God Save The Queen: perfeccionismo no show em São Paulo

Resenha - God Save The Queen (Via Funchal, São Paulo, 03/02/2012)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Otávio Augusto Juliano
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Perfeccionismo. Esta é a palavra que me veio à mente após assistir à apresentação realizada pela banda tributo GOD SAVE THE QUEEN nesta sexta-feira de muito calor em São Paulo. Já muito conhecido dos brasileiros (a banda tem passado por aqui todo ano, desde 2008), os nossos “hermanos” argentinos Pablo, Francisco, Matias e Ezequiel são fiéis ao grupo que prestam homenagem: o grandioso QUEEN.

5000 acessosBrian Johnson: No palco com Robert Plant e Paul Rodgers5000 acessosUnplugged MTV: as dez melhores apresentações

God Save The Queen – Via Funchal, São Paulo – SP
Fotos por Leandro Anhelli (www.anhelli.com.br)

A apresentação não teve pista e a plateia se dividiu nas muitas mesas espalhadas pela Via Funchal lotada. De onde eu estava, ao lado da mesa de som, procurei observar se havia muitos lugares vazios na parte de baixo da casa e percebi que praticamente não tinha espaço algum. Até as mesas mais distantes do palco tinham sido compradas e estavam ocupadas.
Casa cheia e todos prontos para ouvir clássicos de uma das maiores bandas de Rock do mundo, a começar por “One Vision”, que abriu o show, às 22:30hs, inicialmente marcado para 22hs. Devidamente caracterizados como seus ídolos, os músicos foram recebidos com entusiasmo pelo público e emendaram logo no início mais duas grandes músicas: “Under Pressure” e “Radio Ga Ga”.

O som, já desde o início, estava ótimo e se ouvia com perfeição todos os instrumentos, tocados com igual perfeição pelos músicos. A qualidade de som, aliada às luzes coloridas do palco deixavam claro que seria mais uma grande homenagem ao QUEEN.

Se no palco os músicos faziam muito bem a parte deles, em canções como “Crazy Little Thing Called Love” e “Another One Bites The Dust” os fãs acompanhavam com palmas e engrandeciam ainda mais o espetáculo, obedecendo aos pedidos do vocalista. Pablo tem um timbre de voz bastante parecido com o de Freddie Mercury e o incorpora de forma realmente fiel, tanto nos trajes e trejeitos, quanto ao cantar e tocar piano.

Nem preciso dizer que grande parte das canções foi cantada pelo público a plenos pulmões, como em “I Want It All”, que foi seguida por um solo de guitarra de Francisco.

Para fechar a primeira parte do show, antes do famoso bis, a banda escolheu o grito de liberdade de “I Want To Break Free”, com Pablo voltando ao palco caracterizado como mulher, e ainda “Bohemian Phapsody”, que fez o público levantar das cadeiras para aplaudir.

As luzes se apagaram à meia-noite e poucos segundos depois se acenderam novamente, para a banda retornar com “The Show Must Go On”, “We Will Rock You”, com Pablo enrolado em uma bandeira do Brasil, e então “We Are The Champions”.

Embora depois dessa trinca final a casa ainda continuava com as luzes apagadas, tudo indicava que realmente o show havia acabado e muitos dos presentes, inclusive este redator que vos escreve, já se preparavam para se retirar, quando o grupo retornou ao palco novamente para tocar uma canção que não estava inicialmente no set list que o operador da mesa de som utilizava como referência.

Com toda a plateia em pé, o hino do Rock “Tie Your Mother Down” fechou a apresentação do GOD SAVE THE QUEEN, com quase duas horas de duração.

Resumo da noite: uma Via Funchal lotada de fãs para receber de braços abertos os também fãs (e músicos) do GOD SAVE THE QUEEN, todos juntos para prestar uma linda homenagem a esse gigante do Rock, o QUEEN.

Certamente o legado deixado pela formação clássica da banda está em boas mãos com o GOD SAVE THE QUEEN. Voltem sempre a São Paulo e ao Brasil.

Agradecimentos a Miriam Martinez pela atenção e credenciamento.

Banda:

Pablo Padin (vocais/violão/piano)
Francisco Calgaro (guitarra)
Matias Albornoz (bateria)
Ezequiel Tibaldo (baixo)

Set List:

1. One Vision
2. Under Pressure
3. Radio Ga Ga
4. Somebody To Love
5. Play The Game
6. Fat Bottomed Girls
7. In The Lap Of The Gods/Seven Seas Of Rhye
8. Crazy Little Thing Called Love
9. Another One Bites The Dust
10. Kind Of Magic
11. I Want It All
12. Solo Guitarra
13. Now I´m Here
14. Save Me
15. Love Of My Life
16. Killer Queen
17. Keep Yourself Alive
18. Solo Bateria
19. I Want To Break Free
20. Bohemian Rhapsody

Bis
21. The Show Must Go On
22. We Will Rock You
23. We Are The Champions

Bis 2
24. Tie Your Mother Down

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

AC/DCAC/DC
Brian Johnson, Robert Plant e Paul Rodgers no palco

2234 acessosQueen: Rami Malek fala sobre interpretar Freddie Mercury em filme477 acessosJames Gunn: diretor venceu depressão graças a Queen e Sex Pistols416 acessosQueen: banda lança lyric video de "Somebody To Love"791 acessosCauã Reymond: o "Fred Mercury" tupiniquim0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Queen"

QueenQueen
Algumas curiosidades sobre a banda

Rock e MetalRock e Metal
Quais álbuns antigos ainda estão na Billboard 200?

Freddie MercuryFreddie Mercury
Mostrando para Kanye West como se canta Bohemian Rhapsody

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "God Save the Queen"0 acessosTodas as matérias sobre "Queen"

Unplugged MTVUnplugged MTV
As melhores apresentações segundo Gibson.com

LobãoLobão
Show mais curto da história do Rock não pertence a ele

Simone SimonsSimone Simons
A nudez na capa de Divine Conspiracy

5000 acessosBret Michaels: a pornografia que quase o matou5000 acessosRed Hot Chili Peppers: Rock & Roll está morto, diz Flea5000 acessosUltimate Guitar: os 100 melhores solos de guitarra4995 acessosThrash Metal: os 10 álbuns essenciais dos anos 805000 acessosIron Maiden: Steve Harris odiava os Punks5000 acessosCapas: algumas das mais toscas de todos os tempos - Parte 1

Sobre Otávio Augusto Juliano

Otávio é paulistano, tem 29 anos e faz algo nada a ver com o Rock: é advogado. Por gostar muito de música e não possuir talento algum para tocar instrumentos musicais, tornou-se um comprador compulsivo de cds. Sempre interessado em leitura ligada ao Rock e Metal, começou a enviar algumas pequenas colaborações para a Whiplash e hoje contribui principalmente com textos relacionados ao Hard Rock, estilo musical de sua preferência. De qualquer forma, é eclético e não dispensa álbuns de todas as demais vertentes do Metal, sendo fã incondicional de W.A.S.P., Mötley Crüe e dos trabalhos do guitarrista Steve Stevens.

Mais matérias de Otávio Augusto Juliano no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online