Resenha - Megadeth (Via Funchal, São Paulo, 05/09/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Renê Freitas
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Com uma quarta-feira de clima agradável na capital paulistana e com a casa praticamente lotada, a banda MEGADETH deu início ao segundo show da turnê comemorativa de 20 anos do álbum “Countdown to Extinction”.

3758 acessosMegadeth: Dave Mustaine conta qual o seu riff favorito5000 acessosSupernatural: ouça 10 músicas que marcaram a série

O show tão aguardado pelos fãs começou com um pequeno atraso. Porém, não seria problema para o que estava por vir.

Apesar de ser uma turnê especial, pois a banda tocaria o álbum de 1992 na íntegra, logo que se apagaram as luzes o baterista SHAWN DROVER deu início à introdução de “Trust” do excelente “Cryptic Writings”. Em seguida emendaram “Hangar 18” e “She-Wolf”. No início era possível observar que o volume da guitarra de CHRIS BRODERICK estava baixo, assim como o vocal de DAVE MUSTAINE que, diga-se de passagem, foi algo notável durante boa parte da apresentação.

O visual de palco era bastante interessante. Com um telão no fundo, e dois nas laterais ao lado da bateria, várias imagens eram projetadas durante a execução das músicas, sendo que em alguns momentos surgia apenas o nome da banda e em outros a capa do disco homenageado da noite.

“A Tout Le Monde” teve o refrão cantado a plenos pulmões pelo público paulistano. Duas músicas do último disco de estúdio “Thirteen” também marcaram presença, foi o caso de “Whose Life (Is It Anyways?)” e “Public Enemy No. 1”.

Terminado o “aquecimento”, DAVE MUSTAINE anuncia o que já era esperado para a noite: tocariam o disco “Countdown to Extinction”. E a banda seguiu à risca o tracklist do álbum. Primeiramente veio “Skin o’ My Teeth”. Logo depois, a música que é praticamente obrigatória nos shows da banda em turnês comuns, “Symphony of Destruction”. Considerada um dos hinos do Thrash Metal a música teve direito a participação do público em uníssono, não apenas cantando a letra, mas também acompanhando o ritmo das guitarras com o coro: Megadeth! Megadeth!, fato que já havia ocorrido em “Hangar 18”. Em seguida tocaram “Architecture of Aggression” e “Foreclosure of a Dream”.

Outra música do álbum que já é comum estar presente nos shows da banda é “Sweating Bullets” a qual também obteve ótima recepção do público.

“This Was My Life” mostrou uma banda coesa e entrosada, e particularmente para este que vos escreve, foi a música da noite!

Em seguida foi a vez de “Countdown to Extinction”, “High Speed Dirt”, “Psychotron”, “Captive Honour” e para finalizar o álbum: “Ashes in your Mouth”. Um disco que recebeu duas vezes platina realmente merecia uma turnê comemorativa. É um álbum que possui dois singles fortes como é o caso de “Symphony of Destruction” e “Sweating Bullets” e que mostrava na época como havia funcionado bem manter o mesmo line up do disco antecedente, pois os trabalhos dos músicos realmente foram fantásticos! Como prova disso é o fato de ter sido classificado em quinto lugar pela revista “Guitar World” entre os dez melhores álbuns de guitarra de 1992.

Outro ponto positivo desse álbum são as letras. DAVE MUSTAINE se firmava cada vez mais como um grande compositor e letrista, trazendo temas fortes com conotações políticas e militares.

Mas havia tempo para mais! A noite não havia terminado para a sorte do público. “Peace Sells” acompanhada de “Holy Wars... The Punishment Due”, esta última pedida por todos os presentes, finalizaram uma incrível apresentação de Thrash Metal. Se havia uma desconfiança para saber se CHRIS BRODERICK e SHAWN DROVER desempenhariam o papel de MARTY FRIEDMAN e NICK MENZA (músicos que também compuseram o álbum, mas que já não estão na banda há um bom tempo), essa desconfiança caiu por terra no final do show. Os músicos, apesar de não terem feito parte da composição do álbum, interpretaram cada nota das canções de maneira perfeita, mostrando que realmente estão muito à vontade ocupando os seus postos na banda.

E quanto aos remanescentes da época da gravação do disco, DAVE MUSTAINE e DAVID ELLEFSON, é dispensável qualquer comentário. Estava nítida a satisfação de todos por executarem ao vivo um excelente álbum. Enfim, uma noite memorável para celebrar um disco memorável. Assim como DAVE MUSTAINE e Cia agradeceram a recepção calorosa do público, nós fãs também agradecemos por voltarmos satisfeitos para casa.

Set list:
01. Trust
02. Hangar 18
03. She-Wolf
04. A Tout Le Monde
05. Whose Life (Is It Anyways?)
06. Public Enemy No. 1
07. Skin o' My Teeth
08. Symphony of Destruction
09. Architecture of Aggression
10. Foreclosure of a Dream
11. Sweating Bullets
12. This Was My Life
13. Countdown to Extinction
14. High Speed Dirt
15. Psychotron
16. Captive Honour
17. Ashes in Your Mouth
Bis:
18. Peace Sells
19. Holy Wars... The Punishment Due

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Outras resenhas de Megadeth (Via Funchal, São Paulo, 05/09/2012)

1085 acessosMegadeth: mais uma resenha da apresentação em São Paulo1051 acessosMegadeth: resenha do show em SP no Minuto HM1244 acessosMegadeth: resenha do Roque Reverso sobre show histórico5000 acessosMegadeth: os vinte anos de Countdown To Extinction em SP

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

Mais comentários na Fanpage do site, no link abaixo:

Post de 06 de setembro de 2012

MegadethMegadeth
Dave Mustaine conta qual o seu riff favorito

3142 acessosHeavy Metal: os 10 melhores riffs dos anos noventa535 acessosMarty Friedman: ouça "Miracle", single do novo álbum solo0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Megadeth"

MegadethMegadeth
Marty Friedman tem ou não tem interesse em voltar?

MegadethMegadeth
Mustaine explica um dos motivos da saída de Marty Friedman

MegadethMegadeth
Dave Mustaine precisava ser chutado do Metallica

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Megadeth"

SupernaturalSupernatural
Ouça 10 músicas que marcaram a série

Sexo e SatãSexo e Satã
As mensagens subliminares em capas de Rock

SlashSlash
Alucinações, sexo, dinheiro e armas de fogo no auge do vício

5000 acessosGuitarra: o riff mais popular de todos os tempos5000 acessosMetallica: gosto musical impediu que se tornassem um Maiden5000 acessosBlender: as letras mais repulsivas do Heavy Metal5000 acessosMais true que o original: Gangnam Style em versão Metal4326 acessosHeavy Metal: M. Shadows do A7X elege seus 10 discos preferidos5000 acessosGinger Baker: ele odeia profundamente o Heavy Metal

Sobre Renê Freitas

Autor sem foto e/ou descrição cadastrados. Caso seja o autor e tenha dez ou mais matérias publicadas no Whiplash.Net, entre em contato enviando sua descrição e link de uma foto.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online