Summer Break Festival: resenha e fotos do festival em São Paulo

Resenha - Summer Break Festival (Campo de Marte, São Paulo, 07/12/2013)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pedro Zambarda de Araújo
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.





















O "mini-festival" Summer Break reuniu apenas cinco bandas, mas fez a alegria de alguns fãs de rock alternativo, como Dave Matthews e Incubus, e trouxe também nomes conhecidos nacionais, como O Rappa. Os shows foram marcados por energia, improvisações e alguns problemas técnicos.

O evento propriamente dito começou por volta das 14h com a banda Nem Liminha Ouviu, que trouxe algumas pérolas do rock oitentista brasileiro. O som do grupo nacional abordou temas como o subdesenvolvimento do Brasil na política. A banda pediu, no palco do show, para que a presidente Dilma acabe com a corrupção e torne nosso país o "mais rico do mundo".

Cerca de uma hora depois da banda de abertura, a banda Soldiers of Jah Army (SOJA) chegou para fazer seu som às 15h, com um calor intenso que tomou conta do Campo de Marte. O americanos de Virgínia/Washington D.C. tocaram um set de 14 músicas, uma batucada de samba e bastante reggae.

Por volta das 17h, foi a vez do famoso O Rappa subir ao palco. Tocaram 12 músicas, com destaque para Everything Changes, um cover de SOJA, uma de suas bandas inspiradoras, e o hit Me Deixa, que fez a plateia pular e cantar com força o refrão. O grupo nacional algumas músicas dos discos Lado B Lado A (1999) e O Silêncio Q Precede o Esporro (2003).

Ao final do Rappa, o céu começou a ficar cinza e um princípio de chuva começou a molhar boa parte da plateia. Foi uma espécie de alívio após um dia muito quente. O Incubus só entrou no palco às 19h30.

Infelizmente, logo na primeira música, Quicksand, a voz do cantor e performer Brandon Boyd desapareceu. A voz retornou progressivamente em Megalomaniac, a terceira composição no espetáculo. Com cabelos longos e alisados, o guitarrista Mike Einziger executou seus acordes minimalistas, acompanhado pelos sintetizadores e teclados de Chris Kilmore. O baterista Jose Pasillas chegou a fazer um duelo ritmado com Boyd, que deixou um pouco os vocais para batucar alguns tambores.

Incubus só contagiou de verdade nos hits mais famosos e melancólicos, como Love Hurts e Wish You Were Here. As garotas presentes ficaram vidradas quando Brandon Boyd tirou a camiseta e interpretou as letras mais sentimentais e tristes.

Confira o set completo do Incubus:

1. Quicksand
2. A Kiss to Send Us Off
3. Megalomaniac
4. Nice to Know You
5. Adolescents
6. Made for TV Movie (com Hello de Lionel Richie)
7. Circles
8. Love Hurts
9. Anna Molly
10. In the Company of Wolves
11. Drive
12. Dig
13. Vitamin
14. Wish You Were Here
15. Sick Sad Little World
16. Pardon Me

Com o atraso de meia hora do Incubus, Dave Matthews Band só começou o espetáculo às 21h30. Sete integrandes fizeram um show empolgante para todos os gostos, mais cativante do que a música eletrônica de Incubus. O próprio Dave Matthews mostrou desteza com violão e sua voz grave e um pouco rouca.

¨Tudo bem?¨. ¨Obrigado¨, dizia Dave, ensaiando um português travado no microfone. ¨Preço desculpas se vocês não me entenderem, mesmo se souberem inglês. Nem mesmo meus amigos entendem direito o que falo¨, disse o compositor, num momento descontraído. Antes de criar sua banda em 1991, Dave Matthews era um bartender em Charlottesville, no estado americano da Virginia. Por suas origens, seu som é caracterizado por um bluegrass tipicamente americano, misturado com improvisações caprichadas de jazz fusion.

As primeiras músicas foram acompanhadas por videoclipes no fundo, com imagens de olhos e cartas de baralho. Shake Me Like a Monkey puxou ainda mais o público para dançar. The Space Between, um dos singles mais famosos do grupo, contagiou o público feminino, seguida por Spaceman.

O bis não foi de apenas mais uma música, mas sim um show de improvisação e competência com mais três composições. Tocaram em uma sequência Grey Street, Jimi Thing e Two Step, acompanhadas por solos explosivos do guitarrista Tim Reynolds e do baterista Carter Beauford, que tocou com luvas brancas e balançando seus dreads. O violinista Boyd Tinsley ganhou aplausos em pelo menos dois duelos cara a cara com Dave Matthews, brincando com os sons distintos de seus instrumentos.

Dave sorriu, resmungou e mostrou a língua diante do público. A plateia misturou mulheres que cantaram com força a letra, homens espantados com o potencial da banda, além de casais e amigos dançando na parte do fundo da pista VIP do Campo de Marte. Muitas fotos de smartphone foram tiradas naquela festa, cheia de blues e música de origens negras americanas. O show de Dave Matthews Band avançou além das 0h.

Confira o set completo de Dave Matthews Band:

1. Don't Drink the Water
2. Pantala Naga Pampa
3. Rapunzel
4. Squirm
5. Rooftop
6. Warehouse
7. #41
8. If Only
9. Shake Me Like a Monkey
10. What Would You Say
11. The Space Between
12. Spaceman
13. Cornbread
14. The Song That Jane Likes
15. Too Much
16. Ants Marching

Bis:
17. Grey Street
18. Jimi Thing
19. Two Step

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dave Matthews Band"

RHCPRHCP
Eles se recusaram a tocar com Dave Matthews Band

MetromixMetromix
A lista dos vocalistas mais irritantes do rock

BateristasBateristas
Canhotos que tocam de forma diferente

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Dave Matthews Band"

MacabroMacabro
A maioria dos bons não morre aos 27

SlayerSlayer
Kerry King explica como se deve balançar a cabeça

Pink FloydPink Floyd
Tudo sobre o clássico "Another Brick in the Wall"

5000 acessosAndre Matos: confira o incrível alcance do vocalista5000 acessosSlash: "O Velvet Revolver foi divertido, mas um desastre"5000 acessosRegis Tadeu: grupelhos, constrangimentos, o 1º dia do Rock in Rio5000 acessosSlash: guitarra em que compôs "Jungle" e "Sweet Child" vai a leilão4819 acessosLemmy: "A humanidade, como raça, é hilária"5000 acessosMax Cavalera: ele calçou a cara e pediu autógrafo pro Justin Timberlake

Sobre Pedro Zambarda de Araújo

Nascido em 1989. Jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero, em São Paulo, Pedro foi apresentado ao heavy metal através da banda Blind Guardian, em meados de 2004. Ouve e aprecia outros estilos do rock, como o punk, o indie e vertentes mais variadas. Gosta de assistir e cobrir shows.Toca muito mal guitarra, mas aprecia vários tipos de instrumentos musicais.

Mais matérias de Pedro Zambarda de Araújo no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online