Matérias Mais Lidas

imagemA música do Raul Seixas com erro gramatical que parece um plágio mas é uma homenagem

imagemO arrependimento que David Bowie carregava em relação a Elvis Presley

imagemRick Wakeman relembra época em que o Yes abria show para o Black Sabbath

imagemRolling Stones: Keith Richards compara tocar com Brian Jones, Mick Taylor e Ron Wood

imagemTestament está confirmado na edição brasileira do Summer Breeze, segundo jornalista

imagemA dura bronca dos Titãs em Nando Reis durante gravação de "Titanomaquia"

imagemShow do Dream Theater em São Paulo não será mais realizado no Pavilhão Pacaembu

imagem4 hits do Deep Purple cujos riffs Ritchie Blackmore já confessou ter copiado

imagemA reação de Stevie Ray Vaughan ao ouvir Jimi Hendrix pela primeira vez

imagemO hit dos Engenheiros sobre Humberto não querer ser guru dos jovens igual Renato Russo

imagemThin Lizzy e o álbum picareta de covers do Deep Purple que garantiu sua sobrevivência

imagemConheça o guitarrista brasileiro de 16 anos que estará no próximo clipe do Megadeth

imagemRoger Waters sobre tocar Pink Floyd sem David Gilmour: "Não tenho problema algum"

imagemRob Trujillo presta tributo ao Rage Against The Machine após shows em Nova Iorque

imagemCinquenta grandes músicas lançadas por bandas de rock e heavy metal em 2022


Statik Majik e Kill: bom show para público reduzido no Rio

Resenha - Statik Majik e Kill (Audio Rebel, Rio de Janeiro, 02/10/2010)

Por Marcos Garcia
Em 07/10/10

Final de tarde chuvoso na cidade do Rio de Janeiro, véspera da eleição, pouquíssimo público, já que menos de 50 pessoas estiveram presentes no espaço Áudio Rebel, em Botafogo, e ainda por cima, uma das bandas do evento não compareceu, por motivos que ainda não foram divulgados. Ou seja, na visão de qualquer pessoa, o show seria horrível, certo?

ERRADO, pois o evento foi muito bom mesmo!

O pouco público e a falta de uma das bandas permitiram as duas que tocaram ter um clima mais intimista, mais tranqüilo e sem pressa.

Como consegui viver de Rock e Heavy Metal

O KILL, power trio de Thrash Metal, sobe ao palco e abre a noite em uma performance segura, despejando um set forte com músicas próprias, como a ótima ‘Burning in the Tire’ (com o guitarra Paulo Guedes arrasando nas bases e solos) e ‘Annihilate Everyone’ (a cozinha do baixista/vocalista Bruno Torricini e do baterista Leonardo Costa estava afiadíssima), e várias versões de hinos do Metal, como ‘Into the Pit’ (TESTAMENT), ‘Walk’ (PANTERA), ‘Tornado of Souls’ (MEGADETH) e ‘Ace of Spades’ (MOTORHEAD). A banda é muito boa, e seu som não é nem clichê e muito menos datado, mas pode melhorar ainda mais, especialmente na postura de palco, que para ser bem sincero, não foi muito boa devido ao palco ser um pouco pequeno. O futuro é bem promissor para eles.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

O STATIK MAJIK, outro power trio, só que mais Stoner/Hard’n’Heavy, é uma banda veterana, com vários lançamentos, sejam singles, demos, EP e CD, e transparece isso no palco, com uma performance segura, carismática e cheia de energia, já que possui tesão pela música que fazem e tocam, o que fica claro pela postura e carisma de seus membros, em especial por conta do baixista/vocalista Thiago Demogorgoth, que esbanja energia e simpatia. O set foi baseado quase todo em músicas do recém lançado CD "Stoned on Musik", como as ótimas ‘Damned’ e ‘Shadows of Hope’, onde o batera Luiz Carlos não faz questão de complicar, e na sua simplicidade, fez muito bonito e mostrou garra e peso. Houveram covers, mas os destaques ficaram para o medley do Black Sabbath, com os hinos ‘Black Sabbath’, esta sendo cantada pelo novo guitarrista, Thiago D’Lopes, que fazia sua estréia na banda, e ‘Sabbath Bloody Sabbath’, fora um inusitado cover para ‘Love Shock’, da outra banda do guitarrista Thiago, GREAZY LIZZARD, e este rapaz tem técnica e ‘feeling’ absurdos! Basta ver shows dele e entenderão.

Divulgue sua banda de Rock ou Heavy Metal

Uma ótima noite, que muitos infelizmente perderam.

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Stamp


publicidade
Ademir Barbosa Silva | Alexandre Faria Abelleira | Andre Sugaroni | André Silva Eleutério | Antonio Fernando Klinke Filho | Bruno Franca Passamani | Caetano Nunes Almeida | Caio Livio de Lacerda Augusto | Carlos Eduardo Ramos | Carlos Gomes Cabral | Cesar Tadeu Lopes | Cristofer Weber | César Augusto Camazzola | Dalmar Costa V. Soares | Daniel Rodrigo Landmann | Décio Demonti Rosa | Efrem Maranhao Filho | Eric Fernando Rodrigues | Eudes Limeira | Fabiano Forte Martins Cordeiro | Filipe Matzembacher | Gabriel Fenili | Helênio Prado | Henrique Haag Ribacki | Jesse Silva | José Patrick de Souza | Leonardo Felipe Amorim | Marcello da Silva Azevedo | Marcelo Franklin da Silva | Marcelo H G Batista | Marcio Augusto Von Kriiger Santos | Pedro Fortunato | Rafael Wambier Dos Santos | Regina Laura Pinheiro | Reginaldo Tozatti | Ricardo Cunha | Ricardo Dornas Marins | Sergio Luis Anaga | Sergio Ricardo Correa dos Santos | Tales Dors Ciprandi | Thiago Cardim | Tiago Andrade | Tom Paes | Vinicius Valter de Lemos | Wendel F. da Silva
Siga Whiplash.Net pelo WhatsApp

Regis Tadeu: 5 álbuns de metal nacional que merecem a sua atenção

Statik Majik: A coleção de vinis do baterista Luis Carlos

Van Halen: o constrangedor encontro de Eddie com o Nirvana

A importância da revista Playboy na vida de alguns rockstars


Sobre Marcos Garcia

Marcos Garcia é Mestrando em Geofísica na área de Clima Espacial, Bacharel e Licenciado em Física, professor, escritor e apreciador de todas as subdivisões de Metal, tendo sempre carinho pelas bandas mais jovens e desconhecidas do público, e acredita no Underground como forma de cultura e educação alternativas. Ainda possui seu próprio blog, o Metal Samsara, e encara a vida pela máxima de Buda "esqueça o passado, não pense no futuro, concentre-se apenas no presente".

Mais matérias de Marcos Garcia.