Matérias Mais Lidas

imagemMaiden faz homenagem a Eddie, do Stranger Things, que foi inspirado em tragédia real

imagemOs dez álbuns de Heavy Metal favoritos de Rob Halford, e os dez de qualquer gênero

imagemA prática mesquinha de bandas que Edu Falaschi considera "desrespeitoso com o fã"

imagem10 músicas dos Beatles das quais Paul McCartney não gostava

imagemRichard Fortus diz que Axl Rose danificou as cordas vocais

imagemQuando Dave Mustaine mostrou como tocar uma música do Metallica de forma mais pesada

imagemJoão Gordo diz que era um "bolsominion homofóbico" e explica motivo

imagemO mega sucesso do Led Zeppelin que era pra ser uma piada mas se tornou um hino

imagemLed Zeppelin: Crítica de George Harrison fez Jimmy Page compor "The Rain Song"

imagemMembros do Metallica ficaram deslumbrados com "Master Of Puppets" em "Stranger Things"

imagemSlash explica porque o Guns N' Roses faz shows de 3 horas e meia

imagemAerosmith: O pior e o melhor álbum da discografia segundo Joe Perry

imagemO que Lemmy Kilmister aprendeu trabalhando como roadie de Jimi Hendrix

imagemO clássico dos Stones que foi escrito em um motel e não deixou Keith Richards satisfeito

imagemLíder do Behemoth mostra seu lado menos satânico e já chorou com música sobre Jesus


Airbourne 2022
Finlandia 2022

Richie Kotzen: Um show coeso e refinado em Porto Alegre

Resenha - Richie Kotzen (Beco, Porto Alegre, 10/06/2012)

Por Paulo Finatto Jr.
Em 12/06/12

O currículo de RICHIE KOTZEN é realmente invejável. Por mais que o músico possua uma carreira solo recheada por ótimos discos, é o seu passado ao lado de dois ícones do hard rock mundial - POISON e MR. BIG – que tornam a sua trajetória ainda mais brilhante e impressionante. Para promover o seu mais recente álbum, o incrível "24 Hours" (2011), o norte-americano retornou ao Brasil, mais ou menos um ano após o seu último giro pelo país. O show de encerramento da turnê foi em Porto Alegre e praticamente lotou o Beco no dia 10 de junho. O público que compareceu não se arrependeu do que viu em cima do palco – em mais um espetáculo com o selo de qualidade da produtora Abstratti.

Fotos: Liny Rocks

O comprometimento de RICHIE KOTZEN com o instrumento de seis cordas dispensa maiores comentários. Com um estilo único que mistura rock, fusion e blues, o músico mostra muita personalidade em cima do palco e ainda se destaca por ser um exímio vocalista também. Com cerca de trinta minutos de atraso (necessário para que todo mundo que estava do lado de fora entrasse no local), RICHIE KOTZEN (vocal e guitarra), Dylan Wilson (baixo) e Mike Bennett (bateria) subiram ao palco do Beco para iniciar o último repertório previsto para a turnê brasileira, um pouco diferente se comparado com o set-list apresentado em São Paulo, dias atrás. A música "Bad Situation" – provavelmente a melhor de "24 Hours" (2011) – foi a escolhida para abrir a noite de maneira certeira. O som da casa – famosa mais pelas suas festas e menos pelos seus shows – era ótimo e completamente adequado para a performance do trio norte-americano. O clima mais próximo do fusion e do blues foi o que imperou no início do espetáculo, que continuou com "Help Me", outra retirada do último álbum de RICHIE KOTZEN.

