Resenha - Arkona (Clash Club, São Paulo, 28/04/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por José Antonio Alves
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Depois de um boato de show no último ano, finalmente a banda russa Arkona chegou ao Brasil, para uma turnê de quatro shows. Após o sucesso das passagens de Eluveitie, Finntroll, Cruachan, Korpiklaani, entre outras, a banda é uma daquelas que muitos fãs do estilo clamavam por uma apresentação há muito tempo, e com certeza a noite de 28 de abril ficou marcada para muitos dos presentes no Clash Club, local escolhido para a apresentação.

Exodus: "Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary HoltThin Lizzy, Metallica: A história de "Whiskey in the Jar"

O clima era de inverno, não tão proporcional ao que Masha Arhipova (vocais) Sergei "Lazar" (guitarra), Ruslan "Kniaz" (baixo), Vlad "Artist" (bateria) e Vladimir "Volk"(instrumentos étnicos) enfrentam em sua terra natal, a Rússia, mas a noite era agradável e prometia várias coisas interessantes.

Mesmo com certo atraso na abertura da casa, os fãs puderam adentrá-la e já se preparar para as apresentações da noite. A primeira foi proporcionada pelo grupo de dança russa Volga, que ao som de Arkona fez uma homenagem à banda. Logo vieram os combates já tradicionais do grupo Ordo Draconis Belli, que demonstra evolução em cada uma das apresentações, simulando verdadeiras batalhas no meio do público que acompanhava de perto.

O bom público presente acompanhou a abertura do SKALDIC SOUL, de Jundiaí. A banda pratica um som vigoroso com influências de Ensiferum e posso afirmar que ao vivo o grupo evolui a cada apresentação, já tive a oportunidade de vê-los ao vivo em outras oportunidades e com certeza os rapazes prometem coisa boa pela frente! Destaque para a performance de flautas (whistles) que impressiona, tamanha a técnica empregada, que a evidencia no grupo.

E chega a hora de presenciarmos Masha e companhia quando a intro "Az", do último álbum "Slovo", começa a ser executada, logo emendada com a faixa de abertura do mesmo trabalho, "Arkaim". Essa música mostra bem como é caracterizada a música da banda: partes extremas em alternância, que logo são mescladas com ritmos folk (dançantes, na maioria das vezes).

Do álbum homônimo de 2007, veio a belíssima "Ot Serdca K Nebu", uma das grandes composições da banda e a favorita devários fãs, "Goi, Rode, Goi!". A essa altura, já impressionava a marcante presença de palco de Masha, que pulava, bangueava, dançava e proferia um "Obrigado Amigos!" no intervalo de algumas das canções.

Voltando ao último álbum da banda, "Leshiy" e "Slovo" trataram de aquecer ainda mais o público no Clash Club, juntamente com a animada "Pamiat", do álbum "Goi, Rode, Goi!", de 2009. "Slavsya Rus" é um típico hino que exalta o nacionalismo da banda: a música fala da natureza e beleza do território russo, bem como de seus lugares sagrados. Aliás, temas como esse são frequentemente adotados nos álbuns da banda, juntamente com crenças pagãs e outros assuntos relacionados com a história russa.

A banda em si mostra boa presença de palco, exceção feita ao baixista "Kniaz" que é mais "na dele", mas pudemos presenciar o guitarrista Sergei "Lazar" constantemente interagindo, fazendo gestos e elevando a empolgação do público. Destaco as ótimas "Marena" e "Po Syroi Zemle", mais exemplos de faixas que foram bem reproduzidas, aliás, várias bandas folk criam um som muito bom ao vivo mesmo com a dificuldade que é lidar com instrumentos típicos, o que mostra que há muita competência por parte dos músicos.

Uma das músicas que eu mais aguardava era a faixa "Stenka na Stenku". Quem achava que não poderia rolar um "wall of death" no show folk se enganou, a exemplo do videoclipe desta canção, onde lutadores se degladiam ao som da banda, formou-se uma verdadeira batalha entre os fãs. A mensagem da música é de fortalecimento do espírito de luta, como a banda mesmo descreve.

O final do show foi composto por mais três boas composições, as dançantes "Maslenitsa", "Yarilo" e "Kupala I Kostroma", que fizeram o público usar a energia que ainda restava para agitar e encerrar a "festa russa" em São Paulo.

Foi uma longa espera, mas com certeza todos que aguardaram esta apresentação não saíram decepcionados, resta esperar por mais algumas apresentações por aqui no futuro, pois creio que o Arkona é mais uma banda que colocará o Brasil em seu roteiro constantemente, para trazer mais uma vez brutalidade e folk de qualidade.

Setlist:

1. Arkaim
2. Ot Serdca K Nebu
3. Goi, Rode, Goi!
4. Leshiy
5. Slovo
6. Pamiat
7. Slavsya Rus
8. Zakliatie
9. Katitsja Kolo
10. Kolomiyka
11. Marena
12. Po Syroi Zemle
13. Kupalets
14. Stenka Na Stenku
15. Solntsevorot
16. Maslenitsa
17. Yarilo
18. Kupala I Kostroma


Outras resenhas de Arkona (Clash Club, São Paulo, 28/04/2012)

Arkona: duas horas de Heavy Metal e música folk eslava




GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Arkona"


Exodus: Rick Rubin é uma verdadeira fraude, diz Gary HoltExodus
"Rick Rubin é uma verdadeira fraude", diz Gary Holt

Thin Lizzy, Metallica: A história de Whiskey in the JarThin Lizzy, Metallica
A história de "Whiskey in the Jar"

Musas inspiradoras: as esposas mais lindas dos rockstarsMusas inspiradoras
As esposas mais lindas dos rockstars

Dave Mustaine: 10 coisas que você não sabia sobre eleDoom Metal: os dez trabalhos essenciais do estiloIgor Cavalera: Max e eu acreditamos que o Sepultura não faz mais sentidoRecomendações: Canais do YouTube relacionados a Rock/Heavy Metal

Sobre José Antonio Alves

Aventureiro, mochileiro, amante da cultura latina e claro, fã de um dos estilos mais fascinantes deste universo musical: o Heavy Metal!

Mais matérias de José Antonio Alves no Whiplash.Net.