Avenged Sevenfold: Mostrando uma versatilidade incrível

Resenha - Avenged Sevenfold (Pepsi On Stage, Porto Alegre, 22/03/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Guilherme Dias
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.



























Um caso raro para Porto Alegre aconteceu no dia 22/03/2014. O show de heavy metal da banda AVENGED SEVENFOLD foi recebido em pleno sábado para o público gaúcho. Uma surpresa, pois normalmente shows desse porte são recebidos no sul de domingo a quinta-feira (o que é muito ruim para quem trabalha, estuda e que eventualmente perde a oportunidade de comparecer a grandes eventos).

Fotos por Liny Rocks
facebook.com/photoslinyrocks

O som mecânico da casa de shows Pepsi On Stage tocava clássicos do metal como METALLICA e IRON MAIDEN. Quando começou a tocar a clássica "Back In Black" (AC/DC) o público se animou muito, pois essa música está introduzindo a maioria dos shows da banda na turnê atual.

Promovendo o seu sexto álbum de estúdio "Hail To The King" a banda subiu ao palco com a música que abre o disco, "Shepherd of Fire", levando o público a loucura logo no início do show. Logo em seguida a banda emendou "Critical Acclaim" que abre o quarto disco da banda. Após as duas primeiras músicas da noite, o quinteto americano liderado por M. Shadows (vocal) conversa com o público e a banda toca um dos seus maiores clássicos; "The Beast and the Harlot" levantou 100% dos presentes que cantaram toda a música, desde a introdução de Synyster Gates (guitarra) e Zacky Vengeance (guitarra) até o seu último segundo.

Em seguida a banda toca a música que é single e que dá nome ao último disco "Hail to the King" seguida de "Doing Time", também do último álbum do grupo.

M. Shadows (vocal) diz para o público que o show de Porto Alegre encerraria a passagem da banda pelo Brasil e os primeiros acordes de "Buried Alive" foram tocados pelas guitarras, fazendo com que os fãs gritassem muito e cantassem novamente sem parar.

Relembrando a última passagem da banda em Porto Alegre, M. Shadows anuncia a balada "Seize The Day" e disse para o público que esse show seria diferente do apresentado na turnê anterior. Mais um clássico da banda é apresentado. No maior estilo de HELLOWEEN e IRON MAIDEN, os solos dobrados das guitarras de "Nightmare" alucinam os presentes. Saindo de um momento "heavy" para um momento "metalcore", a banda proporciona a primeira oportunidade de uma "roda punk" para os fãs com a música "Eternal Rest" do segundo disco da banda, intitulado "Walking Tht Fallen".

Synyster Gates (guitarra) fica sozinho no palco para fazer o seu solo, esbanjando muita técnica e criatividade, algo que está presente de sobra na banda de um modo geral, tanto pelo guitarrista Zacky, como também por Johnny Christ (baixo) e Arin Ilejay (bateria).

Aproximando-se do fim do show, mais uma música muito conhecida é executada de forma perfeita pela banda; "Afterlife" (também do disco AVENGED SEVENFOLD) é cantada por todo o público, inclusive abafando o som da própria banda devido à acústica do local do show.

Após "Almost Easy" a banda sai do palco para em seguida retornar para o bis. A pesada "Unholy Confessions" dá espaço para mais uma "roda punk". M. Shadows dedica a música seguinte para o falecido baterista da banda "The Rev" e a banda encerra o show com "A Little Piece of Heaven", que teve inclusive playback com a voz de The Rev nas partes da música em que ele cantava, mas que foi pouco notado devido à cantoria dos fãs, que já sabiam que esse seria o final do show, pois a maioria dos shows da turnê terminaram dessa forma.

O A7X (como é apelidada a banda) mostrou em seu show uma versatilidade incrível do seu som dentro do heavy metal. Uma banda que faz o seu próprio som, usando o melhor de suas influências que passam pelo hard rock, heavy e thrash metal. A popularidade da banda não dá muito espaço para a banda entre os fãs do heavy metal de um modo geral. O público tem como base a juventude que leva a banda no patamar que está, mas que está se ampliando com um púbico mais veterano, que também estava presente em peso no show e que certamente aumentará em futuras passagens pela banda em Porto Alegre.


Outras resenhas de Avenged Sevenfold (Pepsi On Stage, Porto Alegre, 22/03/2014)

null



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Avenged Sevenfold"


Avenged Sevenfold: veja Breakdown da música "Exist"

Pantera ou A7X?: sim, até o Avenged Sevenfold prefere PanteraPantera ou A7X?
Sim, até o Avenged Sevenfold prefere Pantera

A7X: M. Shadows comenta como Mr. Bungle influenciou a banda

Avenged Sevenfold: as influências em Hail To The KingAvenged Sevenfold
As influências em "Hail To The King"

Riffs parecidos: Led, Sabbath, Maiden, Metallica, Dio, AC/DC e maisRiffs parecidos
Led, Sabbath, Maiden, Metallica, Dio, AC/DC e mais

Guitar World: revista elege os 50 guitarristas mais rápidosGuitar World
Revista elege os 50 guitarristas mais rápidos


O lado escuro do rock: você acredita em magia negra?O lado escuro do rock
Você acredita em magia negra?

Heavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1992Heavy Metal
Os dez melhores álbuns lançados em 1992

Separados no nascimento: Ritchie Blackmore e Mr. BeanSeparados no nascimento
Ritchie Blackmore e Mr. Bean

Raul Seixas: qual a origem da música "Gita"?Heavy Metal: nove ótimas músicas suaves do gêneroThe Beatles: uma foto rara de John Lennon cheirando cocaMusicália: Raul Seixas poderia ter gravado "Canção do Senhor da Guerra"?

Sobre Guilherme Dias

Fanático por heavy metal e hard rock desde os 12 anos de idade. Coleciona CDs e LPs, principalmente do Helloween e seus derivados. Colabora com o site desde 2013. Nasceu em Porto Alegre, capital do Rio Grande do Sul.

Mais matérias de Guilherme Dias no Whiplash.Net.