Millencolin: ainda melhores no último show em Porto Alegre

Resenha - Millencolin (Bar Opinião, Porto Alegre, 11/11/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Por Lucas Steinmetz Moita
Enviar correções  |  Comentários  | 

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.











Não faz muito tempo desde a última visita à capital gaúcha. Ainda assim, isso não foi motivo para o público porto-alegrense deixar de lado a oportunidade de prestigiar os suecos do Millencolin mais uma vez. Com o Bar Opinião lotado e ingressos esgotados, mais de mil pessoas vivenciaram uma experiência única.

A primeira grande surpresa foi a abrangência de faixas etárias muito distintas. Uma faixa típica dos fãs do Millencolin na base de 20 anos de idade, que vivenciou o crescimento da banda no início dos anos 90; outra um pouco mais antiga, que assistiu os lendários Ramones quando ainda não eram uma lenda; e até mesmo alguns mais novos, que não tiveram a oportunidade de jogar Tony Hawk’s Pro Skater 2.

Antes mesmo da banda principal subir ao palco, o público deixou claro que não estava ali pra brincadeira... Enquanto o palco era montado, o empurra-empurra estava começando a se formar e dois ou três mais ousados já começavam a nadar na platéia.

Pouco mais de dez minutos além do programado, as luzes se apagam e, sob gritos ensurdecedores, os membros do Millencolin assumem seus postos. Fredrik (bateria), Mathias e Erik (guitarras) e Nikola (baixo e vocal) não perdem tempo com cerimônia e disparam tocando na íntegra (e em ordem!) o álbum Pennybridge Pioners, de 2000. Iniciando de cara com um dos maiores sucessos da banda, “No Cigar” (aquela música que você com certeza conhece, mas talvez não lembre). Dando sequencia com “Fox”, Erik dá um chute no ar que resulta em uma embaraçosa queda de costas. Nada que precise interromper o show, pelo contrário, rende algumas risadas e uma leve timidez superada pela pegada de “Material Boy”.

Chegamos então a um dos pontos mais altos da apresentação. “Penguins and Polar Bears” foi a responsável pelo maior tumulto (no bom sentido) do público e por algumas tentativas, mal sucedidas, de invasão de palco.

Como qualquer banda estrangeira que venha para o Brasil, era inevitável que algumas piadas clichês sobre futebol fossem feitas. Nikola perguntou quem gostava de clubes como Santos e Flamengo, tomando, obviamente uma grande vaia. Quando falou sobre o Grêmio, alguns vaiaram, enquanto uma grande maioria (coincidentemente) aparentava preferir o time tricolor gaúcho. Antes que pudesse equilibrar as coisas citando o Internacional, uma faixa da torcida organizada do Grêmio foi arremessada ao palco. A manifestação por parte dos torcedores do time foi ainda maior e os músicos notaram que seria difícil continuar a brincadeira como era planejado...

...Então, seguiram com a balada (como o nome já sugere) “The Ballad”. Embora 80% da canção seja acústica, alguns não se importaram com o clima que a música deveria criar, e continuaram se divertindo com os moshes e rodas.

Daí em diante, os suecos continuaram apresentando uma grande seleção da carreira. Dificilmente algum fã foi embora insatisfeito por não escutar a música desejada (mesmo que nenhuma canção do álbum mais recente, Machine 15, tenha sido executada). Embora a apresentação tenha sido relativamente curta (uma hora e meia), 23 sucessos da banda foram apresentados, entre eles, “Story Of My Life”, “Vixen” e “Mr. Clean”. A banda se retira e retorna para encerrar o show com “Bullion” e “Black Eye”.

Em resumo, o Millencolin trouxe a Porto Alegre uma das maiores performances de palco que bandas do estilo poderiam proporcionar. Comparado ao show de 2008, todos os fãs afirmaram uma superioridade na banda atualmente. Muito carisma, grande atenção ao público (incluindo cartazes e camisetas feitas para chamar atenção da banda), e uma noite inesquecível que marcou com muita alegria, litros e suor e alguns pares de hematomas.

Set list:
01. No Cigar
02. Fox
03. Material Boy
04. Duck Pond
05. Right About Now
06. Penguins and Polar Bears
07. Hellman
08. Devil Me
09. Stop to Think
10. The Mayfly
11. Highway Donkey
12. A-Ten
13. Pepper
14. The Ballad
---
15. Story of My Life
16. Friends Til’ The End
17. Random I Am/Leona
18. Vixen
19. Buzzer/In a Room
20. Killercrush
21. Mr. Clean
---
22. Bullion
23. Black Eye

Produção Abstratti

Redação e Fotografia: Lucas Steinmetz (Moita)

GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no G+

Os comentários são postados usando scripts e logins do FACEBOOK, não estão hospedados no Whiplash.Net, não refletem a opinião dos editores do site, não são previamente moderados, e são de autoria e responsabilidade dos usuários que os assinam. Caso considere justo que qualquer comentário seja apagado, entre em contato.

Respeite usuários e colaboradores, não seja chato, não seja agressivo, não provoque e não responda provocações; Prefira enviar correções pelo link de envio de correções. Trolls e chatos que quebram estas regras podem ser banidos. Denuncie e ajude a manter este espaço limpo.

709 acessosMillencolin: no Brasil em outubro; confira as datas e cidades0 acessosTodas as matérias e notícias sobre "Millencolin"

0 acessosTodas as matérias da seção Resenhas de Shows0 acessosTodas as matérias sobre "Millencolin"

TatuagensTatuagens
Homenagens à banda Kiss na pele dos fãs mais radicais

SlayerSlayer
"Kerry King: Black Metal norueguês é uma merda!"

Fotos de InfânciaFotos de Infância
Jon Bon Jovi muito antes da fama

5000 acessosDimebag Darrell: guitarra de Van Halen num caixão do Kiss5000 acessosDepressão: 10 músicas que devem ser evitadas5000 acessosGóticas: 10 grandes bandas do gênero na Inglaterra dos anos 805000 acessosSlayer: a honra de serem fotografados com Brian May, do Queen5000 acessosEddie Trunk: os álbuns que marcaram o apresentador5000 acessosRegis Tadeu: conheça um Ronnie James Dio que quase ninguém ouviu

Sobre Lucas Steinmetz Moita

Formado em Jornalismo pela Unisinos, atua em duas áreas bastante bipolares: música pesada e teologia. Proprietário do site CristianismoHardcore.com.br, atuou durante 5 anos com o Programa MoitaRock, entrevistando diversos artistas nacionais e internacionais (como Andre Matos, Angra, Sebastian Bach e Blind Guardian). O Programa MoitaRock foi extinto, mas o trabalho com vídeo e entrevistas continua em HeavyTalk.com.br, ao qual também administra.

Mais informações sobre Lucas Steinmetz Moita

Mais matérias de Lucas Steinmetz Moita no Whiplash.Net.

Whiplash.Net é um site colaborativo. Todo o conteúdo é de responsabilidade de colaboradores voluntários citados em cada matéria, e não representam a opinião dos editores ou responsáveis pela manutenção do site, mas apenas dos autores e colaboradores citados. Em caso de quebra de copyright ou por qualquer motivo que julgue conveniente denuncie material impróprio e este será removido. Conheça a nossa Política de Privacidade.

Em fevereiro: 1.218.643 visitantes, 2.740.135 visitas, 6.216.850 pageviews.

Usuários online