Embora toda a competência técnica do artista norte-americano seja clara e transparente, era visível que RICHIE KOTZEN se poupava, sobretudo ao cantar. O músico já havia cancelado uma série de shows em abril, após a turnê europeia de "24 Hours" (2011), por conta de sérios problemas com as cordas vocálicas. Porém, o desempenho ao vivo não foi comprometido na capital gaúcha, pois RICHIE KOTZEN apenas tirou o pé do acelerador nos momentos em que era mais exigido em frente ao microfone. O espetáculo prosseguiu – para o deleite dos presentes – com a dobradinha que certamente todos esperavam ver. Os clássicos "Shine" (do MR. BIG) e "Stand" (do POISON) foram executados praticamente sem pausa e contaram com o suporte d o público, que cantou junto. Na sequência, as baladas foram deixadas um pouco de lado para que RICHIE KOTZEN se concentrasse em uma música mais rápida e com riffs/solos mais elaborados: "Fooled Again". As faixas "Fear" e "Doing What the Devil Says to Do" vieram em seguida e retomaram o aspecto mais cadenciado do espetáculo.

O repertório continuou com a faixa que mais deixou claro que RICHIE KOTZEN preservava a sua voz. Com o apoio da plateia, que cantou junto com o guitarrista boa parte da letra e principalmente o refrão, "High" foi outro momento de destaque da noite. O talento de RICHIE KOTZEN – que se estende também à categoria de compositor – é mais um motivo que torna o seu show imprescindível para quem aprecia o que o rock n’ roll tem de melhor. Embora um pouco desleixado com a sua aparência (figurino) em cima do palco, a performance do norte-americano é de encher os olhos por sua elegância. O solo emotivo de "High" e toda parte instrumental de "Peace Sign" comprovaram que a virtuose técnica é mais um caminho pelo qual RICHIE KOTZEN se destaca – e que não é por acaso que o músico possui dois instrumentos da marca Fender com a sua assinatura. Na sequência do espetáculo, "24 Hours" e "Remember" mantiveram o alto astral da noite. A balada do álbum "Get Up" (2004) foi cantada por quase todos os presentes e muito aplaudida ao seu final.

Com quase 1h30 de duração, o último show da turnê brasileira de "24 Hours" (2011) estava muito perto do seu fim. A rápida e animada "Paying Dues" foi a faixa escolhida para antecipar o bis e derradeiro final com "Go Faster". O show coeso e refinado de RICHIE KOTZEN pode ser considerado um dos principais eventos que passaram pela capital gaúcha no mês de junho. Embora possua uma carreira extensa e aclamada pela crítica especializada, é impressionante como o talento de RICHIE KOTZEN ainda é pouco reconhecido e valorizado aqui no Brasil. Por mais que tenha preservado a sua voz nos momentos mais intensos da noite, o músico norte americano animou e emocionou muita gente no Beco. O que resta agora é esperar que o guitarrista retorne a capital gaúcha na sua próxima turnê.

Set-list:

01. Bad Situation
02. Help Me
03. Shine (Mr. Big)
04. Stand (Poison)
05. Fooled Again
06. Fear
07. Doing What the Devil Says to Do
08. High
09. Peace Sign
10. 24 Hours
11. Remember
12. Paying Dues
13. Go Faster

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp
publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Veja Adrian Smith cantar Wasted Years, do Iron Maiden, com Kotzen e músicos do BrasilVeja Adrian Smith cantar "Wasted Years", do Iron Maiden, com Kotzen e músicos do Brasil

Bruno Valverde e Julia Lage farão tour com Adrian Smith e Richie KotzenBruno Valverde e Julia Lage farão tour com Adrian Smith e Richie Kotzen


Mr. Big: Richie Kotzen comenta morte de Pat Torpey



Sobre Paulo Finatto Jr.

Reside em Porto Alegre (RS). Nascido em 1985. Depois de três anos cursando Engenharia Química, seguiu a sua verdadeira vocação, e atualmente é aluno do curso de Jornalismo. Colorado de coração, curte heavy metal desde seus onze anos e colabora com o Whiplash! desde 2000, quando tinha apenas quinze anos. Fanático por bandas como Iron Maiden, Helloween e Nightwish, hoje tem uma visão mais eclética do mundo do rock. Foi o responsável pelo extinto site de metal brasileiro, o Brazil Metal Law, e já colaborou algumas vezes com a revista Rock Brigade.

Mais informações sobre

Mais matérias de Paulo Finatto Jr..