Dark Funeral: Passagem polêmica pelo Brasil

Resenha - Dark Funeral (Churrascaria Floresta, Brasília, 14/12/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Pedro Humangous, Fonte: Hell Divine
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.

Quarta feira, 14 de dezembro. Dia chuvoso na capital do Brasil. Na mesma cidade, aconteceria o show da banda sueca de Black Metal, Dark Funeral. Primeiramente, a produção do Aliança Underground está de parabéns pela atitude e coragem de trazer uma banda desse porte para Brasília. Confesso que não esperava um grande público, afinal, era um dia de semana e a cena local não costuma lotar os shows do underground, menos ainda de bandas desse estilo. Mesmo assim, saí cansado de mais um dia árduo de trabalho e fui em direção ao local do show. O evento estava marcado para começar às 20 horas, mas como sabemos, nenhum show começa na hora determinada nos flyers. Como saio do trabalho por volta das 19 horas, fui direto para o show, a fim de encontrar uma boa vaga para o carro e conversar com os produtores, amigos, etc. Chegando lá, já encontro os bons e velhos bangers bebendo do lado de fora e aguardando a abertura dos portões. Após o cadastramento de imprensa, entrei no salão onde aconteceriam as grandes apresentações.

5000 acessosSlayer: Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido5000 acessosCristina Scabbia: cantora fala sobre seus seios e Playboy

Foto da chamada: Pierre Cortez


As bandas de abertura eram: Ain Sof Aur, Vultos Vocíferos e Omfalos. Logo de cara, encontrei com o Ítalo Guardieiro (vocalista da banda Device), Caio Duarte (vocalista da banda Dynahead), Zé Misanthrope (vocalista do Omfalos) e mais tarde apareceu o Daniel Moscardini (baterista da banda Coral de Espíritos). Ficamos trocando umas idéias enquanto a galera passava o som. O tempo passa e nada dos portões abrirem para o público e nada dos shows começarem. Enquanto isso, os roadies do Dark Funeral aproveitavam para fazerem uso de substâncias ilícitas.


Depois de mais ou menos uma hora de atraso, as pessoas começam a entrar e a banda Omfalos sobe ao palco, tentando montar seu equipamento e regular o som. Foi nesse momento que a noite – que tinha tudo pra ser sensacional – se tornou em um verdadeiro caos. Após um pequeno desentendimento entre um roadie dos suecos e o guitarrista do Omfalos, os ânimos se exaltaram e quase saiu uma briga, daquelas de soco na cara mesmo. Como eu estava do lado oposto do palco, fiquei olhando atentamente de longe vendo aquela palhaçada aparentemente por nada. Quando o mesmo guitarrista pluga sua guitarra no amplificador destinado ao Dark Funeral, a coisa ficou feia.


Mais uma vez os roadies praticamente se descabelaram e mandaram desligar. A banda, por sua vez, resolveu não tocar. Houve um pequeno tumulto nos bastidores entre a produção e os roadies. Foi notório que os gringos estavam afim de confusão na noite, tudo era motivo pra falar mais alto e com ar de superioridade. A banda já ficou famosa poucos dias antes quando se recusou a se apresentar no Rio de Janeiro pelo simples motivo do hotel não ser cinco estrelas. Estava pressentindo algo parecido por aqui. As outras duas bandas de abertura que restavam se recusaram a tocar também diante tanta confusão e prepotência da equipe do Dark Funeral. Todos os músicos, revoltados, se retiraram do local e não ficaram para ver a banda principal.


Após uma nova longa espera, sobe ao palco o quinteto já caracterizado com seu corpse paint. Para minha surpresa, o público estava muito bom e todos muito animados. O show da banda é inegavelmente incrível, com qualidade de som e performance. Durante o show, alguém da platéia atirou uma garrafa no rosto de um dos guitarristas, que imediatamente largou seu instrumento no chão e desceu furioso no meio da galera em busca do indivíduo. A banda toda para e fica esperando a situação lamentável se resolver.

No final da apresentação, a segurança não deu conta e algumas pessoas subiram no palco, provocando mais uma confusão com os roadies. Mais uma briga começava. A banda saiu rapidamente e ficou aquela bagunça generalizada. A noite tinha tudo para ser marcante. E foi. Pena que da maneira errada. Difícil dizer de quem é a culpa e nem quero apontar o dedo a nenhuma das partes. O fato é que o Dark Funeral chegou cheio de pompa, se achando estrelas do metal mundial. Praticamente um Madureira querendo ser Real Madrid. Para que o metal se mantenha forte e unido, é preciso primeiramente respeito. E esse não compareceu no dia.

Texto e fotos: Pedro Humangous (Editor Chefe da revista Hell Divine)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Dark Funeral"

Justin BieberJustin Bieber
Convidado para participar de show do Dark Funeral

MetalMetal
Em vídeo, 10 bandas satanistas de fato

Metal InjectionMetal Injection
Os cinco bateristas mais insanos do Black Metal

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Dark Funeral"0 acessosTodas as matérias sobre "Omfalos"0 acessosTodas as matérias sobre "Vultos Vociferos"

SlayerSlayer
Gary Holt é realmente um cara mal-agradecido

Cristina ScabbiaCristina Scabbia
Cantora fala sobre seus seios e Playboy

Fascínio pelo terrorFascínio pelo terror
Cinco bandas que dão medo

5000 acessosEmos: 23 músicas que já estiveram na sua playlist5000 acessosDave Navarro: conheça a filha atriz pornô do músico5000 acessosAndreas Kisser: "Eloy Casagrande talvez não seja humano"5000 acessosMegadeth: vídeo de "Poisonous Shadows" em 360º5000 acessosJoão Gordo: "Velho, o rock está morrendo!"5000 acessosMotorhead: veja foto de edição de homenagem da Jack Daniel's

Sobre Pedro Humangous

Pedro Humangous, 28 anos, publicitário headbanger. Dono e editor chefe da revista Hell Divine. Santista apaixonado por música e uma boa cerveja. Atualmente reside em Brasília e não poupa esforços para fazer o metal se fortalecer no país. Já colaborou com as revistas portuguesas Versus e Horns Up, além da coluna “Rolo Compressor” na rádio Nucleo Base. Colecionador de CD´s, DVD´s, Livros e Action Figures, concentra suas forças no metal extremo, sem deixar de lado os demais estilos. Fanático por Opeth, Iron Maiden, Trivium, Kreator, Dream Theater, Baroness, Suicide Silence, entre tantas outras. Siga: @PedroHumangous

Mais matérias de Pedro Humangous no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online