RECEBA NOVIDADES ROCK E METAL DO WHIPLASH.NET NO WHATSAPP

Matérias Mais Lidas

imagemA atitude ousada da Legião Urbana ao peitar Globo e Faustão no meio de uma grande crise

imagemO Raul Seixas não era nada daquilo que ele falava, diz ex-parceiro musical

imagemA razão que levou Humberto Gessinger a decidir não usar mais nome "Engenheiros do Hawaii"

imagemPor que Gisele Bündchen e Ivete Sangalo deturparam "Imagine", segundo André Barcinski

imagemDiva Satânica explica qual foi a razão que a fez deixar a banda Nervosa

imagemO último show de Bon Scott com o AC/DC, três semanas antes de sua morte

imagemA hilária reação de Keith Richards ao encontrar músicos do Maneskin

imagemDavid Coverdale relembra parceria com Jimmy Page, e fala sobre relançamento

imagemAs duas razões que levaram RPM a passar por segunda separação em 2003

imagemEm entrevista, Tony Iommi contou como aprendeu a tocar guitarra

imagemAlém do Moonspell, São Paulo Metal Fest anuncia Beyond Creation em seu cast

imagemAngra parabeniza a aniversariante Sandy nas redes sociais

imagemJimmy Page sobre o "Presence": "Não se faz músicas como aquelas caindo de bêbado"

imagemGuitarrista do Offspring continuou em seu emprego normal mesmo depois da fama

imagemPrika explica por que nova vocalista da Nervosa não é brasileira e promete single em março


Summer Breeze

Alice In Chains: banda estava em grande forma no SWU

Resenha - Alice In Chains (SWU, Paulínia, 14/11/2011)

Por Pedro Sant'Anna
Postado em 03 de dezembro de 2011

Não nego a minha paixão pelo Alice In Chains. Mesmo tendo minhas principais influências musicais no thrash metal oitentista, a banda de Jerry Cantrell me encantou logo de cara, inclusive ajudando-me a abrir a mente para outros estilos do rock.

Quando conheci a banda ela já estava vivendo o imenso hiato pós-morte de Layne, o que, de certa maneira, me frustrava. O material lançado até o auto-intitulado álbum de 1995 me deixava com "sede de mais". Era como se todo aquele potencial pudesse ser convertido em milhares de novas músicas!

A volta do Alice (digo em termos de lançamentos de estúdio) trouxe, pelo menos para mim, um misto de esperança e receio, já que era difícil prever o resultado de uma reunião após 14 anos. Sim! Sei que o Jerry lançou ótimos discos em sua carreira solo, mas com o Alice a expectativa se fazia ainda maior.

Pois bem... Após longa espera recebemos um presente de altíssima qualidade, com um novo integrante escolhido a dedo e, acima de tudo, disposto a não se ater a um cover do falecido Layne. "Black Gives Way to Blue" correspondeu em todos os sentidos, marcando uma bela estreia de Duvall em sua dupla vocal com Cantrell. Ótimo disco, confirmando uma vertente da banda voltada para o heavy metal. Um CD pesado e melódico, que não deixou de lado o lirismo depressivo característico do Alice.

Agora, analisemos a vinda dos caras para o Brasil, mais precisamente ao festival SWU. O evento em si não me chamou muita atenção, com exceção às apresentações de bandas como Down, Megadeth e o próprio Alice In Chains. Me preparei somente para vê-los. Fiquei até surpreso com a recepção do público com os times liderados por Anselmo e Mustaine. Não sabia se teríamos quórum voltado para Stone Temple Pilots e similares (com todo o respeito) ou para um som mais intenso e elaborado. A ansiedade se aproximou nos minutos que precederam a apresentação do Alice.

Quando a banda subiu ao palco, foi possível perceber a energia do show já na abertura: "Them Bones" e "Down That River" foram capazes de entusiasmar a todos. Com a recepção calorosa do público, que enfrentou o frio e a chuva, a banda retribuiu da melhor forma, com carisma e muito "feeling". E algo me chamou a atenção: Os fãs do Alice são, de fato, pessoas que carregam o som da banda como trilha sonora de suas próprias vidas. Muitos gritavam, pulavam e choravam durante a exibição de clássicos como "Got Me Wrong", "Nutshell" e "Downs In a Hole". Destaque para a aula de guitarra dada pelo Jerry Cantrell: Um primor nos solos cadenciados, mas muito bem executados. Duvall foi muito bem, surpreendendo até a mim.

Para fechar sem decepções, o show terminou com a esperada "Would?", antes passando por outros clássicos e excelentes músicas do "Black Gives Way To Blues". Foi muito bacana vê-los tocando "Last Of My Kind" e "Check My Brain", sons com peso e melodia na medida certa.

Enfim, espero revê-los em breve. Mas saio com a certeza que uma lacuna em minha vida foi preenchida numa noite inesquecível.


Outras resenhas de Alice In Chains (SWU, Paulínia, 14/11/2011)

Resenha - Alice In Chains (SWU, Paulínia, 14/11/2011)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no WhatsAppCompartilhar no Twitter

Siga e receba novidades do Whiplash.Net:
Novidades por WhatsAppTelegramFacebookInstagramTwitterYouTubeGoogle NewsE-MailApps


Stamp

Bandas: cartazes minimalistas com seus nomes

Grunge: por que as músicas do estilo trazem tanta angústia, segundo Eddie Vedder

Alice In Chains: a opinião do pai de Layne Staley sobre William DuVall


publicidadeAdemir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | André Silva Eleutério | Bruno Franca Passamani | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Euber Fagherazzi | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Henrique Haag Ribacki | José Patrick de Souza | Julian H. D. Rodrigues | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Sergio Luis Anaga | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva |
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp
Anunciar bandas e shows de Rock e Heavy Metal