Monsters Tour: Impossível não se emocionar com estes monstros

Resenha - Monsters Tour (Estádio do Zequinha, Porto Alegre, 30/04/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Jo Reis
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Lendas absolutas do heavy metal, cada uma com pelo menos 40 anos de carreira, com legiões de fãs em qualquer lugar do mundo. Impossível não se emocionar com tamanha magnitude, personalidade e influência que esses literalmente "monstros" do rock apresentam e representam.

Rodz Online: Os dois dias de Rock N' Roll do Moscow Music Peace Festival (vídeo)Nikki Sixx: "transei com a mulher do Bruce Dickinson"

Começou com a banda local já carimbada em outros grandes shows internacionais de heavy metal que passaram por Porto Alegre, a ZERODOZE é competente e tecnicamente muito boa, fazendo um som pesado notavelmente influenciado por BLACK LABEL SOCIETY e por clássicos como o MEGADETH, inclusive executando no show a faixa "Symphony of Destruction" desta. O diferencial da banda, que possivelmente é o motivo da sequência de shows nesses grandes eventos, é que cantam suas letras em português, o que causa uma estranheza às vezes, em outras parece que realmente não soa bem, mas que sim, é um diferencial corajoso que deve ser considerado, pois as críticas são iminentes, já que o metaleiro é conservador por excelência.

Quando o MOTORHEAD subiu, a primeira impressão foi de que aquilo era uma miragem, não era possível que aquele cara, tantas vezes estampando revistas especializadas e pôsteres, que aquela lenda viva estava ali, de fato viva, tocando e cantando de verdade. Sim, é nítida a decadência física, todos sabem sobre as crises de saúde que enfrentou LEMMY KILMISTER nos últimos anos, mas o que importa é que ele estava ali, sendo o mesmo cara de sempre, transmitindo uma sinceridade absoluta, fazendo um show verdadeiro, mesmo que o seu show hoje seja mais lento e comedido, o que vale é isso, que o cara estava naquele palco mandando ver da maneira que pôde, e tecnicamente, não ficou aquém do esperado, mesmo quando, me parece, apresentou duas vezes a faixa "Rock it", que já haviam executado antes, quando então foi corrigido pelo guitarrista, que lhe disse que a próxima faixa seria na verdade Dr. Rock. Grandes clássicos emocionantes, um momento histórico único e diversão garantida pros jovens, e também velhos fãs, que batiam cabeça, pulavam e cantavam intensamente.

JUDAS PRIEST, se não são os pais do heavy metal, são os padrinhos. Das três grandes bandas, com certeza a melhor tecnicamente, onde o vocalista ROB HALFORD mantém imensa qualidade e precisão no seu canto, nos graves e agudos, no limpo e no sujo, depois de mais de 40 anos de carreira e tudo que isso acarreta, a sua qualidade clássica quase não se mostra diminuída. Pelo menos uma faixa de cada fase da banda foi mostrada no palco do estádio do Zequinha, exceto a fase dos discos em que HALFORD não canta na banda. "Victim of Changes" e "Hell Bent for Leather" dos anos 70; os hinos do heavy metal "Breaking the Law", "Living After the Midnight", "Metal Gods" e "Electric Eye"; também a incrível "Jawbreaker" do disco "Defenders of Faith", de 84; ainda a mais conhecida da fase um pouco mais pop da banda no fim dos anos 80, "Turbo Lover"; além de sucessos recentes como "Deal with the Devil" e um de seus maiores clássicos, lançado em 90, "Painkiller". Eu particularmente e ignorantemente achava que o último trabalho da banda era o disco Nostradamus, de 2008, mas não, a banda executa no palco algumas faixas do seu mais recente trabalho, o disco de 2014 chamado Redeemers of Souls, como a ótima Halls of Valhalla, que mostra o vigor incrível que a banda mantém depois de tanto tempo, ainda lançando discos de qualidade e trabalhando como uma verdadeira banda de respeito. Um show para perder a voz gritando junto com cada refrão, um som impecável, uma história verdadeira, um momento épico.

Fechando a noite, agora sim senão o pai do heavy metal, eis o tio com certeza, se considerarmos OZZY e TONY IOMMI irmãos na música. Não havia tanta sede em relação a este quanto com as outras bandas, já que o próprio viera ano passado com o BLACK SABBATH para Porto Alegre, além do show em 2011 no ginásio Gigantinho, no entanto, todos que estava ali aguardavam a lenda, o mito, dono de tantas histórias polêmicas e bizarras, depois de muitos anos de loucura e abuso com drogas, com quase 50 anos de carreira, a voz inconfundível do heavy metal, OZZY estava ali, pulando, cantando na sua maneira, jogando água e espuma no público da frente, reverberando seus gritos e seu som intensamente como deve ser, como sempre foi. O repertório foi bastante óbvio, muitos de seus clássicos solo estavam ali, "Crazy Train", "Mr. Crowley", "Suicide Solution", "Bark at the Moon", "Shot in the Dark", entre outros, porém a falta de "No More Tears" e "Mamma I'm Comming Home" foi sentida. Do material sabbathiano, surpreendeu a faixa "War Pigs", cuja levou a galera à loucura definitivamente. "Iron Man" e "Paranoid" foram as obviedades necessárias, esta última fechando o show, como sempre ocorre. Do possível set list divulgado na web, eu particularmente senti a falta de "Fire in the Sky", faixa esta do disco "No Rest for the Wicked", primeiro trabalho com ZAKK WYLDE, que seria com certeza um grande momento no show, pois trata- de uma bela faixa com teclados e melodias fascinantes. Mas não rolou.

