Joe Lynn Turner: ótima noite para os amantes do Hard Rock

Resenha - Joe Lynn Turner (Celeiros Beer, Biguaçu, 08/08/2009)

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net

Por Ben Ami Scopinho
Enviar correções  |  Ver Acessos

O texto representa opinião do autor, não do Whiplash.Net ou dos editores.











Apesar de ser uma capital, Florianópolis e a região que a circunda raramente tem a oportunidade de receber apresentações de bandas internacionais. O motivo? O público é pequeno. Então, naturalmente permanecia certa expectativa de como seria a noite de sábado, 8 de agosto, quando o Celeiros Beer, em Biguaçu, receberia a "JLT - High Gear", turnê do controvertido Joe Lynn Turner, o vocalista que, de uma forma ou outra, deixou sua marca no Rainbow, Deep Purple e na banda de Yngwie Malmsteen.

Fotografias: Luiz Antônio Menegotto

Programado para iniciar às 22h, as bandas cover CODA (que estava comemorando sua primeira década de atuação) e Fred Lee entraram no palco pouco depois das 23h e, como sempre, esquentaram o público com um repertório muito bem selecionado, tocando clássicos do Led Zeppelin, Deep Purple, Whitesnake, Van Halen e afins.

E foi somente à 00h15 que o norte americano Joseph Linquito, mais conhecido como Joe Lynn Turner, acompanhado por Andres Montoya (USA, guitarra, ex-After Pill, Once Misguided), Beto Peres (Brasil, guitarra), Andy Robbins (USA, baixo, ex-Holy Soldier), Marçal (Brasil, teclados) e Garry King (UK, bateria, ex-Jeff Beck, Paul McCartney, Psychedelic Furs), iniciou sua performance para cerca de 500 pessoas, um número um tanto quanto razoável para a ocasião, e cuja faixa etária passava pelos jovens recém-saídos da adolescência e seguia até os veteranos cinquentões.

E Turner, com sua cabeleira impecável, afetação, caras e bicos, se impôs com sua voz e conquistou rapidamente a platéia. Experiência de quem está há décadas atuando... Com uma excelente qualidade sonora (confesso que foi o melhor som que já tive a oportunidade de escutar no Celeiros), a abertura não poderia ser melhor: "Highway Star", clássico do bom e velho Purple, seguida por "I Surrender" (Rainbow), incendiaram o público, e quem estava mais à frente teve que firmar o pé para não perder seu lugar.

Ainda que não tenha sido executada nem uma canção da fase do Malmsteen, o show continuou, e faixas de grande impacto como "Devils Door" (do álbum solo "The Usual Suspects"), "Stone Cold" (Rainbow), "Street Of Dreams" (Blackmore's Night) ou a sempre bem-vinda e dançante "Hush" (Deep Purple) fizeram com que o público cantasse pra valer.

Os músicos eram extremamente simpáticos e recebiam a animação do público com amplos sorrisos, em especial o carismático baixista Robbins, que passou o tempo todo agitando e distribuindo palhetas ao pessoal. Curiosamente, lá pelas tantas, Turner acabou se estranhando com um cara que estava colado no palco. O vocalista perdeu a compostura e lhe deu um inesperado e rápido esporro, mas, percebendo que passara dos limites, fez um gesto de compreensão ao constrangido rapaz.

Tendo "Smoke On The Water" e "Perfect Stranger" encerrando a apresentação, Joe Linn Turner, com todo o 'peso' de seus 58 anos, proporcionou uma ótima noite aos amantes do Hard Rock clássico, que saíram do Celeiros com aquele sorrisão de satisfação. Depois de dias de frio e chuva, todos mereciam! E até mesmo os poucos headbangers que apreciam o metal extremo que apareceram por lá deram o braço a torcer, admitindo que foi uma apresentação verdadeiramente rock'n'roll.

Tracklist:
- Highway Star (Deep Purple)
- I Surrender (Rainbow)
- King Of Dreams (Deep Purple)
- Blood Red Sky (Joe Lynn Turner)
- Street Of Dreams (Blackmore's Night)
- Divided (Sunstorm)
- Jealous Lover (Rainbow)
- Stone Cold (Rainbow)
- Devil's Door (Joe Lynn Turner)
- Love Conquers All (Deep Purple)
- Death Alley Driver (Rainbow)
- Hush (Deep Purple)
- Burn (Deep Purple)
- Smoke On The Water (Deep Purple)
- Perfect Stranger (Deep Purple)



GosteiNão gostei

Compartilhar no FacebookCompartilhar no TwitterCompartilhar no WhatsAppSeguir Whiplash.Net


Todas as matérias da seção Resenhas de ShowsTodas as matérias sobre "Joe Lynn Turner"


Joe Lynn Turner: O Purple é uma espécie de Ian Gillan BandJoe Lynn Turner
"O Purple é uma espécie de Ian Gillan Band"

Whitesnake: Joe Lynn Turner afirma que Coverdale não canta ao vivoWhitesnake
Joe Lynn Turner afirma que Coverdale não canta ao vivo

Yngwie Malmsteen: Joe Lynn Turner fala sobre ego do guitarristaYngwie Malmsteen
Joe Lynn Turner fala sobre ego do guitarrista


Metallica: Hetfield elege as suas dez músicas favoritasMetallica
Hetfield elege as suas dez músicas favoritas

Metal norueguês: as dez melhores bandas segundo o About.comMetal norueguês
As dez melhores bandas segundo o About.com

Ultimate Classic Rock: as 25 músicas mais tristes da históriaUltimate Classic Rock
As 25 músicas mais tristes da história

Motorhead: Segundo Lemmy Kilmister, "Rap não é música"Metal contra o câncer: festival aceita "cabelo" como ingressoLemmy: "Eddie Van Halen nunca chegará aos pés de Hendrix!"Kiko Loureiro: guitarrista fala sobre suas influências

Sobre Ben Ami Scopinho

Ben Ami é paulistano, porém reside em Florianópolis (SC) desde o início dos anos 1990, onde passou a trabalhar como técnico gráfico e ilustrador. Desde a década anterior, adolescente ainda, já vinha acompanhando o desenvolvimento do Heavy Metal e Hard Rock, e sua paixão pelos discos permitiu que passasse a colaborar com o Whiplash! a partir de 2004 com resenhas, entrevistas e na coluna "Hard Rock - Aqueles que ficaram para trás".

Mais informações sobre Ben Ami Scopinho

Mais matérias de Ben Ami Scopinho no Whiplash.Net.