Green Day: a espera de 12 anos dos cariocas valeu a pena

Resenha - Green Day (HSBC Arena, Rio de Janeiro, 15/10/2010)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Gabriel von Borell
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.









A espera de 12 anos do público carioca pelo retorno do Green Day ao Rio de Janeiro (a primeira e única passagem da banda em solo brasileiro havia acontecido em 1998 durante a turnê do álbum "Nimrod") parece ter valido a pena. As cerca de 14 mil pessoas que estiveram presentes na HSBC Arena, na última sexta-feira (15), foram à loucura com uma performance intensa de música, pirotecnia e interatividade por parte do trio californiano.

Pouco antes da apresentação do Green Day ter início, um coelho rosa surgiu no palco ao som de Y.M.C.A., do Village People, para entreter a platéia. Naquele exato momento ficou claro que a noite seria, no mínimo, divertida. E às 22h35, pouco mais de meia hora depois do horário previsto para o começo do show, o jovem público da noite (chamou a atenção a grande quantidade de crianças e pré-adolescentes no local) entrou em frenesi com a introdução de "Song of the Century". Era o anúncio de que o Green Day estava entrando em cena para enlouquecer o público do Rio de Janeiro pelas próximas três horas.

"Boa noite, Rio, vocês estão prontos? O Green Day está de volta depois de longos 12 anos", disse o vocalista Billie Joe, entusiasmado. Com uma energia e simpatia hipnotizante, Billie Joe, Mike Dirnt e Tré Cool, acompanhados de outros três músicos de apoio: Jason White e Jeff Matika (guitarras) e Jason Freese (teclados), dominaram inteiramente a platéia. Não havia quem ficasse parado na empolgante sequência com "21st Century Breakdown" e "Know your Enemy".

Na música seguinte, "East Jesus Nowhere", um voluntário mirim foi convidado a subir ao palco, interagiu com Billie Joe e depois pulou em direção à multidão, no que provavelmente deve ter sido o primeiro mosh de sua vida. Muitos outros fãs foram também chamados para subir ao palco durante a apresentação. Em "2000 Light Years Away", dez pessoas fizeram uma verdadeira zona em cima do palco tirando dezenas de fotos e agarrando os integrantes. Alguns foram mais sortudos como a fã que foi convidada ao palco durante a execução de "Are we the Waiting" e ganhou um longo beijo na boca de Billie Joe (no melhor estilo Bono Vox do U2), e o rapaz que cantou "Longview" e recebeu de presente a guitarra do vocalista, das mãos do próprio Billie. Mas, ao que tudo indica, as pessoas que foram convidadas ao palco foram pré-selecionadas, já que um fã mais saidinho ao tentar pular a grade da pista premium levou uma gravata violenta de um segurança e saiu pelo backstage.

A apresentação do Green Day também contou com uma série de covers de clássicos, que parecia uma rápida aula de rock para a geração mais nova. A imagem de uma menina de aproximadamente 13 anos desesperada para saber de quem era a música quando o Green Day executava "Rock and Roll" do Led Zeppelin ilustra bem o fato. Os mais velhos se animaram com os hits de Black Sabbath, AC/DC, Rolling Stones, The Doors e Beatles. Em "Blitzkrieg Bop, dos Ramones, vocalista e baterista trocaram as bolas e Tré Cool assumiu os vocais enquanto Billie Joe foi tocar bateria.

E depois de muitas explosões, fogos de artifício, jatos de água no público, lança-rolos de papel higiênico, armas de disparar camisetas e fantasias, o Green Day deu partida no seu set acústico, e final, com "Whatsername" seguida de "Wake me up When September Ends", que provocou uma catarse coletiva na HSBC Arena.

Para encerrar a noite, Billie Joe e Cia tocaram "Good Ridance (Time of Your Life)", em um desfecho menos animado, porém, bonito.

E ao público carioca restou agradecer ao Green Day pela noite incrível que todos os fãs, ávidos de assistir uma apresentação do trio de pop punk por anos a fio, finalmente testemunharam. Além de torcer para que a banda não demore tanto tempo para voltar ao país, claro.

Set list:
1- Song of the Century
2- 21st Century Breakdown
3- Know Your Enemy
4- East Jesus Nowhere
5- Holiday
6- Nice Guys Finish Last
7- Give Me Novacaine
8- Letterbomb
9- Are We the Waiting
10- St. Jimmy
11- Boulevard of Broken Dreams
12- Burnout
13- Geek Stink Breath
14- Paper Lanterns
15- 2000 Light Years Away
16- Hitchin' a Ride
17- When I Come Around
18- Iron Man / Rock N' Roll / Sweet Child O' Mine / Highway to Hell / Back In Black
19- Brain Stew
20- Jaded
21- Longview
22- Basket Case
23- She
24- King For a Day
25- Shout / Blitzkrieg Bop / Break On Through / Satisfaction / Hey Jude
26- 21 Guns
27- Minority

Bis

28- American Idiot
29- Jesus of Suburbia

Bis acústico:
30- Whatsername
31- Wake Me Up When September Ends
32- Good Riddance (Time of Your Life)



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Green Day"


Surfing Rockers: várias bandas em documentário sobre surf para 2020

Kerrang: Os 50 discos mais importantes dos anos 2000Kerrang
Os 50 discos mais importantes dos anos 2000

Contra Costa Times: Os 25 melhores guitarristas da Bay AreaContra Costa Times
Os 25 melhores guitarristas da Bay Area

Oasis: Noel Gallagher acusa Green Day de plágioOasis
Noel Gallagher acusa Green Day de plágio


Freddy Frenzzy: O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentaçãoFreddy Frenzzy
O vocal que trocou Hard Rock por forró ostentação

Metallica: Ulrich comenta sobre seu maior erroMetallica
Ulrich comenta sobre seu maior erro

Rockstars: as filhas mais lindas dos astros do rockRockstars
As filhas mais lindas dos astros do rock

Separados no nascimento: Cazuza e Lauro CoronaMascotes do Metal: os dez maiores segundo The GauntletIron Maiden: sobre o que fala a música "Lord of the Flies"Kurt Cobain: a teoria de assassinato do músico

Sobre Gabriel von Borell

Gabriel von Borell, nascido em 30/03/85, jornalista. Não vive sem música e também não se apega a rótulos musicais. Acredita que todo preconceito é burro, inclusive o musical. Escuta de tudo um pouco, considerando que um jornalista deve estar aberto pra conhecer e comentar sobre qualquer músico ou banda. Pode ser encontrado no Twitter em @gabrielborell.

Mais matérias de Gabriel von Borell no Whiplash.Net.