A produção foi boa, as estruturas armadas foram adequadas, o som estava ótimo, em qualquer posição se ouvia tudo muito bem, porém não evitou inúmeras reclamações do público presente. Essas reclamações se referem principalmente aos acessos do lugar, o estádio do São José é um bom espaço para shows, não é como a distante Fiergs ou o apertadíssimo Gigantinho, a questão é que há apenas duas entradas e saídas para o público, o que ocasiona filas homéricas, resultando Num estresse inevitável. Sabendo dessa dificuldade, a produção deveria abrir os portões bem mais cedo, no entanto, grande parte do público chegou no mesmo horário, o que resultaria mesmo assim em grandes filas, pois não é possível levantar as arquibancadas e abrir uma outra porta de acesso. E também com o público entrando cedo, o dinheiro com certeza também acabaria antes do planejado, já que na rua os ambulantes vendiam a cerveja em latão a cinco reais, enquanto lá dentro a latinha estava 12 (!), regada de muito patrocínio e propaganda da cerveja esta, inclusive contando com um animador ao microfone fazendo promoções e distribuindo brindes, num formato brega e deslocado, resultando, claro, em muitas vaias por parte dos cabeludos de preto, que faziam presença massiva, obviamente, pois se tratava de nada menos que JUDAS PRIEST, MOTORHEAD e OZZY OSBOURNE.

Valeu cada centavo, cada pulo, cada dor no dia seguinte. Clássico é emoção, é lembrança, nostalgia, e o heavy metal é um dos gêneros musicais mais fiéis, senão o mais, onde os velhos fazem o que sempre fizeram, o que eles mesmos criaram, e que segue sendo imitado e reproduzido no mundo todo, e o que os fãs querem é exatamente isso, que sigam fazendo o que fazem há mais de 40 anos, com peso, volume e intensidade. Somos privilegiados por ainda poder presenciar esses nomes ao vivo, pois sabemos que daqui a uns 10 anos, ou menos, serão apenas lembranças de um outro tempo, outra era, e teremos de nos contentar com o que haverá de novo, ou nos resignar na eterna nostalgia.


Outras resenhas de Monsters Tour (Estádio do Zequinha, Porto Alegre, 30/04/2015)

nullnull




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Judas Priest"Todas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"Todas as matérias sobre "Motorhead"


Rodz Online: Os dois dias de Rock N' Roll do Moscow Music Peace Festival (vídeo)Ozzy Osbourne: música com Post Malone é o trabalho favorito dele desde o Sabbath

Ozzy Osbourne: música de Post Malone com participação dele é divulgada; ouçaOzzy Osbourne
Música de Post Malone com participação dele é divulgada; ouça

Rodrigo Flausino: os guitarristas do Ozzy OsbourneRodrigo Flausino
Os guitarristas do Ozzy Osbourne

Ozzy Osbourne: em 1980, a ressurreição do Madman

Ozzy Osbourne: vocalista anuncia retorno aos palcos com Judas Priest após meses doenteOzzy Osbourne
Vocalista anuncia retorno aos palcos com Judas Priest após meses doente

Ozzy Osbourne: Madman participa de disco do rapper Post MaloneOzzy Osbourne
Madman participa de disco do rapper Post Malone

Resenha - Ultimate Sin - Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Em 1986, um disco que muitos gostaram, menos Ozzy

Ozzy Osbourne: 2019 foi um dos piores anos de sua vida, afirma MadmanOzzy Osbourne
2019 foi um dos piores anos de sua vida, afirma Madman

Ozzy Osbourne: se ele pudesse, remixaria o álbum The Ultimate SinOzzy Osbourne
Se ele pudesse, remixaria o álbum "The Ultimate Sin"

Ozzy Osbourne: mega box-set em vinil sai em novembroOzzy Osbourne
Mega box-set em vinil sai em novembro

Ozzy Osbourne: ele tem gravado músicas novas para ajudar em sua recuperaçãoOzzy Osbourne
Ele tem gravado músicas novas para ajudar em sua recuperação

Ozzy Osbourne: Madman ficou com medo de não conseguir se apresentar maisOzzy Osbourne
Madman ficou com medo de não conseguir se apresentar mais

Ozzy Osbourne: The Ultimate Sin, o álbum glam metal do Madman

Ozzy Osbourne: cientistas comprovam que ele é um mutante de verdade!Ozzy Osbourne
Cientistas comprovam que ele é um mutante de verdade!

Ozzy Osbourne: os conselhos do Madman sobre masturbaçãoOzzy Osbourne
Os conselhos do Madman sobre masturbação

Kelly Garni: Randy Rhoads não era feliz com OzzyKelly Garni
Randy Rhoads não era feliz com Ozzy

Ozzy: não existem grandes rockstars nos dias de hojeOzzy
Não existem grandes rockstars nos dias de hoje


Nikki Sixx: transei com a mulher do Bruce DickinsonNikki Sixx
"transei com a mulher do Bruce Dickinson"

Dave Mustaine: 10 coisas que você não sabia sobre eleDave Mustaine
10 coisas que você não sabia sobre ele

AC/DC: como Angus responde a um copo de cerveja atirado?AC/DC
Como Angus responde a um copo de cerveja atirado?

Quiet Riot: quebrando disco de banda brasileira em 1985Nicko McBrain: pedal duplo é pra caras como Aquiles PriesterSlipknot: "Quanto menos eu falar de Chris Fehn, melhor"Metal e Literatura: 10 livros e sua trilha sonora

Sobre Jo Reis

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

adGoo336|adClio336