Monsters Tour: dia 30/04, a noite que os Monstros invadiram POA

Resenha - Monsters Tour (Estádio do Zequinha, Porto Alegre, 30/04/2015)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Karen Waleria
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.









































Um pouco antes das 18h30, horário previsto para o início dos shows da Monsters Tour, o power trio formado por Cristiano Wortmann (voz e guitarra), André Lacet (baixo) e Jean Montelli (bateria) subiu ao palco e mostrou o motivo pelo qual foram escolhidos para abrir um show com tamanha importância. Show que reuniu em Porto Alegre três dos principais nomes do rock/ heavy metal mundial num mesmo evento.

A ZERODOZE entusiasmou o público presente no Estádio do Zequinha na última quinta-feira, dia 30 de abril, véspera do feriado do Dia do Trabalhador, com uma performance composta por músicas autorais e covers de clássicos do heavy metal.

A banda porto-alegrense apresentou um setlist com muito peso e energia, aquecendo a platéia para a noite memorável que iniciava.

A banda não é novata em abertura de grandes shows. Em 2012, foram responsáveis pela abertura do show do SLASH, uma banda à altura de MOTORHEAD, JUDAS PRIEST e OZZY OSBOURNE.

"Foi o dia mais perfeito das nossas vidas. A Hits Entretenimento nos tratou extremamente bem e nos ofereceu uma estrutura fantástica. Tocamos para 16 mil pessoas que nos receberam de braços abertos. Foi uma responsabilidade muito grande dividir o palco com os nossos maiores ídolos, mas no final deu tudo certo. Trabalhamos muito para isso e queremos agradecer a todos que estavam presentes", comentou Cristiano Wortmann, guitarrista e vocalista da ZERODOZE, que também é guitarrista da banda HANGAR.

O MOTORHEAD iniciou o seu show pontualmente no horário programado.

"We are Motorhead and we play rock and roll" (Nós somos o Motorhead e Nós tocamos rock and roll") assim, como de costume, Lemmy Kilmister, se apresentou para o público estimado em torno de 16 mil pessoas.

Durante a performance a banda de rock britânica formada por Lemmy Kilmister ( Baixo e vocal), Mikkey Dee (Bateria) e Phill Campbell (guitarra) apresentou clássicos da carreira que esse ano completa 40 anos e algumas músicas do seu mais recente álbum, o "Aftershock".

Como é de domínio público o MOTORHEAD é um dos grupos que mais influenciou outras bandas de diferentes vertentes como o heavy metal, o thrash metal e o punk rock. Assistindo a banda em ação penso na inutilidade dos rótulos que a maioria das pessoas costumam colocar em artistas e bandas.

Não importa em qual estilo uma banda se encaixa.
O que importa é a qualidade do som que produz, e qualidade é uma das características que a banda capitaneada por Lemmy possui de sobra.

Vida longa ao Rock n' Roll!

O lider da banda tocou e cantou por mais de uma hora, com sua voz rouca, característica, e mostrou-se recuperado do problema de saúde ocorrido em São Paulo que o impossibilitou de apresentar-se no "Monsters of Rock". Contrariando, principalmente, os rumores criados por uma parte da imprensa brasileira, fato que incomodou o frontman.

O segundo show principal da noite também começou no horário.

JUDAS PRIEST, banda formada por Rob Halford ( vocais), Gleen Tipton ( guitarra), Ian Hill (baixo), Scott Travis ( Bateria) e Ricchie Faulkner ( Guitarra), apresentou um setlist mais do que perfeito. Que continha algumas músicas do seu último trabalho, "Redeemer of Souls" e para a alegria dos milhares de fãs que compareceram ao evento, apresentou um apanhado de hits da banda como "Metal Gods", "Victim of Changes", "Breaking the Law" e "Painkiller".

O público participou, interagiu, cantou e se emocionou com a apresentação. A banda deixou os presentes hipnotizados com a vocal ímpar de Halford, a técnica e feeling da banda, o gestual, as várias trocas de figurino do frontman. Halford tem uma presença de palco como poucos. A química de palco entre o "Metal God" e o Faulkner é perfeita.

O JUDAS PRIEST apesar de já contabilizar mais de quatro décadas de heavy metal, continua fazendo um som moderno que une peso unir o peso à velocidade. Não houve headbanger no estádio que não se contagiou com a apresentação de uma das bandas que mais influenciaram e influenciam o cenário musical mundial. Como precursores da adoção das roupas de couro com adereços de metal cromados e correntes advindos do punk rock, a banda ditou a moda que figura até os dias de hoje no meio. Aliás a cenografia da banda é fantástica.

Os Deuses do rock e do metal agradecem!

Ouso dizer que foi o show mais metal da noite. Tanto musicalmente falando como visualmente com suas explosões, telão, e etc. Literalmente um show!

