Rhapsody Of Fire: Como foi a apresentação em São Paulo

Resenha - Rhapsody Of Fire (Carioca Club, São Paulo, 30/06/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Thiago Fuganti
Enviar correções  |  Ver Acessos

Épico, pesado, cinematógrafico, teatral! A noite de sábado, 30 de junho, ficará marcada para sempre na cabeça dos fãs de um das mais emblemáticas e queridas bandas de Symphonic/Power Metal do mundo que foram ao Carioca Club, em São Paulo, a italiana RHAPSODY OF FIRE!

Red Hot Chili Peppers: Josh Klinghoffer fala à imprensa pela primeira vez desde saídaSolos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NME

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Fotos: Leandro Anhelli (www.anhelli.com.br)

Entrei no Carioca por volta de 18h40 e o que me impressionou logo de cara foi a lotação da casa, já estava praticamente cheia!

As 19h00 horas, a intro "Dark Mystic Vision" soou no PA's, e em seguida Alex Staropoli (teclado), Tom Hess e Roberto De Micheli (guitarras), Oliver Holzwarth (baixo) e Alex Holzwarth (bateria) adentraram o palco, iniciando com "Ad Infinitum", música que também abre o último registro da banda e já emendando com "From Chaos to Eternity", faixa título do mesmo disco. Fabio Lione entrou apenas nessa música, e já o fez
com a platéia ganha, cantando o refrão junto com o vocalista.

Antes de próxima música, Fabio conversa pela primeira vez (de muitas) com a platéia, dizendo que era o último show da turnê e era ótimo estar justamente terminando em São Paulo. A épica (se bem que os adjetivos épicos/cinematográficos podem ser aplicados a todas a músicas da banda) "Triumph or Agony" foi a próxima! A banda ao vivo usa muitos overdubs dos coros e narrações (narrações que em sua maioria são do grande ator Cristopher Lee) que estão nos CD's, deixando as músicas quase que iguais as versões de estudio, e engrandecendo ainda mais o show.

"The March of the Swordmaster" música da época que a banda se chamava apenas RHAPSODY foi a primeira visita aos clásssicos que os Italianos fizeram na noite, seguida pela "Unholy Warcry"! Essa música, com seu inicio totalmente cinematográfico com a poderosa voz do Cristopher Lee é de arrepiar ao vivo, além de mostrar o quão bons são os novos guitarristas, incumbidos de substituir um dos fundadores da banda, o guitarrista Luca Turilli, pois apresenta passsagens intrincadas, com muitos arpejos rápidos.

A próxima, "Lamento Eroico" foi um show de interpretação de Fabio Lione, intrerpretação e voz! Pois além de cantar com muita emoção, ainda fica transitando entre seu vocal normal e o vocal de tenor, mais grave, dando assim um clima mais dramático pra música.

Diretamente do primeiro disco veio "Land of Immortals"! Não preciso nem dizer que a galera se 'esgoelou' no refrão! Depois dessa veio dois solos, como já é tradição nos shows da banda. Primeiro do batera Alex Holzwarth, depois do baixista Oliver Holzwarth.

Mais uma de refrão épico, daquelas de você sair cantando antes de uma batalha! Falo da "Knightrider of Doom ", do disco "Power Of The Dragonflame", seguida por "The Village of Dwarves", da alegre "The Magic of the Wizard's Dream" e da rápida "Holy Thunderforce".

A banda então sai do palco pela primeira vez, retornando após alguns instantes com "Reign of Terror", do disco "The Frozen Tears of Angels". Mais uma música que resume o RHAPSODY, clássica, épica, rápida e pesada, com refrão grandioso!

Mais uma saída de palco, desta vez para o bis definitivo, que veio com "Emerald Sword", "Act VI: Erian's Lost Secrets" e "The Splendour of Angels' Glory (A Final Revelation)", esta última contando mais uma vez com a narração de Cristopher Lee. A derradeira música foi "Sea of Fate", do último CD.

Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal

Do inicio ao fim, foi um show sensacional, carregado de emoção, principalmente da parte do vocalista Fabio Leoni. Agora é aguardar pela continuação deste grandioso trabalho nos próximos CD's, pois a banda sofreu um racha e um dos seus principais compositores (o já citado guitarrista Luca Turilli) saiu. E é claro, mais passagens pelo Brasil, de preferência com shows em mais cidades.

Set-list:

Act II: Dark Mystic Vision (intro)
Ad Infinitum
From Chaos to Eternity
Triumph or Agony
The March of the Swordmaster
Unholy Warcry
Lamento Eroico
Land of Immortals
Drum Solo
Bass Solo
Dawn of Victory
Holy Thunderforce
The Magic of the Wizard's Dream

Encore:
Reign of Terror

Encore 2:
Emerald Sword
Act VI: Erian's Lost Secrets
The Splendour of Angels' Glory (A Final Revelation)
Sea of Fate


Outras resenhas de Rhapsody Of Fire (Carioca Club, São Paulo, 30/06/2012)

Rhapsody Of Fire: Mais uma apresentação histórica no Brasil Rhapsody of Fire: Confira como foi o show em São Paulo



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Rhapsody"


Power Metal: os 25 maiores álbuns do estiloPower Metal
Os 25 maiores álbuns do estilo

Rhapsody Of Fire: Staropoli fala sobre Lione, Holzwarth e futuro da bandaRhapsody Of Fire
Staropoli fala sobre Lione, Holzwarth e futuro da banda


Red Hot Chili Peppers: Josh Klinghoffer fala à imprensa pela primeira vez desde saídaRed Hot Chili Peppers
Josh Klinghoffer fala à imprensa pela primeira vez desde saída

Solos de guitarra: lista dos 50 melhores segundo a NMESolos de guitarra
Lista dos 50 melhores segundo a NME


Sobre Thiago Fuganti

Catarinense, mas vive atualmente em São Paulo 'Chaos City'. Começou no metal com Iron Maiden, que até hoje acha a melhor banda do mundo, porém descobriu o lado extremo (black, death, doom) e não parou mais. Hoje em dia ouve muitos estilos, desde música clássica a death metal - passando pelas clássicas bandas de metal -, mas a ênfase mesmo fica com o Black Metal.

Mais matérias de Thiago Fuganti no Whiplash.Net.

Goo336x280 GooAdapHor Goo336x280