Rick Wakeman: O mestre do prog ostentação retorna a São Paulo

Resenha - Rick Wakeman (São Paulo, Teatro Bradesco, 27/10/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Diego Camara
Enviar correções  |  Ver Acessos

Foi a vez de Rick Wakeman, ídolo e importante figura do rock progressivo mundial, retornar ao Brasil para uma série de apresentações. Depois de ver Jon Anderson 10 dias antes, seu também ex-colega de YES, foi a vez de Wakeman retornar ao Brasil. Dobradinha de shows no Teatro Bradesco, que anda sendo um ótimo lugar para shows de progressivo, pudemos conferir a primeira apresentação, no dia 27. Apesar de ser numa segunda-feira - um dia horroroso para se realizar qualquer tipo de show na cidade de São Paulo - o público compareceu em peso e ocupou quase todas as cadeiras do teatro.

Stewart Clark: Álbum tem Billy Sherwood, baixista do YesMetal: 101 motivos para perceber que você ouve há muito tempo

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

O show começou as 21h05m, ou seja com um pequenino atraso. Nada especial para as apresentações no país. O público aguardava ansiosamente sentado nas cadeiras do Teatro Bradesco, extremamente bem acomodados. O local, bastante suntuoso e confortável, realmente é uma grande pedida para shows diferenciados como de Rick Wakeman, realmente com ares de público selecionado - ver um show de pé não é para o Rock Progressivo.

Na abertura do show conteve uma intro em coral, e logo subiu ao palco o mestre Wakeman e sua companhia para tocar a primeira peça da noite: um medley de "Journey to the Centre of the Earth". Trajado com sua magnífica capa de veludo, que recobre sua veste simples - tênis branco, camiseta e calça, Wakeman comandou a apresentação da música, longa e cheia de reviravoltas comuns de suas obras solo, sempre muito bem construídas e com um pé forte na forma de composição da música clássica.

A montagem do palco realmente estava incrível, com Wakeman envolto de seus 8 teclados. O equipamento em volta dele, bem das antigas, faz parecer que ele esta em uma verdadeira nave espacial daquelas montagens clássicas dos filmes de ficção científica, dada a quantidade de botões e luzes que o envolviam. Dominava aquele tanto de equipamentos como ninguém, e com grande técnica fez desde o início o público cravar os olhos nele: Wakeman se impõe, como poucos, e por isso é tão reverenciado em seu gênero.

O som do Bradesco também estava excelente, do começo ao fim do show, fazendo totalmente jus ao progressivo. A acústica estava maravilhosa, e era possível ouvir o áudio em todo o teatro. Tanto melhor para o público, que não perdeu um instante as notas de Wakeman, tornando o espetáculo ainda mais poderoso.

Wakeman apostou num repertório realmente voltado para os seus grandes sucessos. Além de tocar "Journey to the Centre of the Earth", que completa seus 40 anos de vida, Wakeman baseou seu show fortemente no álbum "The Six Wives of Henry VIII". O público teve a imensa oportunidade de ouvir ao vivo as músicas "Catherine Parr", "Jane Seymour" e "Catherine Howard", que foram escutadas com atenção por um público que, quieto e silencioso, aproveitou ao máximo o espetáculo diante de seus olhos.

Outro super sucesso que não faltou foi o portentoso "Myths and Legends of King Arthur and the Knights of the Round Table", de 75. Wakeman apresentou um medley com diversos trechos do álbum, além de tocar a música "Merlin the Magician" no final do show. O medley ainda contou com o excelente solo de bateria de Tony Fernandes, que foi ovacionado por uma dúzia de vezes. A banda de Wakeman, diga-se de passagem, realmente é um show a parte e escolhida a dedo pelo tecladista, com especial destaque ao guitarrista Dave Colquhoun que, apesar de estar com uma perna quebrada, colocou em sua conta excelentes solos e uma performance irretocável.

No final do show, quando tocava "Merlin", Wakeman levantou a plateia fazendo um pequeno passeio pelo público enquanto tocava o seu keytar. Todos se levantavam, atônitos, o cercavam e batiam fotos enquanto ele passava. Foi quase cercado pelo público, mas caminhou com tranquilidade junto com uma moça que carregava pela mão - ao mesmo tempo que continuava tocando! - e a levou até o palco para que ela segurasse seu teclado quando realizava o solo final da música.

No retorno para o bis, que foi bem rápido já que o horário estourava, Wakeman anunciou que tocaria um dos sucessos do YES para o público. A escolhida foi "Starship Trooper", música bastante marcada pelos teclados, que Wakeman novamente arregaçou. O show terminou lá pelos idos das 23h30m, ou próximo a isto, quando o publico cambaleava, ainda zonzo, para fora do Teatro, tão grande foi o banho de progressivo que levaram.

Fotos: Fernando Yokota

Setlist:
1. Journey to the Centre of the Earth
2. Catherine Parr
3. White Rock
4. Drum Solo
5. King Arthur and the Knights of Roundtable (medley)
6. Jane Seymour
7. The Visit
8. Phantom Power
9. Catherine Howard
10. No Earthly Connection (medley)
11. Merlin the Magician
Bis:
12. Starship Trooper (música do Yes)




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Rick Wakeman"Todas as matérias sobre "Yes"


Stewart Clark: Álbum tem Billy Sherwood, baixista do YesEm 25/10/1944: nascia Jon Anderson, vocalista do Yes

Rick Wakeman: O nome Yes devia ser aposentadoRick Wakeman
"O nome Yes devia ser aposentado"

Álbuns ao vivo: 10 grandes registros da história do rockÁlbuns ao vivo
10 grandes registros da história do rock

Yes: A capa censurada de Time And A WordYes
A capa censurada de Time And A Word


Metal: 101 motivos para perceber que você ouve há muito tempoMetal
101 motivos para perceber que você ouve há muito tempo

Tom Araya: Não sou ateu; acredito em Deus!Tom Araya
"Não sou ateu; acredito em Deus!"


Sobre Diego Camara

Nascido em São Paulo em 1987, Diego Camara é jornalista, radialista e blogueiro. Seu amor pelo metal e rock começou há 6 anos. Um amante da nova geração, é um grande fã de Arjen Lucassen, Andre Matos e bandas como Nightwish, Hammerfall, Sonata Arctica, Edguy e Kamelot. Também não deixa de ter amor pelos clássicos, como Helloween, Gamma Ray e Iron Maiden e do Rock de bandas como Oasis, Queen e Kings of Leon. Atualmente seus textos podem ser lidos no blog OCrepusculo.com sobre assuntos diversos, além de planos para criação de um projeto totalmente voltado aos blogs de Rock e Metal.

Mais informações sobre Diego Camara

Mais matérias de Diego Camara no Whiplash.Net.

adGoo336