Avenged Sevenfold: Mostrando uma versatilidade incrível

Resenha - Avenged Sevenfold (Pepsi On Stage, Porto Alegre, 22/03/2014)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Por Guilherme Dias
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.



























Um caso raro para Porto Alegre aconteceu no dia 22/03/2014. O show de heavy metal da banda AVENGED SEVENFOLD foi recebido em pleno sábado para o público gaúcho. Uma surpresa, pois normalmente shows desse porte são recebidos no sul de domingo a quinta-feira (o que é muito ruim para quem trabalha, estuda e que eventualmente perde a oportunidade de comparecer a grandes eventos).

Fotos por Liny Rocks®
facebook.com/photoslinyrocks

O som mecânico da casa de shows Pepsi On Stage tocava clássicos do metal como METALLICA e IRON MAIDEN. Quando começou a tocar a clássica "Back In Black" (AC/DC) o público se animou muito, pois essa música está introduzindo a maioria dos shows da banda na turnê atual.

Promovendo o seu sexto álbum de estúdio "Hail To The King" a banda subiu ao palco com a música que abre o disco, “Shepherd of Fire”, levando o público a loucura logo no início do show. Logo em seguida a banda emendou “Critical Acclaim” que abre o quarto disco da banda. Após as duas primeiras músicas da noite, o quinteto americano liderado por M. Shadows (vocal) conversa com o público e a banda toca um dos seus maiores clássicos; “The Beast and the Harlot” levantou 100% dos presentes que cantaram toda a música, desde a introdução de Synyster Gates (guitarra) e Zacky Vengeance (guitarra) até o seu último segundo.

Em seguida a banda toca a música que é single e que dá nome ao último disco “Hail to the King” seguida de “Doing Time”, também do último álbum do grupo.

M. Shadows (vocal) diz para o público que o show de Porto Alegre encerraria a passagem da banda pelo Brasil e os primeiros acordes de “Buried Alive” foram tocados pelas guitarras, fazendo com que os fãs gritassem muito e cantassem novamente sem parar.

Relembrando a última passagem da banda em Porto Alegre, M. Shadows anuncia a balada “Seize The Day” e disse para o público que esse show seria diferente do apresentado na turnê anterior. Mais um clássico da banda é apresentado. No maior estilo de HELLOWEEN e IRON MAIDEN, os solos dobrados das guitarras de “Nightmare” alucinam os presentes. Saindo de um momento “heavy” para um momento “metalcore”, a banda proporciona a primeira oportunidade de uma “roda punk” para os fãs com a música “Eternal Rest” do segundo disco da banda, intitulado "Walking Tht Fallen".

Synyster Gates (guitarra) fica sozinho no palco para fazer o seu solo, esbanjando muita técnica e criatividade, algo que está presente de sobra na banda de um modo geral, tanto pelo guitarrista Zacky, como também por Johnny Christ (baixo) e Arin Ilejay (bateria).

Aproximando-se do fim do show, mais uma música muito conhecida é executada de forma perfeita pela banda; “Afterlife” (também do disco AVENGED SEVENFOLD) é cantada por todo o público, inclusive abafando o som da própria banda devido à acústica do local do show.

Após “Almost Easy” a banda sai do palco para em seguida retornar para o bis. A pesada “Unholy Confessions” dá espaço para mais uma “roda punk”. M. Shadows dedica a música seguinte para o falecido baterista da banda “The Rev” e a banda encerra o show com “A Little Piece of Heaven”, que teve inclusive playback com a voz de The Rev nas partes da música em que ele cantava, mas que foi pouco notado devido à cantoria dos fãs, que já sabiam que esse seria o final do show, pois a maioria dos shows da turnê terminaram dessa forma.

O A7X (como é apelidada a banda) mostrou em seu show uma versatilidade incrível do seu som dentro do heavy metal. Uma banda que faz o seu próprio som, usando o melhor de suas influências que passam pelo hard rock, heavy e thrash metal. A popularidade da banda não dá muito espaço para a banda entre os fãs do heavy metal de um modo geral. O público tem como base a juventude que leva a banda no patamar que está, mas que está se ampliando com um púbico mais veterano, que também estava presente em peso no show e que certamente aumentará em futuras passagens pela banda em Porto Alegre.

5000 acessosQuer ficar atualizado? Siga no Facebook, Twitter, G+, Newsletter, etc

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+Compartilhar no WhatsApp

Outras resenhas de Avenged Sevenfold (Pepsi On Stage, Porto Alegre, 22/03/2014)

3239 acessosAvenged Sevenfold: Consolidando novo público em Porto Alegre

A7XA7X
Os celulares também podem contribuir para o espetáculo

1540 acessosA7X: em vídeo, os dez melhores solos de Synyster Gates2467 acessosShows: veja quanto Sabbath, A7X, Red Hot e Disturbed faturaram0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Avenged Sevenfold"

Avenged SevenfoldAvenged Sevenfold
Banda continuou graças à família de Rev

Machine HeadMachine Head
Teria o A7X plagiado a imagem usada no palco?

VideoVideo
Metallica, Slayer, Slipknot, Pantera e A7X sem distorção

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, nos links abaixo:

Post de 26 de março de 2014
Post de 26 de março de 2014

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Avenged Sevenfold"

Heavy MetalHeavy Metal
Os 11 melhores álbuns da década de 70

Eddie Van HalenEddie Van Halen
Falando sobre o solo de "Beat It"

Collectors RoomCollectors Room
Fã compra tudo o que vê pela frente com o nome Scorpions

5000 acessosMustaine: por que ele perdeu seu emprego no Metallica?5000 acessosRock In Peace: As mortes mais marcantes do Rock/Metal5000 acessosMike Portnoy: baterista explica a camisa "Fuck Paul Stanley"5000 acessosEddie Trunk: os dez melhores álbuns de 20155000 acessosMarilyn Manson: 10 melhores músicas segundo a Loudwire5000 acessosBlack Label Society: a falta que faz Dimebag Darrel

Sobre Guilherme Dias

Sou Guilherme Figueiró Dias, de Porto Alegre, estudante de educação física, tenho 23 anos e sou fanático por música e futebol, especialmente hard rock e heavy metal. Preferências entre Helloween, Gamma Ray, Pink Cream 69, Bon Jovi, Hellacopters, Michael Kiske, entre outros. O que gosto realmente de fazer (além de torcer, cantar e pular pelo Grêmio na Geral) é curtir um bom show das bandas que eu adoro e tomar umas cervejas pra celebrar a vida.¨

Mais matérias de Guilherme Dias no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online