Liberdade ao Rock: 4 anos do evento amapaense

Resenha - Liberdade ao Rock (Praça da Bandeira, Macapá, Amapá, 13/10/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Bruno Blackened Monteiro
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Existem iniciativas que, bem sucedidas ou não, tentam promover o Rock/Heavy Metal. Nosso país ainda não tem uma Cultura Heavy Metal bem estabelecida, mas este que vos escreve torce para que este fato mude. Uma destas iniciativas foi o M.O.A. (Metal Open Air), promovido pela Negri Concerts, CK Concerts e Lamparina Filmes e Produções e que aconteceu em São Luiz (MA). Opiniões divergem: alguns defendem que foi um completo fiasco, enquanto outros dizem que valeu apenas pelos shows que tiveram.

5000 acessosSlipknot: Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunir5000 acessosSolos: Alguns dos mais bonitos do Heavy Metal

Ainda com relação aos shows, 2012 ficará marcado pela despedida de um festival: Marreco’s Fest, o mais importante da região Centro-Oeste e idealizado por Fábio Marreco. No caso amapaense, só temos que comemorar: neste final de semana, o Liberdade ao Rock completou 4 anos. Com uma estrutura de palco, iluminação e som dignas, o evento aconteceu,como de costume, em “casa”(entenda-se: na Praça da Bandeira) e um dos objetivos é dar oportunidade às novas bandas mostrarem seu som.

No dia 12, o destaque ficou por conta do show de retorno da banda PROFETIKA, que havia anunciado encerramento das atividades em maio deste ano. Felizmente, a banda voltou à ativa e tocou seu repertório composto pelos clássicos Assassinato à Sangue Frio, Serial Killer (cantada em uníssono pelo público), Mãos ao Alto, Início do Final, Mercenário e Ele Vem Para Roubar, Matar e Destruir. Uma apresentação impecável! Parabéns, PROFETIKA! Sucesso no futuro!

Já no dia 13, os banguers festejaram pra valer ao som das bandas KEONA SPIRIT e MYSTERIAL. Problemas de queda de energia elétrica atrapalharam, por alguns instantes, a estreia da KEONA no Liberdade ao Rock, mas não prejudicou a continuidade da apresentação. O repertório Heavy/Power Metal estava lá:Paranoid (BLACK SABBATH cover), Angels Cry (ANGRA), Lisbon (ANGRA) e The Number of the Beast (IRON MAIDEN).Mais um excelente show, completado pela interação dinâmica entre plateia e banda.

Sem muito demora, a MYSTERIAL subiu ao palco e detonou em um repertório composto por composições próprias e um cover (Rock the Earth, de ROB ROCK). Glory, Hypocrisy e Days of Pain foram efusivamente bangueadas e aplaudidas pelo público, com direito a um ótimo discurso de Vanessa antes do show começar.

Reservo-me o direito de desejar parabéns ao Liberdade ao Rock, pois não é qualquer iniciativa que consegue completar quatro anos de existência. Para isso, é preciso muito esforço e dedicação, atributos que, certamente, todos têm para com este estilo musical tão amado por muitos e odiado por outros.

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows

SlipknotSlipknot
Corey Taylor abandona os palcos se o Guns se reunir

SolosSolos
Alguns dos mais bonitos do Heavy Metal

Courtney LoveCourtney Love
"Parei com drogas e fodi como um coelho"

5000 acessosCourtney Love: "Parei com drogas e transei como um coelho"5000 acessosRoadrunner: os melhores frontmen de todos os tempos5000 acessosIron Maiden: a tragédia pessoal do baterista Clive Burr5000 acessosMetal Hammer: As melhores músicas da história do Death Metal5000 acessosWikimetal: os 100 maiores álbuns ao vivo já feitos5000 acessosHeavy Metal: os dez melhores álbuns lançados em 1982

Sobre Bruno Blackened Monteiro

Metalhead, Gamer, Otaku e Jornalista. Essas são as palavras que me descrevem melhor. Um jovem que faz de tudo para apoiar o Heavy Metal, seja através de resenhas, artigos, fotos, reportagens, entrevistas ou mesmo estando assiduamente nos shows apoiando e bangueando ao som das bandas. Amo o Metal desde os 16 anos e minhas vertentes favoritas são Thrash, Death e Power Metal. Também gosto de Gothic, Doom e Black Metal, mas o Thrash é o que me move! THRASH!

Mais matérias de Bruno Blackened Monteiro no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online