Matérias Mais Lidas

imagem"A ingenuidade do fã do Iron Maiden é um negócio que beira o patético", diz Regis Tadeu

imagemMorre Andy Fletcher, tecladista e membro fundador da banda Depeche Mode

imagemMorre Alan White, baterista do Yes e que gravou a clássica "Imagine", de John Lennon

imagemStjepan Juras retruca comentário de Regis Tadeu sobre reencontro de Di'Anno e Harris

imagemFãs protestam contra Claustrofobia após banda fazer versão de música do Pantera

imagemJohn Bonham, Keith Moon ou Charlie Watts, quem era o melhor segundo Ginger Baker?

imagemA dura crítica de Angus Young a Led Zeppelin, Jeff Beck e Rolling Stones em 1977

imagemComo era a problemática relação do Angra no "Aurora Consurgens", segundo produtor

imagemA apaixonada opinião de Elton John sobre "Nothing Else Matters", clássico do Metallica

imagemProdutor de "Temple of Shadows" conta problemas que teve com voz de Edu Falaschi

imagemZakk Wylde relembra ídolo: "tão relevante quanto Bach, Beethoven e Mozart"

imagemRegis Tadeu explica porque Ximbinha é um dos melhores guitarristas do Brasil

imagemKiko Loureiro explica efeito colateral da saída de Andre Matos que o fez crescer

imagemRitchie Blackmore comenta o instrumental que lançou como homenagem a Jon Lord

imagemMichael Anthony diz que "Van Halen III" foi "a coisa mais louca que a banda já fez"


Stamp

Testament e Cannibal: Público desafiou chuva e frio em BH

Resenha - Testament e Cannibal Corpse (Music Hall, Belo Horizonte, 22/11/2015)

Por Mário Pescada
Fonte: Mondo Metal
Em 30/11/15

Dois dos mais queridos e influentes nomes do metal passaram por Belo Horizonte dando sequência a sua turnê sul-americana: TESTAMENT e CANNIBAL CORPSE. Duas verdadeiras escolas do thrash e death metal, respectivamente, aportaram em um domingo frio e ameaçando muita chuva na capital mineira.

Do lado de fora do Music Hall, a grande fila que dobrava a esquina formada por camisas pretas indicava que teríamos casa cheia. A ansiedade em ver as duas bandas, apesar de não ser a primeira vez delas por aqui, era visível no público.

Chuck Billy fazendo uma boquinha antes do show (foto: EV7 Live)
Chuck Billy fazendo uma boquinha antes do show (foto: EV7 Live)

Iniciando os trabalhos, o CARAHTER, banda local de Hardcore/Metalcore, fez um bom show de 30 minutos. Apesar de uma certa indiferença no começo pelo público, terminaram bem recebidos e mandaram bem no seu set, com uma boa presença de palco do vocalista (e atleticano) Renato Rios. Show intenso e na raça, pois o baterista tocou com a mão quebrada!

Uma breve pausa para os roadies montarem o palco para a entrada do CANNIBAL CORPSE, talvez a banda de death metal mais influente da história. A banda segue divulgando A Skeletal Domain, 14º CD da carreira que chegou a alcançar a posição de número 32 dos 200 álbuns mais vendidos dos EUA!

Iluminação da casa desligada, luzes vermelhas no palco e começaram com Evisceration Plague, uma música arrastada para os padrões da banda, para depois arrebentarem tudo com um set list bem pesado onde tocaram, entre outras: Stripped, Rapped And Strangled, Kill Or Become, Sadistic Embodiment, I Cum Blood (anunciada como "uma faixa de amor"), Unleashing The Bloodthirsty, Make Them Suffer, Hammer Smashed Face (essa já se tornou obrigatória em qualquer show deles) e finalizando com uma das músicas mais extremas da banda, Devoured By Vermim. Uma hora e quinze minutos de destruição!

Mais uma vez, George "Corpsegrinder" Fisher e toda banda mandaram muito bem. Impressionante a sincronia e precisão da banda, coisa que só anos de estrada podem fazer. Também não tem como não falar de Alex Webster tocando baixo. O cara parece que tem 10 dedos em cada mão! Showzaço.

Breve pausa e às 22:25 começava o show do TESTAMENT, uma banda que muita gente considera injustiçada, pois mereceria maior destaque (um Big 5 ou Big 6, talvez). Não tem como deixar de elogiar Chuck Billy, um dos vocalistas mais carismáticos do meio, Gene Hoglan na bateria e Steve DiGiorgio, que também é um baixista fora do normal.

Tocaram músicas abrangendo várias fases da carreira, como Over The Wall, The Preacher, Native Blood, Into The Pit, Pratice What You Preach, The New Order, D.N.R. (Do Not Ressuscitate), More Than Meets The Eye, The Formation Of The Dammation e outras sete músicas. Ainda organizaram um wall of death, que felizmente terminou bem para os malucos que entraram ali. Um set list curto, porém muito bem escolhido.

Preparar…
Preparar…

Vai!
Vai!

Apesar dos pedidos do público que agitou o tempo, não houve bis. Bem que merecíamos mais umas duas músicas… mesmo assim ótimos shows!

Alex Webster detonando
Alex Webster detonando

O iluminado Chuck Billy
O iluminado Chuck Billy

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp


Testament: como terapias nativas ajudaram Chuck Billy a vencer o câncer


Axl Rose: "ele é um fracassado", diz mulher de Slash


Sobre Mário Pescada

Mineiro, leitor compulsivo, ouvinte de todas as vertentes do rock - do blues ao grindcore. Valoriza mais a honestidade e entrega em cima do palco do que a técnica. Guarda os flyers dos shows que vai como se fossem relíquias.

Mais matérias de Mário Pescada.