Garbage"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Garbage"

RiffRiff
Afinal de contas, o que é um? E qual a sua receita?

Foo FightersFoo Fighters
"Sósia" de Dave Grohl canta com a banda em BH

Capas GêmeasCapas Gêmeas
William Blake, Gilgamesh e Dickinson unidos por uma obra

5000 acessosLemmy: "John Lennon era o cuzão dos Beatles!"5000 acessosJudas, Queen e Rammstein: entre os vídeos mais gays5000 acessosKeith Richards: "As drogas de hoje são uma droga"5000 acessosPaul Di Anno: "Bruce Dickinson é prata e eu sou ouro!"4780 acessosKiss: Gene Simmons comenta raízes inglesas da banda4940 acessosAC/DC: "seria uma banda muito melhor se Bon Scott não tivesse morrido", diz biógrafo

Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online