Os falsetes do "Metal God" estão irretocáveis. Depois desse show, duvido que alguém fale que o mesmo não consiga alcançar as notas agudas que alcançava na década de 70.

Não posso deixar de citar a tradicional entrada de Halford no palco com uma Harley-Davidson, já anunciando que o término do show se aproximava.

O show termina e se consegue sentir no ar o clima de satisfação tanto do público, como da banda.

Ozzy Osbourne iniciou seu show antes do horário estabelecido, alguns minutos antes das 23h.

O lendário vocalista britânico veio à Porto Alegre pela terceira vez, segunda vez em show solo, mas com certeza essa foi a sua melhor apresentação na capital gaúcha.

Animação é a palavra que melhor resume a apresentação de Ozzy Osbourne e sua banda solo. Um desfile de hits do BLACK SABBATH mesclados com hits de sua carreira solo. O público cantava o tempo todo juntamente com o Madman.

O músico pulava, corria, batia palmas, jogava beijos, conversava com o público frequentemente, demonstrando a felicidade e satisfação que sentia. Molhava o público constantemente com uma mangueira de bombeiros:ora com espuma, ora jogando baldes de àgua. E não foi somente o público das primeiras fileiras que foram atingidos, alguns profissionais da imprensa foram molhados. Em alguns momentos, o próprio músico se molhava para compartilhar esses momentos com o seu público.

A banda solo de Ozzy, que transformou o estádio do Zequinha numa grande festa com headbangers das mais variadas faixas etárias, conta com Ozzy Osbourne (vocais), Gus G.(guitarra), Rob Nicholson (baixo), Adam Wakeman ( teclados e guitarra) e Tommy Clufetos ( bateria). Um dos momentos culminantes do show foi o solo de bateria de Tommy Clufetos, que deixou todos boquiabertos. Destruidor!

O clima do show estava tão bom que mal deu para sentir falta de baladas como "No More Tears", "Mama, I’m Coming Home" ou "Changes" .

Sem ser piegas, quando o "Príncipe das Trevas" terminou a sua apresentação, a maioria das pessoas ficou meio que paralisada, esperando quem sabe um segundo bis. As pessoas só começaram a se retirar do estádio, lentamente, quando começou a se ouvir a balada "Changes", tocando bem alto nas caixas de som, anunciando oficialmente, infelizmente, o final do show.

Fotos: Sônia Butelli e Rocks

Nota do Autor: Espero que mais shows sejam realizados no Estádio do Zequinha. Porto Alegre carece de lugares para shows e essa é uma boa opção, só devendo sofrer algumas melhorias para atender de forma satisfatória o público e minimizar problemas ocorridos no evento, que, no entanto, não tiraram o brilho da noite memorável.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Monsters Tour (Estádio do Zequinha, Porto Alegre, 30/04/2015)

1387 acessosMonsters Tour: Impossível não se emocionar com estes monstros2364 acessosMonsters Tour: Motorhead, Judas e Ozzy em Porto Alegre

DisneyDisney
Empresa lança disco com clássicos em versão power metal

965 acessosNecromandus: quarteto apreciado por Ozzy Osbourne e Tony Iommi2047 acessosBlack Sabbath: em vídeo, Ozzy Osbourne vs. Ronnie James Dio0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Ozzy Osbourne"

George LynchGeorge Lynch
Por que Ozzy Osbourne não o quis em sua banda?

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Um tocante tributo a Lemmy na Rolling Stone

Ozzy OsbourneOzzy Osbourne
Fotos dos bastidores de "Bark at the moon"

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 06 de maio de 2015

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Ozzy Osbourne"0 acessosTodas as matérias sobre "Judas Priest"0 acessosTodas as matérias sobre "Motorhead"0 acessosTodas as matérias sobre "Zerodoze"

DimebagDimebag
Como ele transformou Dave Grohl no cara mais legal

VocalistaVocalista
Dez razões pelas quais os demais integrantes o odeiam

Motley CrueMotley Crue
Sebastian Bach chegou a ser chamado para o vocal

5000 acessosTradução - Nevermind - Nirvana5000 acessosCuriosidades: 40 fatos inacreditáveis do rock5000 acessosMustaine: "Aos 15 entrei na magia e conheci o lado negro!"5000 acessosMetallica: Robert e a calma ao lidar com drogados e bêbados4259 acessosEllen Jabour: no RIR, explicando onde aprendeu a bater cabeça5000 acessosMeet & Greet: Como os roqueiros de verdade se comportam

Sobre Karen Waleria

Blogueira gaúcha. Estudou letras. Ecleticidade musical é seu ponto forte; com uma tendência ao Rock e Metal. Já foi colaboradora em grandes sites de Rock e Heavy Metal, trabalha com divulgação de bandas e eventos. Responsável pelo blog www.karenwaleria.blogspot.com.br. Siga no Twitter @Rocksblog.

Mais informações sobre Karen Waleria

Mais matérias de Karen Waleria no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online